1. Com o texto eletrônico, enfim, parece estar ao alcance de nossos olhos e de nossas mãos um sonho muito antigo da humanidade, que se poderia resumir em duas palavras, universalidade e interatividade. As luzes, que pensavam que Gutenberg tinha propiciado aos homens uma promessa universal, cultivavam um modo de utopia. Elas imaginavam poder, a partir das práticas privadas de cada um, construir um espaço de intercâmbio crítico das ideias e opiniões. O sonho de Kant era que cada um fosse ao mesmo tempo leitor e autor, que emitisse juízos sobre as instituições de seu tempo, quaisquer que elas fossem e que, ao mesmo tempo, pudesse refletir sobre o juízo emitido pelos outros. Aquilo que outrora só era permitido pela comunicação manuscrita ou a circulação dos impressos encontra hoje um suporte poderoso com o texto eletrônico.
CHARTIER, R. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo:Imprensa Oficial do Estado de São Paulo; Unesp, 1998. No trecho apresentado, o sociólogo Roger Chartier caracteriza o texto eletrônico como um poderoso suporte que coloca ao alcance da humanidade o antigo sonho de universalidade e interatividade, uma vez que cada um passa a ser, nesse espaço de interação social, leitor e autor ao mesmo tempo. A universalidade e a interatividade que o texto eletrônico possibilita estão diretamente relacionadas à função social da internet de:
Resposta: letra A. A universalidade pode ser entendida como o livre acesso que a internet propicia a informações variadas. A interatividade, por sua vez, diz respeito ao fato de os usuários dela poderem não apenas acessar as informAções, mas também postar suas opiniões para os outros usuários, estabelecendo, assim, um intercâmbio de julgamentos.
  • a) propiciar o livre e imediato acesso às informações e ao intercâmbio de julgamentos.
  • b) globalizar a rede de informações e democratizar o acesso aos saberes.
  • c) expandir as relações interpessoais e dar visibilidade aos interesses pessoais.
  • d) propiciar entretenimento e acesso a produtos e serviços.
  • e) expandir os canais de publicidade e o espaço mercadológico.
2. Nós, brasileiros, estamos acostumados a ver juras de amor, feitas diante de Deus, serem quebradas por traição, interesses financeiros e sexuais. Casais se separam como inimigos, quando poderiam ser bons amigos, sem traumas. Bastante interessante a reportagem sobre separação. Mas acho que os advogados consultados, por sua competência, estão acostumados a tratar de grandes separações. Será que a maioria dos leitores da revista tem obras de arte que precisam ser fotografadas antes da separação? Não seria mais útil dar conselhos mais básicos? Não seria interessante mostrar que a separação amigável não interfere no modo de partilha dos bens? Que, seja qual for o tipo de separação, ela não vai prejudicar o direito à pensão dos filhos? Que acordo amigável deve ser assinado com atenção, pois é bastante complicado mudar suas cláusulas? Acho que essas são dicas que podem interessar ao leitor médio.
Disponível em: http://revistaepoca.globo.com. Acesso em: 26 fev. 2012 (adaptado).
O texto foi publicado em uma revista de grande circulação na seção de carta do leitor. Nele, um dos leitores manifesta-se acerca de uma reportagem publicada na edição anterior. Ao fazer sua argumentação, o autor do texto:
Resposta: letra E. A intenção da seção de carta ao leitor é promover um debate acerca de uma determinada reportagem. Isso permite que ocorra uma série de indagações sobre o enfoque da reportagem. Simultaneamente, o leitor-redator toma a liberdade de argumentar favoravelmente a outras ideias ou lançar novas ideias que podem interessar ao leitor.
  • a) faz uma síntese do que foi abordado na reportagem.
  • b) discute problemas conjugais que conduzem à separação.
  • c) aborda a importância dos advogados em processos de separação.
  • d) oferece dicas para orientar as pessoas em processos de separação.
  • e) rebate o enfoque dado ao tema pela reportagem, lançando novas ideias.
3. O sedutor médio
Vamos juntar
Nossas rendas e
expectativas de vida
querida,
o que me dizes?
Ter 2, 3 filhos
e ser meio felizes?
VERISSIMO, L. F. Poesia numa hora dessas?! Rio de Janeiro: Objetiva, 2002.
No poema O sedutor médio, é possível reconhecer a presença de posições críticas :
Resposta: letra B. No poema, a imagem do sedutor é ironizada, pois cria um signi cado além do aparente. Ao pedir à outra parte que faça uma composição de rendas e expectativas de vida, a conquista amorosa se traduz em partilha de realizações da vida matrimonial. O adjetivo médio do título e o advérbio meio no último verso corroboram o comportamento satírico da situação.
  • a) nos três primeiros versos, em que “juntar expectativas de vida” significa que, juntos, os cônjuges poderiam viver mais, o que faz do casamento uma convenção benéfica.
  • b) na mensagem veiculada pelo poema, em que os valores da sociedade são ironizados, o que é acentuado pelo uso do adjetivo “médio” no título e do advérbio “meio” no verso final.
  • c) no verso “e ser meio felizes?”, em que “meio” é sinônimo de metade, ou seja, no casamento, apenas um dos cônjuges se sentiria realizado.
  • d) nos dois primeiros versos, em que “juntar rendas” indica que o sujeito poético passa por dificuldades financeiras e almeja os rendimentos da mulher.
  • e) no título, em que o adjetivo “médio” qualifica o sujeito poético como desinteressante ao sexo oposto e inábil em termos de conquistas amorosas.
4. Aqui é o país do futebol
Brasil está vazio na tarde de domingo, né?
Olha o sambão, aqui é o país do futebol
[...]
No fundo desse país
Ao longo das avenidas
Nos campos de terra e grama
Brasil só é futebol
Nesses noventa minutos
De emoção e alegria
Esqueço a casa e o trabalho
A vida fica lá fora
Dinheiro fica lá fora
A cama fica lá fora
A mesa fica lá fora
Salário fica lá fora
A fome fica lá fora
A comida fica lá fora
A vida fica lá fora
E tudo fica lá fora
SIMONAL, W. Aqui é o país do futebol. Disponível em: www.vagalume.com.br. Acesso em: 27 out. 2011 (fragmento).
Na letra da canção Aqui é o país do futebol, de Wilson Simonal, o futebol, como elemento da cultura corporal de movimento e expressão da tradição nacional, é apresentado de forma crítica e emancipada devido ao fato de:
Resposta: letra D. A letra da canção de Wilson Simonal aborda a alienação provocada pelo futebol. Há, entretanto, um problema no enunciado, uma vez que o “futebol”, como núcleo do sujeito, é compreendido como o termo que promove a reflexão sobre a alienação provocada pelo esporte.
  • a) reforçar a relação entre o esporte futebol e o samba.
  • b) ser apresentado como uma atividade de lazer.
  • c) ser identificado com a alegria da população brasileira.
  • d) promover a reflexão sobre a alienação provocada pelo futebol.
  • e) ser associado ao desenvolvimento do país.
5. A discussão sobre o “o fim do livro de papel” com a chegada da mídia eletrônica me lembra a discussão idêntica sobre a obsolescência do folheto de cordel. Os folhetos talvez não existam mais daqui a 100 ou 200 anos, mas, mesmo que isso aconteça, os poemas de Leandro Gomes de Barros ou Manuel Camilo dos Santos continuarão sendo publicados e lidos — em CD-ROM, em livro eletrônico, em “chips quânticos”, sei lá o quê. O texto é uma espécie de alma imortal, capaz de reencarnar em corpos variados: página impressa, livro em Braille, o folheto, o “coffe-table book”, cópia manuscrita, arquivo PDF ... Qualquer texto que pode se reencarnar nesses (e em outros) formatos, não importa se é Moby Dick ou Viagem a São Saruê, se é Macbeth ou O livro de piadas de Casseta & Planeta.
TAVARES, B. Disponível em: http://jornaldaparaiba.globo.com
Ao refletir sobre a possível extinção do livro impresso e o surgimento de outros suportes em via eletrônica, o cronista manifesta seu ponto de vista, defendendo que:
Resposta: letra D. O autor afirma que “o texto é uma espécie de alma imortal, capaz de reencarnar em corpos variados.” Ao dizer isso, o autor defende o argumento de que os textos não dependem do papel impresso para existir, mas, pelo contrário, que eles são passíveis de se materializar em formatos diversos.
  • a) o cordel é um dos gêneros textuais, por exemplo, que será extinto com o avanço da tecnologia.
  • b) o livro impresso permanecerá como objeto cultural veiculador de impressões e de valores culturais.
  • c) o surgimento da mídia eletrônica decretou o fim do prazer de se ler textos em livros e suportes impressos.
  • d) os textos continuarão vivos e passíveis de reprodução em novas tecnologias, mesmo que os livros desapareçam.
  • e) E os livros impressos desaparecerão e, com eles, a possibilidade de se ler obras literárias dos mais diversos gêneros.
6.

O anúncio publicitário está intimamente ligado ao ideário de consumo quando sua função é vender um produto. No texto apresentado, utilizam-se elementos lingustícos e extralingüísticos para divulgar a atração “Noites do Terror”, de um parque de diversões. O entendimento da propagando requer do leitor:

Resposta: letra D. O propósito de vender o produto anunciado faz com que as peças publicitárias explorem recursos que tornem o texto mais expressivo. Na frase em destaque no anúncio (“Quem é morto sempre aparece”), esse recurso é a relação intertextual com o conhecido ditado popular que afirma “Quem é vivo sempre aparece”. A plena compreensão da mensagem, portanto, depende de se reconhecer essa intertextualidade.
  • a) a identificação com o público-alvo a que de destina o anúncio.
  • b) a avaliação da imagem como uma sátira às atrações de terror.
  • c) a atenção para a imagem da parte do corpo humano selecionada aleatoriamente.
  • d) o reconhecimento do intertexto entre a publicidade e um dito popular.
  • e) a percepção do sentido literal da expressão “noites do terror”, equivalente à expressão “noites de terror”.
7. Adolescentes: mais altos, gordos e preguiçosos
A oferta de produtos industrializados e a falta de tempo têm sua parcela de responsabilidade no aumento da silhueta dos jovens. “Os nossos hábitos alimentares, de modo geral, mudaram muito”, observa Vivian Ellinger, presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), no Rio de Janeiro. Pesquisas mostram que, aqui no Brasil, estamos exagerando no sal e no açúcar, além de tomar pouco leite e comer menos frutas e feijão. Outro pecado, velho conhecido de quem exibe excesso de gordura por causa da gula, surge como marca da nova geração: a preguiça, “Cem por cento das meninas que participam do Programa não praticavam nenhum esporte”, revela a psicóloga Cristina Freire, que monitora o desenvolvimento emocional das voluntárias. Você provavelmente já sabe quais são as consequências de uma rotina sedentária e cheia de gordura. “E não é novidade que os obesos têm uma sobrevida menor”, acredita Claudia Cozer, endocrinologista da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica. Mas, se há cinco anos os estudos projetavam um futuro sombrio para os jovens, no cenário atual as doenças que viriam na velhice já são parte da rotina deles. “Os adolescentes já estão sofrendo com hipertensão e diabete”, exemplifica Claudia.
DESGUALDO, P. Revista Saúde. Disponível em: http://saude.abril.com.br. Acesso em 28 jul. 2012 (adaptado).
Sobre a relação entre os hábitos da população adolescente e as suas condições de saúde, as informações apresentadas no texto indicam que:
Resposta: letra A. O texto aponta os maus hábitos alimentares e a falta de atividade física do adolescente como causas da obesidade e de doenças crônicas.
  • a) a falta de atividade física somada a uma alimentação nutricionalmente desequilibrada constituem fatores relacionados ao aparecimento de doenças crônicas entre os adolescentes.
  • b) a diminuição do consumo de alimentos fontes de carboidratos combinada com um maior consumo de alimentos ricos em proteínas contribuíram para o aumento da obesidade entre os adolescentes.
  • c) a maior participação dos alimentos industrializados e gordurosos na dieta da população adolescente tem tornado escasso o consumo de sais e açúcares, o que prejudica o equilíbrio metabólico.
  • d) a ocorrência de casos de hipertensão e diabetes entre os adolescentes advém das condições de alimentação, enquanto que na população adulta os fatores hereditários são preponderantes.
  • e) a prática regular de atividade física é um importante fator de controle da diabetes entre a população adolescente, por provocar um constante aumento da pressão arterial sistólica.
8. O jogo é uma atividade ou ocupação voluntária, exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e de espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e de alegria e de uma consciência de ser diferente da “vida quotidiana”.
HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2004.
Segundo o texto, o jogo comporta a possibilidade de fruição. Do ponto de vista das práticas corporais, essa fruição se estabelece por meio do(a):
Resposta: letra D. As práticas corporais promovem a fruição por meio do caráter lúdico, presente em diversas atividades esportivas.
  • a) fixação de táticas, que define a padronização para maior alcance popular.
  • b) competitividade, que impulsiona o interesse pelo sucesso.
  • c) refinamento técnico, que gera resultados satisfatórios.
  • d) caráter lúdico, que permite experiências inusitadas.
  • e) uso tecnológico, que amplia as opções de lazer.