O FIES é uma iniciativa do Governo Federal que oferece financiamento estudantil a juros baixos e prazo longo a estudantes que não têm condições de pagar a mensalidade da faculdade particular.

Criado em 1999, o programa passou por uma série de mudanças, principalmente em 2015, quando começou a exigir desempenho mínimo no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), limitou o número de vagas e virou um processo seletivo.

Para o ano de 2016, o Ministério da Educação (MEC) já anunciou algumas regras novas, que dizem respeito principalmente à distribuição de vagas e aos critérios de participação.

Se você está pensando em pedir o financiamento do governo para pagar a faculdade em 2016, fique ligado no guia que preparamos a seguir com tudo o que você precisa saber para conseguir o FIES!

O que vai mudar no FIES 2016?

As principais mudanças do FIES em 2016 são referentes aos critérios de participação e à priorização de vagas:
  • Quem já tem diploma de nível superior vai poder participar do FIES.
  • Serão priorizadas microrregiões mais pobres, além de algumas áreas do conhecimento.
  • A renda familiar bruta mensal máxima para participar passou de 2,5 para 3 salários mínimos por pessoa.

Entenda melhor:

Até 2015, quem já tinha feito uma faculdade não podia se candidatar ao FIES. Em 2016, essa restrição deixa de existir e estudantes que já têm um diploma de nível superior também poderão se candidatar ao FIES. No entanto, a disputa será mais acirrada, pois o MEC dá preferência aos candidatos que ainda não tenham um diploma.

Em 2015, o MEC priorizou estudantes que pediram financiamento para cursos nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste (exceto o Distrito Federal).

Já no primeiro semestre de 2016, a priorização será feita a partir de um conjunto de indicadores. Entenda como vai funcionar:
As instituições interessadas em participar do FIES precisam se cadastrar em um sistema específico e propor o número de vagas. Essas propostas serão analisadas pelo MEC, que vai usar os seguintes critérios para determinar a distribuição de vagas do FIES para todo o Brasil:

  1. Disponibilidade de orçamento para o FIES.
  2. Conceito do curso perante o MEC. Prioridade para cursos com nota máxima (5), seguidos de cursos com nota 4.
  3. Cursos prioritários: área da saúde, engenharias e formação de professores.
  4. Relevância social de cada microrregião.
  5. Outras medidas adotadas pelo MEC que impactem o número de vagas.

A grande novidade é que agora a priorização será feita a partir da análise de uma microrregião – conjunto  de municípios vizinhos identificados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A quantidade de vagas do FIES por microrregião será determinada analisando três fatores:
I. A demanda por educação superior.
II. A demanda por financiamento estudantil.
III. A média do Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M) daquela microrregião.

As áreas da Saúde, Engenharia e Formação de Professores são prioritárias e, dependendo da edição, podem receber mais da metade das vagas.

Após a distribuição das vagas, o MEC abrirá as inscrições para os estudantes interessados. A seleção de quem receberá o benefício levará em conta a nota do Enem e mais alguns critérios. Veja a seguir quem poderá participar do FIES em 2016 e como funcionará o processo seletivo.

Quem pode participar do FIES 2016?

As regras de participação não mudaram. Poderá se inscrever no FIES 2016 quem cumprir os seguintes critérios:
  • Participou do Enem a partir de 2010, com média de 450 pontos nas provas objetivas e nota maior do que zero na redação.
  • Tem renda familiar bruta mensal de até três salários mínimos por pessoa.

Como vai funcionar o FIES 2016?

De forma resumida, o FIES 2016 funcionará da seguinte forma:

  1. As universidades particulares que quiserem participar do FIES se cadastram.
  2. O MEC aprova a participação  das universidades e distribui o número de vagas que serão oferecidas em todo o Brasil.
  3. São abertas as inscrições para estudantes, provavelmente após sair o resultado do Programa Universidade para Todos (ProUni).
  4. Os estudantes que cumprirem os requisitos de participação se inscrevem no processo seletivo do FIES, optando por uma das vagas disponíveis.
  5. O sistema preenche as vagas automaticamente, usando como critério a nota do Enem. Quanto maior a nota do Enem, maiores as chances de conseguir o FIES.
  6. Finalizado o período de inscrições, o MEC divulga o resultado com os pré-selecionados do FIES.
  7. Os pré-selecionados do FIES se inscrevem pela internet para iniciar o processo de financiamento, apresentam a documentação necessária e assinam o contrato no banco.
  8. Caso sobrem vagas, haverá uma lista de espera.

Uma vez concedido o financiamento do FIES, o funcionamento segue três fases distintas:
  • Utilização: é o período em que o estudante está matriculado no curso financiado e deve pagar parcelas trimestrais referentes apenas aos juros do financiamento.
  • Carência: é de 18 meses a partir da formatura. Até lá, o estudante só paga as parcelas trimestrais referentes aos juros.
  • Amortização: um ano e meio depois de se formar, o estudante começa a pagar a dívida do FIES, em parcelas mensais, com prazo de vários anos.

Como aumentar as chances de conseguir o FIES?

Com a limitação de orçamento e vagas, está cada vez mais difícil conseguir o FIES. A boa notícia é que essas medidas estão priorizando pelo menos quatro grandes frentes:
  • Cursos superiores de qualidade, com melhor desempenho perante o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes).
  • As áreas do conhecimento que hoje são mais importantes para o desenvolvimento do país: saúde, educação e infraestrutura (engenharias).
  • As regiões menos favorecidas, que podem se beneficiar de um salto na educação e qualificação de seus habitantes.
  • Os estudantes que não têm condições financeiras de bancar uma faculdade particular, mas que ao mesmo tempo apresentam maior capacidade e interesse em estudar (o que se reflete na nota do Enem).

Por isso, se você pretende aumentar suas chances de conseguir o FIES, é importante preencher o máximo de características a seguir:
  • Nota alta no Enem, tanto nas provas objetivas quanto na redação. A redação é o primeiro critério de desempate!
  • Candidatar-se a cursos com maior quantidade de vagas, seja por sua qualidade (nota 5 perante o MEC) ou área do conhecimento (saúde, licenciaturas, pedagogia, engenharias).
  • Estar localizado e solicitar o financiamento para estudar em regiões consideradas prioritárias pelo MEC (pela demanda por ensino superior, necessidade de financiamento estudantil e IDH).

Se você tem pressa em definir seu futuro universitário, saiba que duas outras iniciativas do Governo Federal terão inscrições abertas antes do FIES:
  • Sisu: o Sistema de Seleção Unificada classifica candidatos a uma vaga em universidades públicas usando a nota do Enem. Não há limite de renda para participar.
  • ProUni: Programa Universidade para Todos, que concede bolsas de estudos a estudantes de baixa renda em universidades particulares.

Calendário do FIES 2016

Veja como fica o calendário da segunda edição do FIES 2016:
  • Inscrições: 24 a 29 de junho
  • Resultado: 30 de junho
  • Prazo para conclusão da inscrição no SisFIES: 5 dias úteis a partir de 1o de julho
  • Inscrições para vagas remanescentes: data a ser definida pelo MEC

Universidades que aceitam o FIES

Só é possível saber quantidade exata de vagas disponíveis, bem como as universidades participantes, quando abrem as inscrições do FIES. Essa informação muda a cada edição. Confira algumas das principais instituições de ensino que costumam participar do FIES:


Veja também:
Como entrar no Sisu com a nota do Enem

Como entrar no ProUni com a nota do Enem


Vai tentar o FIES em 2016? O que achou das novas regras? Conte para a gente aqui nos comentários!