O grupo das angiospermas se caracteriza pela presença de frutos envolvendo as sementes. Esses frutos se originam de partes das flores das angiospermas, que são as flores propriamente ditas. As angiospermas foram o último grupo a se diferenciar, portanto são vasculares, fanerógamas, possuem frutos, raízes, caules e folhas, e também independem da água para a reprodução.  

São muito abundantes na Terra, e ocupam os mais diversos ambientes. Assim sendo, têm grande importância na produção de matéria orgânica (por produzirem a partir da luz solar e servirem de alimento para animais). 

Assim como nas gimnospermas, há alternância de gerações (gametófita e esporófita), com predominância da esporofítica, e a flor é e estrutura responsável pela reprodução sexuada, com diferenças nas estruturas florais.  
 
A flor das angiospermas 
 
A planta adulta como vemos é o esporófito das angiospermas (ver figura da aula de criptógamas). Dentro das flores, em estruturas separadamente masculinas (androceu) e femininas (gineceu) são produzidos os esporângios que produzirão os esporos. -Esporângio masculino = sacos polínicos 
- Esporos = micrósporos 
- Esporângio feminino = óvulo imaturo 
- Esporos = megásporos 

A partir desses esporos, ainda dentro da flor, são produzidas pequenas estruturas que serão os gametófitos (produzirão gametas): 
- Gametófito masculino = grão de pólen (3 núcleos) 
- Gametófito feminino = saco embrionário ( 8 células) 

O grão de pólen é então levado, por animais, vento, ou qualquer outro agente polinizador, até a estrututa feminina de outra flor, e lá 1 dos seus núcleos forma um tubo polínico, e os outros dois irão fecundar: 1 fecundará duas células do saco embrionário, formando o endosperma, e 1 fecundará a oosfera (gameta feminino), formando o embrião! 
 
pólen -> 1 núcleo = tubo polínico 
             1 núcleo = + 2 células femininas ->  endosperma 
             1 núcleo = + oosfera -> EMBRIÃO 
 
 
O androceu é formado pela antera, onde é produzido o pólen, e o filete, que sustenta a antera. O gineceu é composto pelo estigma, onde o pólen é recebido; estilete, que conecta o estigma ao ovário; ovário, onde se encontram o(s) óvulo(s). Além disso, há estruturas inférteis nas flores, normalmente localizadas circularmente. O conjunto das sépalas forma o cálice, e o conjunto das pétalas forma a corola. As pétalas têm grande importância na atração de insetos ou outros animais, que realizarão a polinização. Também há outra adaptação das flores em busca de agentes polinizantes: a produção de néctar. Diversas aves e insetos buscam o néctar nas plantas, acabam carregando pólens e, ao buscar o néctar em outras flores, liberam o pólen. 
 
O fruto das angiospermas 

O fruto, que é a grande característica desse grupo, surge da estrutura do ovário da flor, como podemos ver na figura acima. A função do fruto é proteger a semente e facilitas a dispersão. Enquanto o embrião se desenvolve, produz hormânios, as outras partes florais involuem e o ovário se desenvolve. A semente será formada pelo embrião, endosperma, e   tegumento.  O fruto geralmente terá origem da parede do ovário, que forma o pericarpo. Esse é dividido em três partes: epicarpo, mesocarpo e endocarpo. São observadas muitas diferenças. Podemos ter vários tipos de frutos: 
à Carnosos: o pericarpo é suculento. Atrai animais, que realizarão a dispersão da semente. 

- baga: semente se separa do fruto facilmente. Ex: uva, tomate, laranja, mamão,... 
- drupa: tegumento da semente fundida ao pericarpo do fruto. Ex: pêssego, ameixa, azeitona. 
à Secos: o pericarpo é seco. Normalmente a semente é dispera pelo vento. 
- deiscente: quando maduros, se abrem. Ex: plantas leguminosas como feijão e ervilha. 
- indeiscentes: não se abrem quando maduros. Ex: arroz, milho e trigo.  

Além desses tipos, há frutos que não se desenvolvem da parede do ovário. A esses, chamamos pseudofrutos, que podem ser: 
- Simples: origem no pedúnculo ou receptáculo de uma flor. Ex: Caju, maçã. 
- Compostos: origem no desenvolvimento o receptáculo de uma flor, com vários ovários. Ex: morango. 
- Infrutescências: origem no desenvolvimento de inflorescências (várias flores em um mesmo ramo, como margaridas e girassóis). Ex: abacaxi, amora.  
 
Classificação das angiospermas quanto à semente 
 
São observados dois tipos de sementes nas angiospermas, com relação ao número de cotilédones. Os cotilédones são folhas modificadas, e se situam próximo ao embrião, na semente. há plantas cujas sementes possuem apenas um cotilédone e outras possuem dois. Assim, dividimos os dois grandes grupos das angiospermas
- Monocotiledôneas (1 cotilédone) Ex: milho, capim, coco, orquídeas. 
- Dicotiledôneas (2 cotilédones). Ex: feijão, amendoim. 
 
 
Exercícios: 
1 – Quais estratégias são utilizadas pelas plantas para possibilitar a polinização? E quais são usadas para a dispersão das sementes? 
 
2 – Como você imaginaria que seria a polinização das duas flores abaixo:  
a – perfumada, corola grande e colorida? 
b – sem perfume, sem corola colorida e com grande número de pólens? 
 
3 – Monte um esquema colocando na ordem correta os seguintes eventos: expansão do tubo polínico –  formação dos micrósporos – ingestão do fruto por um animal – floração – desenvolvimento da parede do ovário – desenvolvimento da semente – polinização – fecundação. 
 
4 – Complete o quadro comparativo, com + para presença e – para ausência das características, sendo: A = algas; B = briófitas; P = pteridófitas; G = gimnospermas e A` = angiospermas
 
                                            A    B    P    G    A` 
Raiz, caule e folhas                     
Tecidos                     
Vasos condutores                     
Gametas flagelados                     
Flores                     
Sementes                     
Frutos               


Por: Vestibular Cidadão