Trêsuniversidades de Bauru utilizarão as notas do Exame Nacional do EnsinoMédio (Enem) para fins de aprovação no vestibular. Estão confirmadasapenas as adesões da Universidade do Sagrado Coração (USC),Universidade Paulista (Unip) e Faculdade Anhanguera.

A lista poderáaumentar caso a Universidade Estadual Paulista (Unesp) decidaaproveitar as notas do exame nacional para o processo seletivo desteano. A definição ocorrerá até a próxima terça-feira. A decisão dependede uma posição oficial do Ministério da Educação (MEC) sobre a data doresultado de seu exame.

De acordo com a pró-reitora de graduação, Sheila Zambello de Pinho, aUnesp tem margem de manobra maior que outras universidades (USP eUnicamp). Por isso, ainda não descarta a possibilidade de usar a provado Enem para compor a nota dos candidatos do vestibular 2010. Segundoela, desistir do exame nacional é a última alternativa da universidade.USP e Unicamp já desistiram.

Caso confirme a adesão, a Unesp somará a nota do Enem com as que ocandidato alcançar nas outras provas do vestibular para compor a médiafinal. O peso da nota obtida no exame do MEC será de 10%, exceto paraos cursos que exigem prova de habilidades, como arte-teatro, artesvisuais, arquitetura e urbanismo, design, educação artística, educaçãomusical e música. Para esses cursos, o peso será de 6,66%.

A USC, por sua vez, utilizará outro critério para a aprovação. Ocálculo da universidade será o seguinte: o total de pontos obtido pelocandidato será multiplicado por 0,185. O resultado dessa conta irá sesomar com a nota obtida no vestibular mais a nota da redação. O valoralcançado nessa soma será dividido por dois, chegando, assim, à notamédia de classificação que determinará ou não a aprovação do candidato.

Para ingresso nos cursos da Unip, a conta é mais simples. Segundoinforma o diretor do campus de Bauru, Aviz Kalaf Filho, basta apenasque o candidato se inscreva no vestibular e apresente a nota obtida noEnem. Se ela for superior à menor nota conseguida por um candidatoaprovado no vestibular da universidade, o pretendente pode começar areunir a papelada para a matrícula. Se a nota não for suficiente para ocandidato ser relacionado entre os aprovados no fim do ano, ele poderátentar novamente no processo seletivo do meio do ano. “Com a nota doEnem, o candidato poderá concorrer duas vezes a uma vaga na Unip”, dizo diretor.

Na Faculdade Anhanguera, o candidato também não precisará enfrentar ovestibular se for bem avaliado no Enem. Basta apresentar a nota parauma análise interna. Se a comissão de avaliação da faculdade julgar queo desempenho do pretendente a uma vaga na Anhanguera foi satisfatóriono exame nacional, ele é aprovado.

A nota do Enem poderá ser utilizada ainda para pleitear uma vaga naAnhanguera por meio do Programa Universidade para Todos (ProUni). Desdeque o candidato se enquadre nas exigências do programa, como, porexemplo, ter estudado em escola pública ou na rede particular nacondição de bolsista integral e cuja renda per capita familiar nãoultrapasse os três salários mínimos.

O ProUni oferece bolsas que variam de 50% a 100% do valor dasmensalidades. Quanto maior a nota obtida no Enem, maiores são também aschances do aluno ser contemplado. De acordo com Marco Antonio Torres,diretor-executivo da Anhanguera, a faculdade tem também o ProUniinstitucional que visa atender os alunos que não foram selecionadospelo programa do governo federal.

Instituições usam seleção caseira

Em Bauru, além da Universidade de São Paulo (USP), que anunciou que nãoirá utilizar as notas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) parafins de aprovação no vestibular este ano, outras faculdades farão omesmo. Instituição Toledo de Ensino (ITE), Instituto de Ensino Superiorde Bauru (Iesb), União das Instituições Educacionais do Estado de SãoPaulo (Uniesp), Faculdades Integradas de Bauru (FIB) e UniversidadeNove de Julho (Uninove) também estão fora desse processo. Então, osalunos que prestarão o exame pensando em utilizar a nota para concorrera uma vaga em qualquer curso dessas instituições podem mudar os planos.

Por meio da assessoria de imprensa, a ITE informou que não utilizará anota do Enem em seu vestibular porque a opção da instituição é pelarealização de processos seletivos nos moldes tradicionais.

A justificativa é a mesma apresentada pelo Iesb. O processo seletivoadotado pela instituição continuará sendo composto apenas pela provaobjetiva e a redação. Os dirigentes acreditam que ainda não é o momentode usar a nota do exame nacional na classificação dos candidatos. NoIesb, o processo seletivo pode ser agendado. O candidato escolhe omelhor dia para fazer as provas. Além disso, ele pode ser dispensado daprova objetiva dependendo do histórico do ensino médio. Se as notasforem boas, é exigida apenas a redação.

A Uniesp é outra que não levará em consideração o desempenho no Enempara definir a aprovação de seus candidatos. A escola também decidiuoptar por uma seleção caseira, composta de prova objetiva de múltiplaescolha e redação. O único benefício oferecido pela instituição aosalunos que prestarem o Enem é a isenção no pagamento da taxa deinscrição para o vestibular. Além disso, a Uniesp oferece vagas parabolsistas do ProUni. Para requerer uma dessas vagas é obrigatória aparticipação no exame do MEC.

Se o candidato preferir, ele poderá se inscrever no ProUni para umavaga nos cursos das Faculdades Integradas de Bauru (FIB). Segundoinforma a assistente administrativa Keila Lorenço, a FIB possuiatualmente cerca de 200 bolsistas beneficiados pelo programa federal.Para ser admitido pela faculdade como tal, o candidato precisaconseguir uma nota superior a 45 no Enem e esperar a abertura dasinscrições no ProUni. Quando isso ocorrer, basta indicar a FIB comoopção e esperar o resultado final. Para quem não se enquadra no perfilexigido pelo ProUni para solicitar bolsa de estudo, a alternativa éesquecer a nota do exame nacional e partir direto para o vestibular daFIB.