Escolher uma profissão não é tarefa fácil. Muitas vezes, a carreira escolhida não é exatamente o que se esperava. Nessa hora é preciso respirar fundo e tomar uma decisão.

Foi assim com Aline Tiemi Shiraishi. Depois de cursar três meses de Odontologia, percebeu que não estava satisfeita.

“Queria algo que não me obrigasse a exercer atividades restritas”, explicou.

Com esse pensamento, Aline chegou à Metodista para cursar Biomedicina, em janeiro do ano 2000. “Optei pelo curso de Biomedicina, que me ofereceu a base para que, mais tarde, com mais maturidade, escolhesse a área em que iria atuar”.

Aluna da primeira turma de período integral de seu curso, Aline lembra com saudades de sua época de faculdade. “Posso dizer que tenho ótimas lembraas. O carinho que é construído faz com que as recordações sejam eternas.”

Na parte técnica, as diversas áreas abordadas no curso de Biomedicina garantiram uma formação diferenciada. ”Durante o curso tive contato com Microbiologia, Parasitologia, Imaginologia, Bioquímica. Escolhi a que eu tive mais afinidade: Imaginologia”.

No último ano da faculdade, Aline teve a oportunidade de estagiar no hospital Albert Einstein. Era a experiência que ela precisava para ter certeza de que seria biomédica.

Aline formou-se em janeiro de 2003 e, graças à sua dedicação, durante o curso e às experiências, acadêmicas e profissionais, a biomédica realiza os exames de Tomografia Computadorizada e Ressonância Nuclear Magnética no Laboratório Delboni Auriemo. “É uma empresa excelente e faço parte de uma equipe que me faz sentir amparada”, afirmou a profissional.

Hoje, a ex-aluna sabe que fez a escolha certa ao trocar de curso e não tem medo dos caminhos que sua carreira possa tomar. ”Sinto-me mais segura quando penso que, se um dia não quiser mais trabalhar com Imagem, poderei ir para outra área, pois o biomédico, diferente de muitas profissões, tem um leque enorme de opções”.

A vida acadêmica de Aline continua. Ano passado, a ex-aluna assumiu o desafio de ser professora da Universidade. Apesar de ter gostado da experiência, teve que abrir mão da docência por incompatibilidade de agenda. “Mas assim que puder, voltarei”, disse a biomédica que agora planeja o doutorado.