Apenas 6,9% dos alunos de universidades e faculdades privadas sãobeneficiados por algum programa de financiamento reembolsável, segundoindicou estudo do Semesp (Sindicato das Entidades Mantenedoras deEstabelecimentos de Ensino Superior do Estado de São Paulo) divulgadonesta quarta-feira (3).

Nos anos anteriores, a porcentagem de alunoscom bolsas era maior: de 7,4% em 2006, e de 8,1% em 2005.

Olevantamento, que considerou os dados do Censo da Educação Superior doMEC (Ministério da Educação e Cultura) de 2007, mostra que 250 milalunos têm o benefício, sendo que, para 20%, a bolsa é oferecida pelaprópria instituição em que estudam.

Sem faculdade Para o presidente doSemesp, professor Hermes Figueiredo, a falta de linhas de financiamentoé um dos principais motivos para que o Ensino Superior brasileiro nãoconsiga incluir um número significativo de jovens em idade de cursaruma faculdade.

"Mesmo o ProUni (Programa Universidade para Todos) deixamuito a desejar. Apenas 206,2 mil estudantes foram beneficiados peloprograma em 2007, muito abaixo da quantidade de vagas disponíveis",afirma. No País, apenas 12% dos jovens de 18 a 24 anos cursam o EnsinoSuperior, deixando mais de 17 milhões fora das universidades. "Nossosíndices ainda são baixos. Perdemos para Bolívia, Colômbia e Argentina,que ultrapassam os 30% dos jovens na faculdade.

A meta do MEC é incluir30% dos jovens nesta faixa etária no Ensino Superior. Para alcançarmosessa marca, precisaríamos ter mais 2 milhões de alunos matriculados",considera. Entre os tipos de financiamento mais utilizados, está oFies, com participação de 67,6%, oferecido pelas próprias instituiçõesde ensino, representando 20,1%, pelo governo estadual (5,2%), municipal(1,6%) e outros (5,5%). Figueiredo ressalta que, além de ajudar nodesenvolvimento econômico do País, o financiamento estudantilproporciona melhores oportunidades na formação profissional e acessosocial aos jovens de baixa renda.

Ele lembra que "40% dos estudanteshoje possuem renda familiar inferior a cinco salários mínimos e estãolimitados a mensalidades entre R$ 250 e R$ 450".