Optar por uma carreira na hora de fazer o vestibular é, muitas vezes, um pesadelo na vida dos jovens. 

Para ajudar na hora da decisão psicólogos, especialistas emorientação profissional e professores listaram dez conselhos que podemfacilitar a escolha.

Confira as dicas:

1) Enumere seus interesses

 
O autoconhecimento é o primeiro passo citado pelos especialistas parauma boa escolha do curso universitário. Fazer uma lista com os própriosgostos e interesses pode ajudar a identificar em que área você quer (ounão quer de jeito nenhum) trabalhar.

Vale lembrar na lista a sua atividade preferida durante as aulas, osprogramas de TV favoritos, os filmes com os quais você se identifica,as situações que te deixam mais confortável, o que faz no tempo livre eos assuntos que mais gosta de discutir.

Qualquer característica que mostre como você é pode indicar o tipo de carreira na qual você mais se sentiria realizado.
 
2) Liste suas habilidades, mas não vire refém delas
 
Na hora de escolher uma profissão, o estudante deve levar em conta suashabilidades, que muitas vezes já apontam para uma determinada área. Écomum encontrar artistas plásticos que já tinham facilidade paradesenhar desde a infância, por exemplo.

Mas a decisão não pode ser baseada somente nisto. É necessário seinformar sobre o mercado de trabalho e analisar, por exemplo, se aprofissão ligada a suas habilidades pode atender ao que você esperapara o futuro.

Além disso, seu “dom” também pode servir para complementar otrabalho em outra profissão, que se encaixe melhor nos seus planos. 

3) Transforme a ansiedade em planejamento

 

Antes de iniciar uma carreira, o estudante deve ter consciência quenão é possível conseguir tudo ao mesmo tempo. É preciso entender ospassos necessários para atingir o objetivo final e não desanimardurante o processo.

A psicóloga Teresinha de Arruda, especialista em orientaçãoprofissional, diz que é preciso estar preparado para entrar nauniversidade.

- Não importa se você vai entrar neste ou no outro ano na faculdade.É preciso estar pronto. Se não dá para pagar o curso de inglês e o deredação ao mesmo tempo, faça uma coisa de cada vez, pensando na metaque será atingida a médio prazo.
 
4) Amenize a “tensão pré-vestibular”

 
Ignorar o nervosismo em ano de vestibular é quase impossível, mas éimportante que o estudante tente manter atividades extracurricularesdurante a época de estudos.

A psicóloga aconselha o jovem a não esquecer a própria vida em ano de vestibular.

- O vestibulando não está correndo da forca. Fazer atividade físicae dormir adequadamente pode melhorar a qualidade dos estudos e também odesempenho nas provas.
 
5) Informe-se sobre as possíveis carreiras
 
Antes de optar por uma carreira, é importante colher o máximo deinformações possíveis sobre o curso, a profissão e o mercado detrabalho. Vale compreender as diferenças que existem entre carreirasparecidas e também as possibilidades que cada área oferece.

O que faz o profissional? Quais são os campos de atuação? É possívelse tornar proprietário de um negócio? É necessário fazer especializaçãodepois da faculdade? Qual é a média salarial na profissão? Há trabalhopara este profissional em cidades pequenas? 
 
6) Converse com profissionais do mercado
 
Além de se informar sobre o mercado de trabalho, é válido que o estudante entre em contato com a realidade da área pretendida.
 
Fátima Trindade, presidente da Abop (Associação Brasileira deOrientação Profissional), diz que o estudante deve tentar conversar comprofissionais para saber como é o mercado.

- O jovem pode visitar locais de trabalho para analisar melhor ouniverso da profissão. É esse estilo de vida que quero ter? Minha visãosobre a área não é fantasiosa? Se ele não se der bem, pode pesquisaroutra coisa.
 
7) Evite a influência direta de parentes e amigos
 
É comum encontrar alunos que abandonam a faculdade porque não seidentificam com o curso escolhido. Em grande parte destes casos,segundo especialistas, a decepção se dá porque a escolha da profissãonão partiu diretamente do estudante.

A presidente da Abop afirma que o jovem tem de ser autor de sua decisão.

- Por imaturidade, muitos acabam terceirizando essa escolha paraoutras pessoas. Entram na faculdade e acabam se deparando com umcontexto que não tem a ver com eles. Seguem pressões, vão pelos amigosou optam pela profissão da moda. E em geral os fatores externos não sealinham com as características do aluno.

8) Assuma a responsabilidade por suas escolhas
 
A escolha de uma carreira deve ser feita com calma e consciência. Oprofissional que é infeliz no trabalho acaba rendendo menos do quepoderia e, muitas vezes, construindo uma carreira mal-sucedida.

Para especialistas em orientação profissional, é fundamental que ojovem assuma a responsabilidade de refletir sobre si mesmo no momentoda escolha.

Só o próprio estudante – levando em conta seus interesses e potencialidades – é capaz de julgar o que deseja para o futuro.
 
9) Comece a pensar na carreira durante o ensino médio
 
Com o grande número de carreiras e cursos oferecidos pelas faculdades,optar fica cada dia mais difícil. O ideal é que, cerca de dois anosantes do vestibular, o jovem já comece a pensar sobre o assunto.

Assim sobra tempo para “digerir” a nova situação e mudar de ideia se for necessário.

É importante que o colégio crie situações que ajudem o jovem a sedefinir, diz Fátima, que também coordena a orientação profissional doColégio Franciscano Pio 12, de São Paulo.
 
- Por falta de experiência de vida, muitos jovens terminam o ensino médio ainda sem maturidade para fazer esta escolha.
 
10) Esqueça a pressa
 
A afobação pode ser um erro na hora de escolher a carreira. O candidatoacaba perdendo tempo e dinheiro ao escolher um curso às pressas, semter refletido profundamente sobre o assunto.

O ideal, nestes casos, é testar antes sua afinidade com a áreapretendida, mesmo que isso signifique adiar o vestibular. Vale maisfazer escolhas que durem e tragam satisfação.