Se pudéssemos traduzir a Engenharia de Alimentos em apenas uma frase, diríamos que é o curso que trata de todo o processo de industrialização de alimentos, desde a colheita ou abate até a comercialização.

É uma graduação que tem crescido bastante em popularidade no Brasil. O país, como um dos maiores produtores de alimentos do planeta, possui um mercado interessante para o profissional que quiser trabalhar nessa área.

Para se manter entre os maiores produtores e atender ao padrão de concorrência mundial é preciso investir na busca por novos processos de fabricação e novas tecnologias de desenvolvimento alimentar – e é aqui, precisamente, que a atuação do engenheiro de alimentos é tão necessária. É uma área cheia de oportunidades!

Veja a seguir tudo o que você precisa saber sobre o curso de Engenharia de alimentos: o que se estuda, onde encontrar, áreas de trabalho e muito mais!


O curso de Engenharia de Alimentos

O curso de Engenharia de Alimentos é um bacharelado com duração aproximada de cinco anos.

A graduação pode ser encontrada em aproximadamente 80 instituições de ensino pelo Brasil – a grande maioria (cerca de 70%), na rede pública.

Perto das outras engenharias, é um curso ainda pouco procurado, mas que vem despertando um interesse cada vez maior por parte do público e do mercado.

Hoje são mais de 13 mil alunos matriculados, de acordo com o mais recente Censo da Educação Superior, com apenas 15% deles em instituições privadas. Todos os anos são oferecidas mais ou menos 5 mil vagas nas universidades que dispõem da graduação.

A concorrência média para conseguir um lugar ao sol aqui é de aproximadamente 12 candidatos por vaga.

O curso segue a dinâmica das demais engenharias. Nos primeiros semestres, o aluno aprende conceitos gerais e depois, aos poucos, passa a ter cada vez mais matérias ligadas à área escolhida.

Em Engenharia de Alimentos, os estudantes aprendem tudo o que diz respeito ao processo de industrialização, que engloba:

• Característica dos alimentos
• Desenvolvimento de produtos
• Fabricação
• Conservação
• Embalagem
• Armazenamento
• Transporte
• Comercialização

O curso tem uma certa proximidade com a Engenharia Química, já que ambas pesquisam e aplicam processos físicos, biológicos e químicos na transformação de matérias-primas.


O que se estuda no curso de Engenharia de Alimentos

Quem entra no curso de Engenharia de Alimentos tem que estar preparado para encarar uma graduação multidisciplinar. Tem muita Química, Física, Matemática, Biologia e até um bocado de Nutrição ao longo de pelo menos cinco anos.

Economia e Administração também entram na pauta, já que esse engenheiro atua diretamente no processo produtivo e de gestão da área de alimentos.

Conforme vai avançando no curso, as matérias vão se tornando cada vez mais específicas.

Veja alguns exemplos de disciplinas:

• Administração
• Biomateriais
• Bioquímica de Alimentos
• Biotecnologia
• Bromatologia
• Cálculo
• Controle de Qualidade
• Economia
• Embalagem e Armazenamento
• Fenômenos de Transporte
• Físico-Química
• Gestão de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos
• Gestão Econômica Financeira e Administrativa
• Matérias Primas Agropecuárias
• Mecânica dos Fluidos
• Microbiologia de Alimentos
• Processos da Indústria de Alimentos
• Processos de Separação
• Química dos Compostos de Alimentos
• Química Geral e Inorgânica
• Química Orgânica
• Refrigeração
• Reologia
• Segurança alimentar
• Tecnologia de Alimentos
• Tecnologia de Produtos de Origem Vegetal
• Termodinâmica
• Transferência de Calor
• Transferência de Massa
• Embalagem de Alimentos
• Segurança, Higiene e Legislação para Indústria de Alimentos
• Tecnologia de Produtos de Origem Animal

Nem toda faculdade de Engenharia de Alimentos segue a mesma grade. Confira a programação junto à instituição onde você quer estudar pra ver se o currículo está dentro daquilo que você espera do curso.


Curso de Engenharia de Alimentos a distância

É cada vez mais comum encontrar cursos de Engenharia a distância. Civil, Elétrica e de Produção já existem aos montes por aí.

Infelizmente, não é o caso ainda de Engenharia de Alimentos. Apenas uma universidade no Brasil tem autorização do Ministério da Educação para oferecer essa graduação (ou parte dela) a distância, o Centro Universitário Facvest (FACVEST), uma instituição de ensino de Santa Catarina.

No entanto, a instituição não está oferecendo o curso no momento.

Talvez você esteja se perguntando como uma graduação com perfil tão prático pode ser feita a distância. Bom, a verdade é que o curso não é totalmente virtual. A maior parte dele é feita presencialmente, com alunos em salas de aula e laboratórios. Apenas uma pequena porção – cerca de 30% do total, a carga horária mais teórica – acontece em um ambiente virtual de aprendizagem, com material digital e professores a distância ajudando no que for preciso.


Quanto custa estudar Engenharia de Alimentos

Fazer um curso de Engenharia de Alimentos em uma faculdade particular vai exigir um investimento mensal médio de mais ou menos R$ 1.100 – ou seja: está longe de figurar entre as graduações mais em conta do Brasil.

Por outro lado, as mensalidades podem variar bastante. Tem instituição que cobra R$ 800 e tem outras custando mais de R$ 2.000.

Mercado de trabalho para quem se forma em Engenharia de Alimentos

A grande área de atuação do engenheiro de alimentos é a indústria, mas existem outros campos bem interessantes com trabalho de sobra:
• Institutos de pesquisa
• Empresas de alimentos em geral
• Serviço público
• Agências de fiscalização sanitária
• Empresas de auditoria
• Como consultor
• Como professor do ensino superior (é preciso ter a titulação necessária)

Nesses locais, é muito comum que o engenheiro de alimentos desenvolva atividades como:
• Planejamento de produção
• Análise de qualidade
• Melhoria de processos (maior produtividade e menor custo)
• Controle de matéria-prima
• Transporte
• Treinamento de pessoal
• Processamento de produtos
• Pesquisa e desenvolvimento de tecnologias
• Reutilização
• Recursos naturais
• Gestão de projetos
• Análise de viabilidade econômica
• Supervisão de unidades de processamento
• Tratamento de resíduos
• Colaborando com setores como Comercial e Marketing
• Desenvolvimento de produtos
• Assistência técnica
• Fiscalização
• Cuidando de aspectos legais relacionados à área

Com base nessa lista, você pode perceber o quanto a área de atuação do engenheiro de alimentos é diversificada!

Cursos similares ao de Engenharia de Alimentos

Como o curso de Engenharia de Alimentos não está disponível em um número muito grande de instituições, talvez você não o encontre na sua cidade.

Se isso acontecer, a alternativa é recorrer a cursos similares – o que, felizmente, tem bastante.

Conheça os principais:

• Tecnologia em Alimentos: É um curso superior de tecnologia com três anos de duração, em média. É que o mais se aproxima do Engenharia de Alimentos, embora o tecnólogo tenha um campo de atuação um pouco mais restrito do que o do engenheiro. Os estudos são voltados ao beneficiamento, industrialização e comercialização de alimentos, com tópicos sobre gestão de processos industriais.

• Nutrição: Com quatro anos de duração, o curso investiga a fundo as propriedades nutricionais dos alimentos e o impacto que geram no organismo humano. O profissional trabalha diretamente com o manuseio e preparo de alimentos e a prescrição de dietas para indivíduos e grupos com necessidades nutricionais diversas – crianças, idosos, atletas, pessoas com doenças crônicas ou distúrbios alimentares, etc.

• Ciências dos Alimentos: Algumas universidades oferecem o curso de Ciência dos Alimentos, ou Ciência e Tecnologia dos Alimentos, no qual os alunos estudam todas a cadeia de alimentos, desde suas características bioquímicas até a escolha da matéria prima e o desenvolvimento do produto final.

Onde estudar Engenharia de Alimentos

Você pode optar tanto pelo curso de Engenharia de Alimentos quanto por qualquer outro similar, desde que verifique se a faculdade escolhida é reconhecida e tem autorização para oferecer a graduação.

Isso é fundamental para que seu diploma tenha validade no mercado de trabalho.

Confira a seguir algumas instituições autorizadas pelo MEC a oferecer cursos superiores na área de Alimentos:

Engenharia de Alimentos

Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)
• Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC GOIÁS)
• Universidade Salgado de Oliveira (UNIVERSO)
• Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
• Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)
• Universidade Federal do Amazonas (UFAM)

Tecnologia em Alimentos
Centro Educacional Anhanguera (ANHANGUERA)
• Universidade de Fortaleza (UNIFOR)
• Universidade Federal de Pelotas (UFPEL)
• Faculdade de Tecnologia Senai Chapecó (SENAI)
• Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (IFTM)
• Faculdade de Tecnologia Estudante Rafael Almeida Camarinha (Fatec Marilia)

Nutrição
Centro Educacional Anhanguera (ANHANGUERA)
Universidade Estácio de Sá (UNESA)
Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL)
Universidade Cidade de São Paulo (UNICID)
Universidade de Franca (UNIFRAN)
Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)
Faculdade Pitágoras (PITÁGORAS) – em Minas Gerais 
Faculdade Unime (UNIME) – na Bahia 

Ciência dos Alimentos
• Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS)
• Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
• Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense (IF Fluminense)
• Universidade de São Paulo (USP)
• Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA)

Veja também:
Que nota preciso tirar no ENEM pra passar em Engenharia


Curtiu a graduação em Engenharia de Alimentos? Está pensando em seguir essa carreira? Conte para a gente aqui nos comentários!