Hoje eles são pouco mais de 3 ou 4 milhões de pessoas espalhadas pelo México, Honduras, Guatemala e El Salvador.São apenas um traço rápido, descendentes de uma civilização fascinante e ainda misteriosa que, ao longo de mil anos, floresceu e desapareceu na América Central e do Norte, muito antes da chegada de Colombo à nova terra.

Bem mais que ídios -selvagens ou dóceis-, bem mais que homens exóticos e pagãos aos olhos do europeu expansionista e cristão, os Maias foram um povo que deixou um legado inestimável de organização social e política, de conhecimentos ciêntificos - especialmente de engenharia, matemática, as tronomia e calculo -, só comparado aos antigos egípcios e suas pirâmides e templos perfeitos.

INTRODUÇÃO

A civilização Maia tem raízes de miscigenação há 10 mil anos.Tinham deuses severos e implacaveis diante das fraquezas humanas a quem eles deveriam ofertar-lhe o sangue para que a cidade tivesse um bom desenvolvimento.

Morrer para os Maias significava tudo pois eles iam ver a face de KUKULKAN que lhes daria a vida eterna.

Esses sacrifícios ocorriam até no esporte, uma espécie de basquete usando os cotovelos e os joelhos.Se o time ganha-se os jogadores eram decapitados, se perdesse eram humilhados.

Além do sacrificio existia um templo para cada deus, existia feiras onde comercializavam comida e objetos, existiam fazes percorridas pelos guerreiros, em si uma civilização muito bem organizada.

ORGANIZAÇÃO POLITICA E SOCIAL

OS Maias parecem ter tido um governo descentralizado, ou seja um território dividido em estados dependentes, ainda que nos ultimos tempos, houveram caciques que governavam vários centros.

Graças fontes de escritas, distantes cargos políticos e sacerdotais, assim como as hierarquias sociais que existiam no final do Pós-clássico: o halach ainic ( homem verdadeiro) era o chefe político supremo, com todas as facilidades e o cargo hereditário- No período clássico o Halach vinic deveria ser tambem sumo sacerdote, porém depois apareceu a diferença entre a autoridade ável sacerdotal.

O chefe supremo era assessorado por um conselho entregado pelos ahcuchcabado. Os chefes das aldeias eram os leotaboob, com funções cívis, religiosas, militares sacerdotais, estes, por sua vez tinham seu conselho.O chefe militar era o "el nacom", unica altoridade eleita, por um príodo de 3 anos.

Quatro funcionários eram os Kruleboob, encarregados das festas e os tupile ou guardiões.A sociedade Maia estava dividida em classes: a nobreza o almehenoob, a qual pertence o sacerdote, governantes, chefes guerreiros e comerciantes o oh chembal unicoob, contituido de artesãose trabalhadores, os escravos o pentacoob parte reduzido da população destinada principalmente o sacrifício, pois a sociedade Maia não se baseava na escravidão.

O grupo sacerdotal era, em realidade, de maior poder, pois além da autoridade religiosa tinha em suas mãos todo o conhecimento ciêntifíco, que eram o fundamento da vida da comunidade.

O sumo sacerdote se chamava ahau tan ( senhor serpente ) e controlava os rituais e a ciências, escrevia os códices, tanto religiosos como históricos, administrava os templos e era conselho de halach uinic.

Os sacerdotes menores eram el ahkin, com várias funções, como pronunciar discursos baseados nos códices o chilan, taumoturgo e profita: o nacom sacrificar, o ahmén hechiciro e curandeiro.

RELIGIÃO

Os Maias tinham uma religião politeista a dizer, rendiam culto a muitos deuses, que podiam ser masculinos e femininos, jovens e velhos benéficos e maléficos tambem um ou 4 não eram seres perfeitos como em outras religiões, nem cuitosuficientes, que para continuarar existindo necessitando de homens e do culto.

Quando eles invocavam poderiam parecer "hambre"(fome) e inclusive enjoriarse.Suas dádivas eram representados como seres que parecia caracteristicas humanas, animais e vegetais.Devido a dificuldade para identificar certas figuras nos códices que aparecem na escrita, eles eram denominados como letras.

Os principais deuses, além dos corespondentes dos números e os lapsos foram entre Yucatecos dos seguintes: Hunab kei deus celeste; Itzamná (deus D) do céu knich, Ahuia( deus G) do Sol ; Chaac ( deus B ) da chuva e Ah puch ( deus A) cenote do inframundo e dos mortos.Ixchel ( deusa I) da lua segundo o pensamento Maia, os deuses criarão o mundo com o fim de que, não poderia habtar um ser que os venerava.

O mundo foi criado, des huido voltou a ordenar várias faces, esta que finalmente foi criado o homem. A julgar o mundo como uma superfície plana e quadrangular que se divide em quatro setoresdos que se asossiam cores significativas: roxo ao leste, amarelo ao sul,branco ao norte, negro ao oeste verde ao centro, lugar onde se encontra uma grande seiva cuja as raízes penetram no mundo subterrâneo, formado por nove estados e cuja copa toca os níveis do céu.

ECONOMIA E POLÍTICA


A base da economia Maia foi o cultivo do milho pela técnica, pela roça e pelo semeio, que acaba esgotando as terras em 2 ou 3 anos, obrigando a mudar de lugar de plantio, o que resulta num cultivo extensivo e não intensivo.Na plantação se planta tambem outras coisas e se cultivam legumes, frutos, condimentos, algodão, tabaco.Ao lado da agricultura se praticava a caça, a pesca e domesticação de animais.

No aspecto tecnológico, a industria mais importante lítica; produziram armas, objetos de trabalho e tornos em vários tipos de pedras, como a obsidiana, o pedernal e o jade. Outras industrias foram : a de sal, a textil, la hulera, la cesteiria, la primeira e la alfarreria. A metalurgia aparecem pelo séculos XI ou XII procedenta da América Central, e foi visada quase exclusivamente para produzir adornos.

O comércio foi um dos aspectos importantes da economia Maia: havia rotas terrestres, fluviais e marítimas.Existiam mercados "internacionais" como o de Xicalanço, havia edifícios especiais assim como córtes judicias.

Os mercadores, chamados de polom, pertenciam a nobreza e possivelmente estavam organizados em grêmios. O comércio se realizava por meio de troca, ainda que alguns produtos tinham valor de moeda como o cacao o jade e os objetos de cobre.

CIDADE DE TIKAL

O sítio arqueológico de Tikal fica na Guatemala, a história dessa cidade começa no século I, essa cidade possui o mais impressionante conjunto arquitetônico, na verdade um local de cerimonias, no seu centro havia uma piramide maior, que é o templo do Jaguar um primor de arquitetura, que certamente foi o centro da cidade, a maior dos Maias.

Os vestígios arqueológicos demontram que naquela região existia vilas agrícolas.As evidências são de que havia palácios, mercados, templos religiosos e habitações muito grande, porque haviam conjunto de edifícios em torno da pirâmide.

HISTÓRICO DA CIDADE

No século 17 a cidade foi descoberta pelos espanhóis, missionários que queriam converter tribos que viviam às margens do lago Petén-Itzá, passaram aterrorizados por suas reuínas.Apartir deste relato feito pelos religiosos o coronel Modesto Mendez em 1848 foi procurar a cidade, e quando a encontrou ficou maravilhado com a cultura.

Intrigando-nos até hoje, com o tamanho da pirâmide e dos templos feitos daquele tamanho com objetos construtores equivalentes a idade da pedra européia.Além disso a cidade posuia grandes reservatórios de água, e ainda alguns objetos que até hoje não foi possível reprodusi-lo. Mais recentimente os americanos encontraram pirâmides Maias na Guatemala com até 45 metros de altura naregião de Nakbe com objetos com + ou- 400 a.C.

ESCRITA


Dos 4 sistemas de escrita que se desenvolveram na Mezoamérica (zapotéca, mixteca, Maia e asteca), o mais complexo, não é possível agente ler completamente os textos, devido entre outras coisas a que os750 ou 800 signos que se conhecem, alguns sons ideográficos, outros pictográficos e outros mais em partes fonéticas, que funcionaram em forma de figuras.

CALENDÁRIO

Para os Maias a terra repousa sobre um crocodilo que flutua no mar e depois 13 céus, as moradias das estrelas. Há uma árvore sagrada em cada canto do mundo segurando o céu. Há tambem mundos subterrâneos guardados pelos senhores da noite. A noite é perigoso viajar pois os espíritos das sombras saem.

MEDICINA

Os Maias tiveram uma medicina que foi combinação da Ciência e magia, pois conscideravam que as infermidades teriam tantos casos naturais e como sobrenaturais.O médico era o ahmén, quem diagnosticava a partir de sintomas, fundados na idéia de que as infermidades se devia ao frio, ao calor ou a alguma coisa mágica.

Havia médicos especializados,como herbolárias, hueseros e parteras.Entre as curas havia infusões e pomadas feito com ervas, substâncias animais sangrias hantro de vapor e formulas mágicas. Há vários textos médicos, parte dos chilam, balam e copias de antigas escrituras realizadas mais tardiamente, como o livro do judio e no livro, RITUAL DOS BACABES