Fonemas
são sons.
Letras são representações de sons.

Modalidades da língua:
Oral – faz uso dos fonemas (sons)
Escrita – faz uso das letras (representação dos sons)

A língua oral

A língua escrita

1 faz uso dos fonemas (sons);
2 é mais abrangente (a maioria das pessoas se comunica com a língua oral);
3 tem mais recursos da linguagem: a linguagem não verbal pode contar com gestos, expressões faciais, entonação da voz o ritmo etc.;
4 é mais fácil a interação entre o a. receptor e o emissor com:
b. Interrupção do emissor
c. Repetição de palavras
d.Interrupção de frases;
5 faz uso de gíria, expressão popular e palavrão etc.;
6 não se apaga, não dá para ser corrigida;
7 conta com marcadores conversacionais que são expressões como “tá”, “olha”, “viu?”, “ok?” e outras;
8 sofrem processo de redução
ex: falar = “falá”.

1 faz uso das letras do alfabeto que formam palavras (representação dos sons);
2 é menos abranjente que a língua falada (menos pessoas sabem escrever);
3 deve-se evitar a repetição de palavras;
4 é mais formal (pode-se ter uma linguagem escrita menos ou mais formal, mas a linguagem escrita é, em geral, mais formal que a linguagem falada);
5 não é comum o uso de gírias ou de marcadores conversacionais como “tá”, “olha”, “viu?”, “ok?” e outras;
6 não se observa a reação do interlocutor imediatamente;
7 pode ser apagada, até que o texto fique do agrado de quem o escreve;
8 o uso da pontuação tenta substituir os mecanismos da linguagem falada como a entonação de voz;
9 precisa haver concordância, se a narração foi iniciada no presente, por exemplo, deve-se terminar da mesma forma.

 

A ESCRITA

1 não é fonética, ou seja, nós não escrevemos como falamos;
2 ela é etimológica, ou seja, as palavras são escritas de acordo com a sua origem (latina, grega, tupi, árabe etc.), e também conforme as transformações que elas passaram durante os séculos. Assim, mesmo que o som das palavras nos induza a outra escrita, temos que grafar, ou seja, escrever as palavras conforme sua etimologia.

Por exemplo, nós falamos "emprezas", mas escrevemos "empresas", falamos "servissos", mas escrevemos "serviços". Existam várias letras que emitem sons iguais. O som /s/ com som de "cê" é o que gera mais problemas com relação à representação gráfica. O fonema /S/ pode ser usado como as letras:

S - ex: misto > posto
SS - ex: cessão > opressão
C - ex: célula > acionar
Ç - ex: extinção > adoção
SC - ex: nascer > obsceno
XC - ex: exceção > exceto
X - ex: texto > expor

Segue dicas para a grafia correta das palavras.

Usos da letra “S”

1) todas as formas do verbo por e do verbo querer são sempre grafadas com a letra “s”, mesmo que o som seja com "z", por exemplo:

Verbo por

Verbo querer

ele pôs / eu pus / pusemos / se ele puser

ele quis / eles quiseram / quando eles quiser

2) os verbos derivados de substantivos cujo radical já possui a letra "s”
análise > analisar / paralisia > paralisar / aviso > avisar / piso > pisar

3) sufixos:

a) dos adjetivos indicativos de procedência – ense:
Paraná + ense > paranaense

b) dos adjetivos indicativos – oso:
teima + oso > teimoso
prazer + oso > prazeroso

c) dos adjetivos pátrios e com idéia de participação - es e esa:
burgo >burguês > burguesa
campo>camponês > camponesa

d) na formação do feminino de vários substantivos – esa:
príncipe > princesa
barão > baronesa
duque > duquesa

e) sufixo isa:
sacerdote > sacerdotisa
poeta > poetisa

f) sufixos de origem grega como ase, ese ise, ose:
catequese / ênclise / osmose / metamorfose

4) no final de sílabas iniciais ou interiores de algumas palavras (quando não for precedido da vogal "e"):
misto / mistura / justaposição

5) em substantivos derivados de verbos com terminação em ter / dir/ der:
prender > pre + esa > presa
defender > defe+ esa > defesa
pretender > preten + são > pretensão
compreender > compreen+são > compreensão
distender > disten+ são > distensão
estender > exten+são > extensão
ascender > ascen+são > ascensão
inverter > inver+são > inversão
expandir > expan+são > expansão

6) em substantivos derivados de verbos com terminação em gir
emergir > emer+ são > emersão
espargir > espar+so (adjetivo) > esparso
submergir > submer+so (adjetivo) > submerso
convergir > conver+são > conversão

7) em substantivos derivados de verbos que se formaram pelo conjunto das letras pel:
impelir > impulso > impulsão
expelir > expulso > expulsão
repelir > repulso > repulsão
pulso > pulsão

8) em substantivos derivados de verbos com cor (transforma-se em cur):
correr > curso > cursivo
incorrer > incursão > excursão

9) os substantivos derivados de verbo com sent (transforma-se em sens):
sentir > senso > sensível
consentir > consenso

Usos da letra do dígrafo "ss"

(dígrafo são duas letras com um único som)

1) nos verbos com terminação em ter / tir / dir/ der / mir:
aceder > acessível
admitir > admissível
agredir > agressão
ceder > cessão

2) quando o prefixo termina em vogal + verbo que começa em "s":
re+surgir > ressurgir
pre+sentir > pressentir
a+sossegar > assossegar

3) com o sufixo íssimo (superlativo):
caro + íssimo > caríssimo
digno + íssimo > digníssimo
excelente + íssimo > excelentíssimo