Direito é uma das profissões mais desejadas do Brasil! A possibilidade de ganhar bons salários e um mercado de atuação diversificado atraem milhões de estudantes todos os anos para esta graduação.

O resultado aparece na concorrência dos cursos, quase sempre alta. Nas universidades públicas, às vezes o número de pessoas disputando a mesma vaga em Direito chega ao segundo lugar, perdendo apenas para Medicina.

A boa notícia é que o Brasil possui o maior número de faculdades de Direito do mundo, o que ajuda a diversificar bastante as mensalidades do curso. De Norte a Sul é possível encontrar valores compatíveis com todos os bolsos: de R$ 350 a até mais de R$ 4.000, dependendo da instituição.

No entanto, é preciso abrir o olho. Se você quer saber quanto custa estudar Direito, vai ter que preparar a calculadora. Não dá para fazer um cálculo realista considerando apenas o valor da mensalidade. É preciso pensar também nos custos extras e ter sempre em mente que o investimento irá durar o tempo da graduação: cinco anos, em média.

Por isso, preparamos um guia com tudo que você deve levar em conta na hora de perseguir a tão sonhada carreira. Confira!

Mensalidades de Direito

Cursar Direito em uma faculdade particular vai exigir um investimento médio de R$ 800 por mês. No entanto, o valor pode variar imensamente, dependendo da instituição e da região onde o curso é oferecido.

Uma curiosidade que você vai constatar mais adiante: o Estado de São Paulo tem a faculdade de Direito mais cara e a mais barata do Brasil.

Descubra a seguir quanto custa estudar Direito em diversas universidades privadas pelo País:

Cursos de Direito com mensalidades mais baixas:

São Paulo (SP)
Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas Santa Rita de Cássia (FACEAS)
Valor: R$ 350

Londrina (PR)
Faculdade Norte Paranaense (UNINORTE)
Valor: R$ 350

Juiz de Fora (MG)
Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)
Valor: R$ 450

Goiânia (GO)
Faculdade Lions (FAC-Lions)
Valor: R$ 500

Arapiraca (AL)
Instituto de Ensino Superior Santa Cecília (IESC)
Valor: R$ 600

Cursos de Direito com mensalidades dentro da média:

João Pessoa (PB)
Faculdade Paraibana (FAP)
Valor: R$ 700

São Paulo (SP)
Universidade Cidade de São Paulo (UNICID)
Valor: R$ 750

Campos Dos Goytacazes (RJ)
Universidade Estácio de Sá (UNESA)
Valor: R$ 750

Franca (SP)
Universidade de Franca (UNIFRAN)
Valor: R$ 800

Caxias (MA)
Faculdade do Vale do Itapecuru (FAI)
Valor: R$ 850


Cursos de Direito com mensalidades mais altas:

Salvador (BA)
Faculdade Unime (UNIME)
Valor: R$ 1.000

Belo Horizonte (MG)
Faculdade Pitágoras (PITÁGORAS)
Valor: R$ 1.300

Lajeado (RS)
Centro Universitário Univates (UNIVATES)
Valor: R$ 1.800

Rio De Janeiro (RJ)
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)
Valor: R$ 2.500


São Paulo (SP)
Escola de Direito de São Paulo (DIREITO GV)
Valor: R$ 4.200


Curso de Direito a distância

O Ministério da Educação ainda não aprovou nenhum curso de Direito a distância. Esta seria uma opção interessante para quem quer economizar ainda mais, já que as graduações nessa modalidade geralmente são bem mais em conta, sem falar na economia com deslocamentos e alimentação.

Calcule os custos extras para estudar Direito

Uma das grandes vantagens do curso de Direito é ser oferecido em apenas um turno, geralmente pela manhã ou à noite. Assim, dá para conciliar a faculdade com o emprego e garantir o pagamento da mensalidade.

Só que, além da mensalidade, é preciso também ficar atento aos custos extras ao longo dos quatro anos de graduação.

Veja como identificar e calcular essas despesas:

1. Moradia
Alguns estudantes, especialmente aqueles que habitam em cidades menores, muitas vezes precisam se mudar para estudar na universidade desejada. Se for o seu caso, é preciso colocar no papel todas as despesas com moradia, que às vezes podem ser mais altas que a mensalidade do curso.

Na conta, inclua os seguintes itens:

  • Valor do aluguel (quarto, apartamento, casa)
  • Condomínio (se for o caso)
  • IPTU
  • Serviços básicos como água, luz, gás, internet e limpeza

2. Transporte
Muita gente escolhe estudar em uma universidade mais distante de casa por ter uma mensalidade mais barata. Às vezes, essa economia não compensa. Para calcular quanto você vai precisar gastar com transporte (e tempo de deslocamento) durante os cinco anos de graduação, leve em conta os seguintes fatores:
  • Quantos ônibus você precisará pegar por dia? Qual o tempo normal do trajeto da universidade até sua casa e vice-versa?
  • Se você tem carro, quanto de combustível você vai gastar por mês para ir e voltar da faculdade? Vai sozinho ou com algum colega?
  • Será necessário pagar estacionamento?

3. Alimentação
Aqui tem outra pegadinha. Uma coxinha aqui, um misto quente ali e, no final, a gente acaba gastando uma fortuna com alimentação! É preciso prestar bastante atenção a esse detalhe. Se você mora longe da faculdade, ou sai direto do emprego para a aula, provavelmente terá que fazer uma boquinha na rua. Por isso, faça uma análise: qual o valor médio da refeição na região da sua faculdade? Quantas vezes por semana você terá que gastar com comida? Ponha tudo isso na conta!


4. Material didático
Direito é um curso que exige a compra de alguns materiais essenciais, especialmente leis, códigos, etc. Pesquise na faculdade que tipo de material você vai precisar e faça um orçamento preliminar. Separe um valor por mês para essas despesas.

Dá para estudar Direito pagando menos?

Com certeza! Se as mensalidades das faculdades de Direito na sua cidade estão acima do seu orçamento, não desista! O Governo Federal possui dois programas de incentivo à formação superior no Brasil que podem ajudá-lo:

ProUni
O Programa Universidade Para Todos dá bolsas de estudo para estudantes de baixa renda que tiveram um bom desempenho no Enem. Para concorrer, é preciso ter obtido pelo menos 450 pontos nas provas objetivas e nota acima de zero na redação.

Só pode participar quem tiver renda familiar bruta mensal de até três salários mínimos por pessoa e cumprir as demais regras do Programa.

Conheça todos os detalhes em: ProUni


FIES
O FIES é um financiamento estudantil a juros baixos e prazo de pagamento a perder de vista. Para concorrer a esse benefício, é preciso ter se saído bem no Enem, com um mínimo de 450 pontos na média das provas objetivas e nota acima de zero na redação. A renda familiar bruta mensal deve ser de no máximo dois salários mínimos e meio por pessoa.

Descubra como usar o FIES para pagar a faculdade.

Animado para fazer uma faculdade de Direito? As dicas foram úteis para você? Conte para a gente nos comentários!