A palavra química

A nomenclatura empregada no estudo dessa disciplina

Se há algo mal interpretado em conversas e textos é a palavra "química", utilizada tanto como substantivo quanto como adjetivo. Quem de nós nunca ouviu uma frase como "Esse produto contém muita química"? Minha pergunta é a seguinte.

O que não contém química? Partindo do fato de que tudo é composto por átomos e que cada átomo é de um elemento químico, a única conclusão é que há química em absolutamente tudo!

Qualquer coisa, viva ou morta, orgânica ou inorgânica, tem sua origem em ligações ou reações químicas. Só estamos vivos porque nosso organismo é capaz de realizar reações. O vegetal que comemos na salada cresceu à base de reações e até a pedra que chutamos na calçada tem sua composição determinada por ligações ou reações químicas.

Afinal, o que queremos dizer com "contém muita química"? Que algo existe?

Você dirá que estou sendo radical e corporativista e que só estou defendendo a química para garantir a audiência deste site. Dirá que usamos essa frase para qualificar um produto como natural ou não. Tudo certo, mas rebaterei suas afirmações com o seguinte. O que podemos considerar natural?

O que são os produtos e as substâncias que produzimos? Sobrenaturais? Não é natural que o homem promova reações químicas e busque novas tecnologias para melhorar sua vida? Se continuarmos nessa linha de raciocínio, teremos que admitir que morar em apartamentos, falar ao telefone ou utilizar um computador conectado à internet não é natural.

Radiação e radioatividade

Assim como no uso da palavra química cometemos equívocos, também nos equivocamos com uma série de outros termos, como radiação e radioatividade, por exemplo.

Radiação é uma forma de propagação de energia. Sentado agora na frente de seu monitor lendo este texto, você está exposto à radiação luminosa proveniente da tela. Muito provavelmente, também está exposto à radiação luminosa emitida por uma luminária e pela radiação térmica solar.

Radioatividade é a emissão espontânea de partículas ou de energia por um núcleo atômico. Como você vê, poderíamos colocar uma placa na praia com os dizeres "Proteja-se da radiação" e todos fugiriam, acreditando tratar-se de contaminação radioativa.

Falando ainda de radioatividade, podemos citar certos radiofármacos (medicamentos que possuem em sua composição isótopos radioativos), que são ministrados nos pacientes para a realização de alguns exames.

Esse é o caso do mapeamento (ou cintilografia) da glândula tireóide, que utiliza o I-123 (isótopo 123 do iodo). Nesses casos, diz-se ao paciente que ele deve tomar um "contraste". Ninguém usa o termo radiofármaco ou medicamento radioativo.

Ditos populares

Temos que tomar alguns cuidados com os ditos e com a sabedoria popular, não apenas no tocante aos termos utilizados, mas também ao seu conteúdo. Quer um exemplo de incoerência popular?

Todo mundo sabe que, quando alguém fica alcoolizado e precisa ser levado a um pronto-socorro, com certeza receberá "glicose na veia", certo? Ou seja, faz-se com que o paciente receba uma grande dose de açúcar. Só que quando nosso paciente, em vez de ir ao hospital, consegue voltar para casa, preparamos para ele um café forte e sem açúcar!

Pois bem, qual a utilidade de todo esse discurso que mais parece aula de português? Fazer você prestar bastante atenção aos termos que utiliza, para não usá-los de maneira incorreta. E também fazer você prestar atenção à sabedoria popular, que nem sempre expressa verdades científicas.

Lembre-se de que, numa conversa informal, você corre o risco de parecer pedante ao utilizar terminologia técnica e preciosista, mas em uma prova de química a coisa pode ser bem diferente.