O Exame Nacional do Ensino Médio - Enem é  o passaporte para milhares de estudantes ingressarem no ensino superior.

O exame existe desde 1998. Criado pelo Governo Federal e mantido pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa Educacionais Anísio Teixeira - Inep, tinha como objetivo inicial apenas avaliar o conhecimento de quem se formava no ensino médio.

A partir de 2009 perdeu o caráter apenas avaliativo, e a nota obtida no exame passou a ser usada como seleção para o preenchimento de vagas nas faculdades e universidades públicas e privadas (nestas últimas por meio do PROUNI).

O Enem é direcionado aos alunos do 3º ano do ensino médio e qualquer pessoa que queira voltar para os bancos escolares, neste caso, os acadêmicos. Alunos de 1º e 2º ano também podem prestar o exame, mas como treineiros, no entanto, a nota não será utilizada.

Agora que vimos um breve resumo histórico, vamos às dicas.

Como estudar para o Enem em 5 dicas práticas

O Enem é a prova mais aguardada do ano, e também muito temida. E com razão, pois define o futuro de muitos.

Por isso, a preparação tem que contar com elementos como disciplina, foco e dedicação, além de dicas e hacks de aprendizagem para encontrar caminhos que melhorem o aproveitamento de tudo que é estudado.

Veja algumas dicas:

1. Respeitar os limites do seu corpo e mente

Estudar para o Enem exige bastante comprometimento e muitas horas de estudo. Festas e baladas com os amigos terão que ficar  para depois da aprovação. Mas isso não significa que é preciso estudar sem dar um tempo para descanso e relaxamento.

Além de intervalos entre os estudos, é preciso parar por um tempo, fazer uma caminhada ou um passeio para relaxar. Nada que tire a energia ou que desgaste, mas que permita que a cabeça descanse.

Um ritmo alucinado de estudos pode não surtir tanto efeito, uma vez que a mente cansada não assimila o que se está estudando.

2. Organização

Montar um cronograma de estudos é essencial. Para isso, é importante pesquisar e selecionar conteúdos que normalmente caem no Enem, a fim de montar um esquema de temas, dias de estudo — incluindo as revisões —, e horários.

É interessante mesclar disciplinas em um dia de estudo, pois deixar apenas uma por dia pode tornar maçante a rotina.

3. Concentrar-se na sua forma de aprender

Cada pessoa tem uma forma de aprender. Há quem aprenda lendo e fazendo resumos, há quem aprenda visualmente ou ouvindo.

O importante é concentrar os esforços na melhor forma para assimilar os conteúdos. Para isso, deve-se usar todos os recursos disponíveis, como mapas mentais, leitura em voz alta, gravar o conteúdo e depois ouvir, criar flashcards (pequenos cartões com temas específicos, definições, conceitos etc), fazer cartazes etc.

4. Encontrar hacks de aprendizado

Hacks de aprendizado são técnicas que ajudam a assimilar melhor o que se está estudando e a potencializar o aprendizado.

Veja três exemplos:

Técnica da repetição espaçada: revisar o que estudou em intervalos determinados. Exemplo: um conteúdo estudado deve ser revisado várias vezes na mesma sessão de estudos. Depois deve ser revisado uma vez ao dia, uma vez a cada dois dias, duas vezes por semana e assim sucessivamente, até que tenha sido fixado. Essa é uma técnica que ajuda a reverter o quadro de esquecimento natural.

Misturar novas informações com as já fixadas. Exemplo: o estudo é sobre a Era Vargas, e já foi assimilado o que foi esse período. Agora basta adicionar informações, como datas ou acontecimentos  importantes.

A relação entre o aprendizado e sono/descanso:

Estudar antes de dormir: o que se aprende antes de dormir é “arquivado” pelo cérebro onde ficam as lembranças - isso acontece com todas as memórias de curto prazo.

Cochilos de 20 minutos entre os estudos ajuda o cérebro com a retenção de informações importantes. Mas é preciso respeitar esses tempo.

5. Simulados

O site do Inep disponibiliza as provas e gabaritos das edições anteriores. Fazer esses simulados é uma excelente forma de estudar para o Enem.

É interessante criar um esquema de identificação dos pontos que devem ser reforçados. Criar um sistema de marcação, por exemplo, para as questões que geraram dúvida, para as relacionadas a temas ainda não estudados etc.

Onde estudar usando a nota do Enem

O ingresso nas universidades públicas pela nota do Enem acontece pelo Sistema de Seleção Unificada (Sisu), duas vezes ao ano. O programa do governo federal classifica os candidatos de acordo com a nota — a chamada “nota de corte”, que é a mínima necessária para conseguir aprovação.

O PROUNI também classifica pela nota de corte, mas para o ingresso em universidades privadas.

Há outras universidades privadas reconhecidas pelo MEC, com boas notas, que garantem o acesso direto pela nota do Enem, veja algumas delas:

As universidades citadas também participam dos programas do governo federal, como o PROUNI e o Fies, além de oferecerem outras formas de descontos bolsas de estudos.

Visite o site das universidades citadas para mais informações. Aproveite e veja as diversidade de opções em cursos presenciais, semipresenciais e à distância.

Leia também:

Precisando de bolsa de estudo para a faculdade? Veja opções

Pensando em estudar a distância? Saiba se o EAD vale a pena

Você tem dicas de como estudar para o Enem para adicionar à nossa lista? Conte pra gente nos comentários!