Para muita gente, a redação da Fuvest mete mais medo que assombração. E a gente entende o porquê: ela pode contar muitos pontos (para mais ou para menos) na nota final e ser decisiva na disputa para entrar em uma das instituições de ensino superior mais desejadas do Brasil – a Universidade de São Paulo (USP).

Nessa época do ano, quando a data das provas vai se aproximando cada vez mais rápido, começam as especulações a respeito dos temas que podem ser abordados nas provas.

A redação da Fuvest tem um perfil que se aproxima, em parte, ao da redação do Enem – ou seja: será preciso demonstrar conhecimento de causa e ter capacidade de argumentar para atingir uma boa nota.

Os assuntos geralmente envolvem interesse social, seja em nível nacional ou mundial.

Para facilitar os seus estudos, a gente foi atrás de alguns temas quentes que podem cair na Fuvest 2018. Confira a relação a seguir:

Temas da redação da Fuvest 2018

Só para você saber: todos os temas listados a seguir são apenas um exercício de especulação. Se vão aparecer ou não em 2018, só os organizadores do vestibular são capazes de dizer.

A verdade é que somente na hora em que abrir o caderno de provas é que você vai conhecer o assunto sobre o qual terá que escrever.

Sabendo disso, vamos lá:

Crise da migração mundial

O mundo está vivendo um momento crítico. Com as guerras na África e no Oriente Médio desencadeou-se um grande movimento de refugiados.

É um tipo de migração que deverá mudar a cara do planeta nas próximas décadas. Mas toda essa reconfiguração tem um preço – e um preço alto. Fronteiras estão sendo reforçadas, especialmente na Europa e nos Estados Unidos; ideias nacionalistas e xenófobas estão tomando corpo e ganhando adesão de grande parte da população; novos líderes conservadores, como Donald Trump, por exemplo, estão levando adiante ideias perigosas para a paz mundial.

Isso pode ter sérios reflexos, inclusive no Brasil, onde já se pode observar um movimento similar (por aqui o fluxo migratório maior é de africanos e pessoas de países vizinhos ou da América Central).

Movimento anti-vacina e o retorno de doenças erradicadas

O movimento anti-vacina começou nos Estados Unidos e tem se espalhado por diversos países, gerando uma onda de preocupação em toda a humanidade.

A ideia nasceu do boato de que as vacinas que conhecemos podem ser agentes causadores de autismo e outras doenças do tipo. Isso fez com que vários pais deixassem de vacinar seus filhos.

Como consequência, o mundo está começando a reviver pesadelos do passado, com o ressurgimento de doenças que estavam erradicadas ou controladas há décadas, como o sarampo, a coqueluche e a tuberculose.

Outros fatores, além da falta de vacinação, têm contribuído para a disseminação dessas doenças, como o saneamento precário, o movimento migratório e o desequilíbrio ambiental. Como será, portanto, o impacto disso no futuro?

Reforma trabalhista, previdenciária e do ensino médio

Três grandes reformas foram aprovadas recentemente: a previdenciária, a trabalhista e a do ensino médio. Controversas, tiveram a justificativa de modernizar o setor e de tornar a legislação mais compatível com a realidade.

O que se vê, no entanto, é um embate entre governo e sociedade civil. Um afirma que a reforma é um mal necessário e os outros, do outro lado, reclamam que direitos fundamentais foram retirados, que as ações visam unicamente favorecer a classe empresarial – que, supostamente, está por trás de tudo isso.

Nossa dica é: estude os temas a fundo, liste os prós e contras e construa seu ponto de vista com argumentos coerentes.

Diversidade de gênero

A diversidade de gênero entrou definitivamente na pauta de discussão pelo Brasil e pelo mundo. Ela é resultado da luta de grupos sociais historicamente deslocados que exigem inclusão social, reconhecimento e respeito.

Grandes empresas, especialmente as de moda e beleza, estão aderindo ao movimento e criando linhas que podem ser usadas tanto por homens quanto por mulheres. Além disso, você já ouviu falar do movimento Queer? Das pessoas que se identificam como gêneros fluidos? Do questionamento daquilo que é “para menino” ou “para menina”? Do gênero ser uma construção social?

Fique de olho aqui. O tema reúne tudo o que a Fuvest gosta: é quente, tem fundo sociológico, é atual e ainda é novidade. Estude com atenção e cuidado para não trabalhar o assunto sob um ponto de vista meramente religioso.

Terceira Guerra Mundial

Muita gente acredita que a Terceira Guerra Mundial está mais próxima do que se imagina – e ela irá ocorrer entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte.

A tensão entre os dois países, que já se arrasta por alguns anos, está ainda pior agora que Donald Trump assumiu o poder. Especialistas apostam que uma batalha nuclear sem precedentes na história da humanidade está para acontecer nos próximos anos.

Analise o contexto político, econômico e social de ambos os países, os motivos que levaram ao conflito, o perfil dos dois líderes (Trump e Kim Jong-un), as consequências de uma guerra desse porte para a humanidade e para a vida no planeta.
 

Ascensão do pensamento conservador

Embora já tenhamos falado sobre isso no tema da imigração, o avanço do pensamento conservador vai muito além disso – é, inclusive, uma tendência aqui no Brasil, com a nova reconfiguração política depois de mais de uma década de governos populares.

É preciso entender o motivo pelo qual as pessoas estão simpatizando com esse tipo de posicionamento. A Inglaterra está passando por isso, assim como os EUA. A França não elegeu um presidente de extrema direita por muito pouco, e, por aqui, seguimos em uma trilha semelhante.

Analise bem as origens, o contexto universal e as consequências de uma força conservadora no mundo e no nosso país: como ficam os Direitos Humanos, o avanço de políticas sociais, a luta das minorias (homossexuais, negros, indígenas), a questão da propriedade privada, projetos como legalização do aborto, combate às drogas, etc.

A corrupção e suas consequências

A corrupção é um tema que, infelizmente, nunca saiu de pauta no Brasil. Mas agora o cenário está mais escancarado do que nunca.

Estude o porquê de grandes grupos ou partidos nunca serem condenados, nem em instâncias superiores como o Supremo Tribunal Federal. Tente entender quem são os verdadeiros donos do poder por trás dos políticos (empreiteiras, grupos de mídia, indústrias), as consequências danosas para o país, o financiamento de campanhas, as manifestações, a legislação brasileira, a Lava Jato, os principais partidos, etc.

Se o tema aparecer, você terá que fazer uma análise fria dos fatos, colocando, inclusive, suas convicções em perspectiva.


Sobre a prova de redação da Fuvest 2018

A prova de redação só será feita por quem passar para a segunda fase da Fuvest, que acontece nos dias 7, 8 e 9 de janeiro de 2018 – domingo, segunda e terça-feira.

A redação será aplicada logo no primeiro dia, junto com a prova de Língua Portuguesa, e o tema é igual para todos os candidatos.

Estudar para a redação da Fuvest não é complicado, mas vai exigir dedicação. Principalmente porque os temas que podem cair não aparecem no edital. A organização do concurso pode colocar o que der na telha.

Ou seja: basicamente você terá que estar muito bem informado sobre tudo o que acontece no Brasil e no mundo para conseguir fazer uma boa redação. Conhecimento do tema, capacidade de expressão e respeito ao formato solicitado são fundamentais.

Normalmente a Fuvest aborda temas da atualidade, com apelo sociológico, político, artístico, cultural e econômico.

O formato solicitado é o dissertativo. Quem fugir desse formato pode receber uma nota baixa ou mesmo um zero. A redação vale 50 pontos.

Como se dar bem na redação da Fuvest 2018

Não inventaram ainda uma fórmula mágica para quem quer se dar bem na redação da Fuvest 2018, mas alguns macetes ajudam a tirar um notão na prova. Anote aí:
• Todos os dias leia sites, jornais, revistas do Brasil e do mundo. Veja quais são os temas mais relevantes e estude-os com cuidado. Uma boa dica é saber o que dizem diferentes especialistas no assunto. Cuidado com aquelas notícias falsas divulgadas em redes sociais.
• Estude o contexto histórico, político e econômico de cada tema.
• Fique de olho em grandes dados estatísticos que podem ser usados para reforçar seu ponto de vista.
• Nunca assuma posicionamentos muito radicais a respeito de um tema. É preciso enxergar os dois lados.
• Pratique bastante o formato de redação pedido pela Fuvest. Escrever ajuda a ganhar velocidade e a encadear melhor o pensamento.

E se eu não passar na Fuvest, o que fazer?

Não conseguir entrar a Fuvest pode ser bem triste, mas não é o fim do mundo. Se você não estiver a fim de ficar mais um ano inteira à espera do próximo vestibular, pode se inscrever em outras boas faculdades e começar 2018 já em sala de aula.

São centenas de instituições bem avaliadas pelo MEC que contam com cursos em diversas áreas do conhecimento, e o melhor: em diferentes modalidades (presencial, a distância, semipresencial).

Separamos algumas para você colocar em seu radar:

Centro Educacional Anhanguera (ANHANGUERA) 
Universidade Estácio de Sá (UNESA) 
Centro Universitário UNISEB (UNISEB-Estácio)
Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL) 
Universidade Cidade de São Paulo (UNICID) 
Universidade de Franca (UNIFRAN)
Universidade Norte do Paraná (UNOPAR) 
Faculdade Pitágoras (PITÁGORAS) – em Minas Gerais
Faculdade Unime (UNIME) – na Bahia


Veja também:
Redação Nota 10 Fuvest 2018


Tem mais algum tema para sugerir? Manda para a gente aqui nos comentários!