O CURSO DE MEDICINA

Tomando como padrão o currículo da Universidade de São Paulo, de forma bastante resumida, o curso de medicina divide-se em três ciclos principais.

Nos dois primeiros anos, chamados de ciclo básico, o aluno toma contato com toda a teoria necessária ao embasamento da atividade prática. Em matérias como anatomia humana, histologia, bioquímica e fisiologia, o estudante aprende a estrutura e funcionamento do corpo humano saudável. Nesse ciclo o contato com pacientes é pouco, sendo intenso, entretanto, o estudo em cadáveres, laboratórios e salas de microscopia.

No terceiro ano do curso inicia-se o ciclo clínico, que continua no quarto ano. A partir daí o estudante já vai ao hospital e tem contato direto com pacientes, em aulas de propedêutica clínica e cirúrgica, e passagem por serviços das diversas especialidades.

Também o estudo de patologia, epidemiologia e a possibilidade de ingressar em variadas atividades extra-curriculares de pesquisa e clínica tornam esta parte do curso bastante estimulante.

Os dois últimos anos constituem o internato. O aluno permanece em tempo integral no hospital, participando de atividades ambulatoriais, de emergência e cirúrgicas, sob a supervisão de professores. Nessa fase do curso o estudante de medicina já tem que dar plantões e atender pacientes sob sua responsabilidade. O aprendizado é totalmente realizado na prática, que, no caso da USP, é realizada no Hospital das Clínicas, o maior da América Latina.

Após terminada a faculdade, o estudante se defronta com outra necessidade de escolha, a da especialidade. Conforme a opção de cada um, serão mais alguns anos de estudo durante a Residência Médica. Por exemplo, para Pediatria são mais dois anos, para Neurocirurgia, pelo menos mais cinco anos.

CAMPO DE ATUAÇÃO DO MÉDICO

Muitas pessoas imaginam o profissional médico como um cirurgião ou um clínico-geral e desconhecem todas as possíveis atuações nas quais um médico pode se enquadrar. Atualmente com o enorme desenvolvimento tecnológico alcançado, criaram-se especialidades como a Imagenologia, Genética Médica e Medicina Ortomolecular.

Outro campo de trabalho para o profissional médico é a pesquisa científica. Alguns médicos trabalham em tempo integral pesquisando a causa e eventuais formas de tratamento e cura de diversas doenças como o câncer e a AIDS. Contudo, essa atividade também pode ser desenvolvida juntamente com a carreira médica. Nesse caso, o médico pode se associar a um laboratório de pesquisa e desenvolver um projeto científico.

Ainda existem os médicos que abraçam causas humanitárias e através de associações

internacionais como os "Médicos Sem Fronteiras" e a "Cruz Vermelha" podem trabalhar em países que passam por grandes dificuldades econômicas ou conflitos. Há também a possibilidade de trabalhar na Organização Mudial da Saúde, promovendo e administrando políticas de Saúde no Mundo inteiro.