Vestibulando passando noites em claro para estudar matérias em cima da hora.
Vestibulando ansioso em véspera de prova.
Então, na hora da prova, um branco desesperador.

Será que este drama tão comum aos jovens que lutam por uma vaga em uma universidade é provocado exclusivamente por falta de método de estudo por parte do candidato?
Existe algum jeito de modificar isso?

Aprovado com sucesso em sete concursos públicos, cinco dos quais em primeiro lugar e autor do best-seller "Como passar em provas e concursos", o juiz federal William Douglas afirma que mais importante do que estudar é aproveitar bem o tempo de estudo.

Mas até que ponto os fatores psicológicos e ambientais podem influenciar na conquista de uma vaga em vestibulares para os cursos mais disputados como Medicina, Direito, Odontologia, Informática ou Comunicação Social?

Segundo o estudioso, existem algumas dicas que devem ser consideradas pelos jovens vestibulandos que pretendem ingressar na faculdade e depois disputar uma vaga no concorrido mercado de trabalho:

Mais importante do que simplesmente estudar é aprender a estudar e a aproveitar bem o tempo de estudo.
"O conhecimento funciona como uma arma, mas as técnicas de estudo e de realização de uma prova dizem como utilizar esta arma. Uma coisa é saber a matéria, outra é saber como usá-la", ensina William Douglas.

O aluno deve substituir a idéia passiva de repetir o que é ensinado e começar a, ativamente, raciocinar sobre a matéria.
"Não devemos querer decorar, mas sim, por meio do aprendizado, memorizar o essencial: as regras básicas. A partir daí, usamos melhor nosso raciocínio. Enfim, é preciso mudar a atitude".

Definida a melhor estratégia de estudo.
"O aluno deve listar os fatores que inibem e aqueles que deflagram seu desempenho, ou seja, descobrir suas qualidades e defeitos. Após essa auto-avaliação, o estudante deve aproveitar ao máximo as oportunidades e tentar eliminar as dificuldades na medida do possível".

Memorize as matérias.
"Uma técnica para isso é fazer uma pré-leitura antes de se aprofundar no texto e lançar mão de marcações e anotações. Vale também repetir a matéria como se estivesse dando aula para você mesmo, fazer resumos, esquemas, gráficos e árvores".

Estude quanto tempo agüentar, dentro do seu limite.
"O importante é combater a falta de tempo e criar mais horas destinadas ao estudo. Cada um sabe o seu tempo".