Até pouco tempoatrás, o estudante que quisesse se dar bem no vestibular deveria nãodesgrudar dos livros. Eram eles que, aliados às explicações dosprofessores em sala de aula e aos exercícios feitos na escola ou emcasa, garantiam um bom preparo para os concursos.

Mas a nova lógica doExame Nacional do Ensino Médio (Enem) exige que os jovens tambémestejam antenados com os principais assuntos do Brasil e do mundo. Epara manter-se atualizado e afiado para as provas, que acontecerãodaqui a duas semanas (dias 3 e 4 de outubro), os feras devem valer-sede informações de jornais, revistas, sites e noticiários televisivos.

Acontecimentos importantes, como a eleição do primeiro presidente negrodos Estados Unidos, Barack Obama, e o surto mundial de gripe suína, porexemplo, ainda não chegaram às páginas dos livros de história oubiologia.

Para ajudar os vestibulandos na etapa final de preparaçãopara a avaliação nacional, o Jornal do Commercio pediu aos professoresde quatro dos maiores colégios do Recife - NAP, Boa Viagem, Atual eMotivo - para elencarem assuntos atuais que, no entendimento deles,merecem atenção especial nesses dias de revisão.

Embora o Enem estejadivido em quatro áreas do conhecimento (ciências humanas, ciências danatureza, matemática e linguagens), o exame vai cobrar conteúdos demaneira interdisciplinar. A orientação da professora de português doColégio Boa Viagem Maria Pereira é voltada para a prova de linguagem.

Mas aplica-se também para os outros três testes. "A interpretação é umadas ferramentas essenciais para o bom desempenho no Enem. A leitura deum texto não é um mero ato de decifrar símbolos, mas interagir eproduzir sentidos durante a leitura. É nesse processo que se estabelecea interpretação de texto, habilidade que é muito cobrada na prova, comquestões que conduzem o fera a aplicar seu conhecimento e darsoluções", observa Maria.

"A leitura frequente de textos coloquiais eformais, quadrinhos, tabelas, gráficos e outdoors é um ótimo exercício,além de manter-se atualizado", complementa a professora GracineideRegina, referindo à prova de português. Na área de ciências danatureza, que envolve química, física e biologia, professores das trêsdisciplinas do Colégio NAP indicam a importância de revisar o temaenergia.

Em química, José Mendes e Alexandre Estevão ressaltam obiodiesel e o petróleo. Rogério Porto, de física, recomenda a relaçãoentre energia e meio ambiente, enquanto Pedro Henrique, de biologia,destaca as novas fontes de energia.

PRÉ-SAL

Para uma boa prova deciências humanas, o professor de geografia Kiko Santos, do ColégioAtual, também cita a energia, com destaque para o pré-sal e oaproveitamento de outras fontes energéticas. Para Eduardo Belo,professor de matemática do Colégio Motivo, "na proposta do novo Enem, oaluno será cobrado a trabalhar a matemática no cotidiano. Uma dessaspossibilidades está inserida no trabalho com gráficos, que em suamaioria são de fácil interpretação", comenta Eduardo.

O Enem terá 180questões. Serão 45 quesitos para cada uma das quatro áreas, além de umaredação. No primeiro dia, os estudantes terão quatro horas e meia parafazer duas provas: ciências humanas e ciências da natureza. No segundodia, os testes vão ser de matemática e linguagem, que inclui a escritade uma dissertação.

Por isso, o tempo de realização das provas será umpouco maior, cinco horas e meia. A orientação do Instituto Nacional deEstudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do Ministério daEducação responsável pelo exame, é de que, em caso de dúvida em umquesito, o estudante chute a resposta. Isso porque, caso deixe aquestão em branco, a máquina de leitura ótica, ao corrigir a prova,entenderá que houve erro.