Adeus à decoreba. Questões que avaliem o conteúdo, sim, mas que orelacionem com atividades cotidianas dos alunos. A prova do ExameNacional do Ensino Médio (Enem) deste ano, que vai ser aplicada em todoo Brasil nos dias 3 e 4 de outubro, pretende começar a revolucionar oensino médio brasileiro.

A partir deste ano, mais que avaliar oconhecimento dos estudantes, a prova do Enem terá maior importânciapara o ingresso dos alunos no ensino superior. No Paraná, aUniversidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) substituiu seuvestibular pela prova do Enem.

Na Universidade Federal do Paraná (UFPR) o Enem representará 10% dovalor final da nota do vestibular. Até o ano passado, a nota do Enemera apenas um dos critérios de desempate da UFPR. Essas mudanças játiveram reflexo no número de inscritos, que bateu recorde este ano: 4,5milhões de inscrições.

A proposta do ministro é acabar com ovestibular, criando, com o Enem, uma avaliação unificada em todo oPaís, nos próximos anos. Nessa primeira tentativa, pelo menos 50instituições federais do País vão usar o Enem de alguma forma.

Muitas mudanças e também muitas dúvidas. Há tempos o governo federalvinha avisando que iria mudar o Enem tradicional, que existe desde1998. E aí, no meio do ano, o ministro Fernando Haddad comunicou que oEnem ia mudar mesmo. E que iria ser agora.

O aviso pegou estudantes, colégios, cursinhos e universidades desurpresa, fazendo com que todos tivessem que se adaptar às exigênciasenquanto seus planejamentos para 2009 já estavam em andamento.

"O novo Enem foi feito de forma afobada, porque temos eleiçõespresidenciais no ano que vem. As próprias universidades não foramconvencidas a adotar o Enem porque ele é bom, mas porque vão recebermais recursos se aderirem à proposta do governo federal", ressalta odiretor-geral do Curso Positivo, Renato Ribas Vaz.

Aliás, asdiscussões sobre o Enem foram feitas muito mais com as instituições deensino superior do que com os estados, responsáveis pelo ensino médio."Muito pouco se respeitou as estruturas do ensino médio e por enquantoa estrutura é dúbia, tem pouca consistência. Tem que se ouvir assecretarias estaduais e o compromisso é de ampliar esse diálogo nopróximo ano", afirma a gestora em avaliação da Secretaria de Estado daEducação de São Paulo, Maria Inês Fini, uma das criadoras do primeiroEnem.

Para Fini, essa mudança chegou de forma imatura. "Nãohouve discussão com a sociedade nem tempo adequado para prepararmos osjovens. Temos que fazer uma guinada totalmente diferente. Do contrário,vamos ter pouquíssimas ações efetivas", avalia.

Opinião parecidaé a do professor Marlus Geronasso, coordenador do curso preparatóriopara o Enem do Grupo Educacional Uninter. "O novo Enem veio para ficar,é um caminho sem volta. Mas colocaram o carro na frente dos bois", diz.

"Se essa avaliação servir para que, a partir dos resultados, hajainvestimento nas escolas públicas, tem que começar pontualmente nasregiões mais defasadas", opina.

Prova do Enem deverá ser bem cansativa

Três minutos e trinta e sete segundos. Esse é o tempo médio que osalunos terão para responder cada uma das 180 questões do novo Enem. Porisso, a expectativa é que o Enem seja mais cansativo que difícil.

Alunos como Gustavo Viana Lopes, de 17 anos, dizem preferir o Enem,apesar de já terem sentido o cansaço durante simulados. "Eu vejo comoum mérito decifrar a questão, mas como são muitas questões, quandochega no meio você já está vencido fisicamente", conta.

Algunsestão mais resistentes à mudança, como a estudante Daniele Custódio,que concorre a uma vaga no curso de Arquitetura e que prefere ovestibular tradicional.

"Não acho que vai ser uma prova fácil como foi em anos anteriores.Para mim, que já fiz vestibular duas vezes e já sabia exatamente o queestudar, complica bastante", acredita. Para Jéssica Volpe pesa aincerteza sobre os conteúdos. "Em anos anteriores era possívelconversar com quem já tinha feito a prova para se ter uma ideia. Esseano não se sabe o que esperar da prova", diz.

Para o aluno, mudaa percepção que se tem que ter sobre o estudo. "O aluno precisadesenvolver habilidade em juntar conhecimentos aprendidos nasdiferentes aulas com o que vê na televisão e lê na revista. A propostado Enem é trabalhar as múltiplas inteligências", apresenta o diretor docurso preparatório Dom Bosco, Ari Herculano de Souza.

Segundo oprofessor, o Enem não deve fazer prova do tipo "pegadinha". "Não vaiser de conteúdo difícil, mas alternativas muito parecidas entre si, oque avalia a tomada de decisão pelo aluno. Pode-se eliminar de caraqualquer alternativa politicamente não-correta, como as que lembremsegregação ou não preservação da natureza". (LC)

Exigências para os professores

A identidade do ensino médio foi colocada em pauta com a proposta donovo Enem. E, mais do que se exigir dos alunos, vai se exigir mudançados professores.

"Com a nova Lei de Diretrizes e Bases, em 1996, o MEC já apontavapara mudanças. O governo não poderia fazer toda reformulação de leissem cobrar a fatura. E essa fatura é o novo Enem", define a professoraElaine Silva, que tem preparado os professores pelo Iesde Brasil.

Para que essa nova concepção seja adotada pelos estados, éimportante que esse modelo seja viabilizado pelo governo federal comrecursos, na opinião da gestora em avaliação da Secretaria de Educaçãode São Paulo, Maria Inês Fini. "Vai ficar muito fácil para o governofederal ditar as regras e não apoiar financeiramente os estados", diz.

Aconcepção pensada pelo governo federal pretende trazer maior clarezasobre o papel do ensino médio. "Por um bom tempo, só se preparava parao ingresso no vestibular ou formava para o mercado de trabalho aquelesque não iam fazer o ensino superior", lembra a coordenadora pedagógicado departamento de educação básica da Secretaria de Educação do Paraná,Maria Eneida Fantin.

"O vestibular de algumas regiões define o que as escolas devem ser,numa espécie de submissão do ensino médio de alguns vestibulares dealguns lugares, que se quer acabar".

Raio-X do novo Enem

Datas da prova

-3 e 4 de outubro (sábado e domingo)

-Nosábado, das 13h às 17h30, provas de Ciências da Natureza e suasTecnologias e Ciências Humanas e suas Tecnologias. No domingo, das 13hàs 18h30, provas de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias e Redação eMatemática e suas Tecnologias.

-Os portões de acesso aos locais de prova serão abertos às 12h e fechados às 12h55.

Locais

-As provas acontecerão em 1.826 municípios. No Paraná, haverá provas em 97 dos 399 municípios do Estado.

Mudanças

-De questões basicamente focadas na interpretação de texto, o novo Enemse propõe a cobrar mais conteúdo, voltado para a solução de problemas.Com isso, busca-se a reformulação do currículo do ensino médio.

- A prova vai valer também para certificação de conclusão do ensino médio, desde que o candidato tenha, no mínimo, 18 anos.

Simulados e conteúdos

Ministérioda Educação: foram disponibilizadas 40 questões-modelo do novo Enem,que podem ser conferidas pelo site www.enem.inep.gov.br .

GrupoEducacional Uninter: pelo site www.grupouninter. com.br/enem, entrar nolink "simulado". O teste ficará disponível até 1 de outubro, com 60questões, e poderá ser feito em até três horas. O resultado sai emseguida.

Inteligência Educacional e Sistemas de Ensino (Iesde):o programa "Enem sob consulta" permite que até 4 de outubro todas asvideoaulas já produzidas pelo Iesde com conteúdo do ensino médioestejam disponíveis gratuitamente por meio do sitewww.enemsobconsulta.com.br.

Novas edições

-O aluno pode fazer o Enem quantas vezes quiser, mesmo que tenhaconcluído o ensino médio já há alguns anos. A proposta inicial é a deque o Enem seja oferecido duas vezes por ano. Uma nova edição deveráser aplicada em março ou abril de 2010.