Não devemos confundir língua com escrita, pois são dois meios de comunicação distintos. A escrita representa um estágio posterior de uma língua. A língua faladaé mais espontânea, abrange a comunicação lingüística em toda suatotalidade. Além disso, é acompanhada pelo tom de voz, algumas vezespor mímicas, incluindo-se fisionomias. A língua escritanão é apenas a representação da língua falada, mas sim um sistema maisdisciplinado e rígido, uma vez que não conta com o jogo fisionômico, asmímicas e o tom de voz do falante.

NoBrasil, por exemplo, todos falam a língua portuguesa, mas existem usosdiferentes da língua devido a diversos fatores. Dentre eles,destacam-se:

Fatores regionais:é possível notar a diferença do português falado por um habitante daregião nordeste e outro da região sudeste do Brasil. Dentro de umamesma região, também há variações no uso da língua. No estado do RioGrande do Sul, por exemplo, há diferenças entre a língua utilizada porum cidadão que vive na capital e aquela utilizada por um cidadão dointerior do estado.

Fatores culturais:o grau de escolarização e a formação cultural de um indivíduo tambémsão fatores que colaboram para os diferentes usos da língua. Uma pessoaescolarizada utiliza a língua de uma maneira diferente da pessoa quenão teve acesso à escola.

Fatores contextuais:nosso modo de falar varia de acordo com a situação em que nosencontramos: quando conversamos com nossos amigos, não usamos os termosque usaríamos se estivéssemos discursando em uma solenidade deformatura.

Fatores profissionais: o exercício de algumas atividades requer o domínio de certas formas de língua chamadas línguas técnicas.Abundantes em termos específicos, essas formas têm uso praticamenterestrito ao intercâmbio técnico de engenheiros, químicos, profissionaisda área de direito e da informática, biólogos, médicos, lingüistas eoutros especialistas.

Fatores naturais:o uso da língua pelos falantes sofre influência de fatores naturais,como idade e sexo. Uma criança não utiliza a língua da mesma maneiraque um adulto, daí falar-se em linguagem infantil e linguagem adulta.