Ultrapassar a barreira da formação das ideias e o papel em branco não é uma tarefa simples. Portanto, você tem todo direito de ter dificuldades em redigir um bom texto. Porém, o fundamental você já possui: a capacidade de pensar.

Basta agora aliar sua força de vontade à prática de escrever. Vamos começar? Então, pegue o lápis, o papel e… o que foi? Está difícil começar? Vamos pensar um pouco: A característica principal de um texto bem redigido está na qualidade de seu conteúdo.

Para tanto, é imprescindível estar bem informado sobre o tema a ser discutido. A veracidade das informações é de suam importância! Sejam elas históricas, científicas, ou culturais. Isso não significa que você deixe de questionar a respeito, pois um bom texto depende muito do seu teor crítico acerca da realidade. Assim, podemos dizer que:

É possível apoiar no conhecimento já existente da nossa cultura.oué possível questionar o conhecimento já existente, desde que conheça bem o tema, e tenha argumentos concretos.

O ideal é nos esforçarmos para escrever nossas próprias ideias, preocupando-nos com o bom senso, mas sem manter uma postura reacionária, acreditando numa verdade absoluta. É imporante ressaltar que não existe um conteúdo neutro: sempre existe um questionamento à se fazer, tanto do leitor quanto de quem redige o texto.

Prática: Antes de começar a escrever, lembre-se que o importante é dialogar com seu leitor. Primeiro, faça a lápis, deixando suas ideias esboçadas no papel, sem se preocupar com a estrutura formal. Só reescreva, quando estiver mais seguro. O tema é: "As dificuldades que tenho para escrever", seu leitor será um aluno cursando o segundo grau. No máximo 20 linhas.

Para lembrar:

  • Não se critica ou reformula algo que não se conhece bem.
  • Se não houvesse questionamento ainda viveríamos em cavernas.
  • O diálogo (do grego dia=movimento através, logos=palavra) com o leitor é fundamental.
  • É preciso antecipar os questionamentos possíveis do leitor, no sentido de manter um diálogo aprofundado e inteligente.
  • Já para os gregos, a arte do diálogo tinha o sentido de convencer através da palavra.

São muitas as ideias que permeiam nosso pensamento. Tudo o que você leu, viu e ouviu fazem parte do seu repertório pessoal. Como vimos anteriormente, há um conhecimento pré-existente acerca dos fatos históricos, culturais e científicos, em nossa cultura ocidental, aceitos como verdadeiros. O tempo todo confrontamos o que já conhecemos com a novidade.

Aceitar ou não é uma questão de juízo de valores. Todo juízo de valor implica em outro que o questiona ou contradiz. Esse processo do pensamento em se questionar e contradizer chama-se dialético. É uma oportunidade de observar a realidade sob vários pontos de vista. Há três momentos no processo dialético do pensamento:

TESE

ANTÍTESE

SÍNTESE

Ideia inicial

Ideia contrária

União dos opostos

A estrutura básica do texto que você escreve corresponde aos três momentos do raciocínio dialético. A princípio, temos a introdução, ou seja, a descrição do tema ou ideia inicial. Em seguida, o desenvolvimento: o questionamento em relação à ideia inicial. Finalmente, a conclusão, ou seja, a união dos argumentos mais contundentes de cada ideia.

As três partes que estruturam o texto, que também podem ser denominadas: prólogo, corpo e epílogo; começo, meio e fim; introdução, miolo e final; primeira, segunda e terceira parte. O mais importante é compreender que um bom texto depende de uma boa estrutura. Mas, fique tranquilo, mais adiante veremos com mais cuidado cada parte da estrutura.

Prática: Pesquise uma notícia recente de jornal. Abstraia do texto a ideia principal e a ideia oposta. Reescreva o texto com suas palavras e adicione a conclusão. Máximo de 20 linhas. Seus leitores são estudantes de supletivo para adultos.

Para lembrar:

  • Dialética é um conceito que define a arte do diálogo.
  • Para os filósofos marxistas, Dialética é o processo de discussão do real.
  • Introdução, desenvolvimento e conclusão são as partes que estruturam um ensaio.
  • O raciocínio dialético deve ser aberto para novas ideias, mas possuir valores sólidos para resistir aos questionamentos.
  • A estrutura do texto é muito importante. É como a estrutura de um edifício. Imagine o que aconteceria se não existisse?

O texto bem redigido certamente faz o seu leitor pensar sobre o assunto. Portanto, clareza e objetividade acerca do tema escolhido são fundamentais. A dificuldade inicial para escrever o texto pode estar justamente na delimitação do tema. Às vezes, o tema escolhido pode ser amplo demais e uma delimitação se faz necessária a fim de evitar divagações. A delimitação da ideia central a ser desenvolvida se encontra geralmente logo na introdução.

Ela pode ser explícita, quando o autor se faz presente no texto. Ex.: "O que pretendo com esse trabalho é tecer algumas considerações…". Utilizam-se as primeiras pessoas do singular (eu) e do plural (nós) do verbo. A delimitação pode estar implícita, quando o autor não se faz presente, mas o leitor pode deduzir que o assunto está sendo delimitado. Ex.: "Esta obra visa ensinar a todos que queiram aprender a redigir corretamente um texto…".

Delimitado o tema, a introdução deve ser sucinta, apenas citando o argumento inicial. Não deve ultrapassar oito ou dez linhas, ou seja, um quinto do texto. Exceto em um ensaio curto (10, 15 linhas), cuja introdução pode se fundir com o desenvolvimento. Os demais argumentos, os dados, as ideias, o questionamento, entram no desenvolvimento do texto.

Aqui, ocupando três quintos do texto no mínimo, você terá a oportunidade de mostrar toda sua capacidade de argumentação e exposição de ideias. Cuidado para não desviar do tema principal ou colocar opiniões desconexas.

Você deverá pensar o desenvolvimento como uma ponte que levará o leitor da introdução à conclusão. Esta última deve ter um quinto do texto e encerrar a discussão. A não ser quando propositalmente, o autor queira deixar a conclusão para o próprio leitor.

Prática: O planejamento do texto é muito importante para seu sucesso. Não há como começar a escrever, sem ter em mente o tema delimitado, a introdução, o desenvolvimento e principalmente, a conclusão. Escreva um texto de no máximo 30 linhas sobre o tema: "O fim da ditadura e da censura de imprensa no Brasil". Pesquise, enumere os argumentos e possíveis questionamentos antes de começar. Seus leitores serão jornalistas recém-formados.

Para lembrar:

  • A delimitação do texto, seja implícita ou explícita deve ser decisão sua. Mas há situações impessoais que pode parecer presunção usar "eu acho, eu penso". No vestibular, por exemplo.
  • Evite introduzir o texto com expressões muito usadas (lugar-comum), chavões.
  • A introdução deve ser um convite ao leitor para continuar lendo o texto.

Os argumentos do desenvolvimento devem surpreender o leitor. Suas ideias devem ser "saborosas" para atrair sua atenção. Quando a proporção do texto que você escreve não corresponder ao ensinado, você pode estar com problemas em delimitar o tema. Ás vezes, terminamos "enchendo lingüiça" ou o contrário: ficamos sem ter o que dizer.