Quando chega o período de inscrição para o Sisu, a tensão já começa a tomar conta dos candidatos.

Isso porque não é nada fácil nadar em meio ao mar de concorrentes que disputam vagas em instituições de ensino superior públicas por todo o país.

Em 2019, foram distribuídas ao todo 294 mil vagas. Pode até parecer muito, mas, na primeira edição do ano, um milhão e 823 mil pessoas se inscreveram para 235 mil vagas oferecidas.

Esses números explicam por que se tornou tão desafiador conseguir a tão sonhada vaga no Sisu.

Confira, a seguir, quais são as notas de corte mínimas e máximas do Sisu 2020, conheça outros processos seletivos que também utilizam a nota do Enem e saiba onde estudar!

Fique por dentro das datas do Sisu 2020

As inscrições da primeira edição do Sisu 2020 vão de 22 de janeiro ao 25 do mesmo mês. O resultado sairá no dia 28 de janeiro.

O prazo para participar da lista de espera vai de 28 de janeiro a 4 de fevereiro.

A matrícula da chamada regular vai de 30 de janeiro a 4 de fevereiro. A convocação dos candidatos em lista de espera pelas instituições será realizada a partir do dia 7 de fevereiro.

Para participar do processo seletivo, os candidatos precisaram fazer o Enem 2019, sem ter zerado a redação.

Aqueles que não conseguirem entrar na primeira edição do Sisu 2020, terão a oportunidade de tentar vaga no meio do ano.

Saiba quais são as notas de corte do Sisu 2020

Confira qual a menor e a maior nota de corte de alguns dos principais cursos oferecidos pelo Sisu:

  • Administração: 570 a 771
  • Análise e Desenvolvimento de Sistemas: 553 a 788
  • Arquitetura e Urbanismo: 688 a 797
  • Biologia: 618 a 710
  • Biomedicina: 693 a 790
  • Ciências Contábeis: 581 a 768
  • Ciências da Computação: 576 a 819
  • Ciências Sociais: 536 a 743
  • Design: 634 a 749
  • Direito: 678 a 866
  • Enfermagem: 649 a 764
  • Engenharia Ambiental: 628 a 788
  • Engenharia Bioquímica: 720 a 801
  • Engenharia Civil: 652 a 883
  • Engenharia Elétrica: 626 a 806
  • Engenharia Mecânica: 636 a 856
  • Estatística: 592 a 758
  • Farmácia: 659 a 746
  • Fisioterapia: 668 a 776
  • Fonoaudiologia: 652 a 753
  • Gastronomia: 617 a 741
  • História: 547 a 735
  • Hotelaria: 569 a 774
  • Jogos Digitais: 627 a 673
  • Jornalismo: 626 a 796
  • Marketing: 628 a 786
  • Matemática: 515 a 785
  • Medicina: 769 a 901
  • Medicina Veterinária: 669 a 804
  • Nutrição: 660 a 776
  • Oceanografia: 656 a 769
  • Odontologia: 719 a 805
  • Pedagogia: 537 a 738
  • Psicologia: 678 a 834
  • Publicidade e Propaganda: 651 a 762
  • Radiologia: 636 a 716
  • Rádio e TV: 621 a 704
  • Relações Públicas: 620 a 796
  • Sistemas de Informação: 551 a 779
  • Tecnologia da Informação: 658 a 681

As notas de corte variam conforme o curso, o turno, a universidade, o campus e a modalidade de concorrência (por cotas ou geral).

Como é possível observar na lista acima, na maior parte dos cursos, é preciso tirar uma nota média acima de 600 pontos para conseguir uma vaga pelo Sisu.

Entretanto, para alguns cursos mais concorridos, como Engenharia Bioquímica, Odontologia e Medicina, só uma pontuação entre 700 e 900 garante a entrada na universidade.

Outras maneiras de usar sua nota do Enem

Caso sua nota do Enem não seja suficiente para garantir uma vaga na universidade pública pelo Sisu, não se desespere.

Saiba que você ainda pode usar sua pontuação em três outros processos seletivos: o ProUni, o FIES e o ingresso direto. Confira:

ProUni: distribui bolsas de estudos parciais (de 50%) e integrais para instituições de ensino superior privadas de todo o país.

Para participar do processo seletivo, é preciso ter feito o Enem mais recente e obtido pelo menos 450 pontos na média das provas objetivas, sem ter zerado na redação.

Também é preciso cumprir alguns requisitos socioeconômicos determinados pelo Ministério da Educação (MEC).

As notas de corte do ProUni são um pouco mais baixas do que as do Sisu.

FIES: o Fundo de Financiamento Estudantil torna possível ao estudante financiar seus estudos a juros bem abaixo do mercado e comece a pagar apenas depois de formado.

Para participar do processo seletivo, o candidato precisa ter feito qualquer edição do Enem a partir de 2010, obtido pelo menos 450 pontos na média das provas do Enem e nota maior que zero na redação.

Também é necessário se encaixar em determinado perfil de renda familiar. As notas de corte do FIES são bem mais tranquilas do que as do Sisu.

Ingresso direto: adotado por inúmeras faculdades em todo o país, é o método mais fácil e sem burocracia de iniciar um curso superior.

Basta o candidato apresentar sua nota do Enem e, caso atinja a pontuação mínima exigida, é só levar a documentação solicitada para efetuar a matrícula.

Além de poder ingressar na graduação desejada, com a nota do Enem, o candidato ainda é consegue obter bolsas de estudos de até 100% direto com a instituição.

Onde estudar

Se você optar por tentar ingressar na faculdade pública pelo Sisu, terá pouco mais de 100 instituições à sua escolha.

Caso sua nota não seja suficiente para o Sisu e você decida tentar o ProUni, o FIES ou o ingresso direto, saiba que o número de possibilidades será muito maior.

Mas lembre-se: é muito importante escolher uma faculdade que tenha o reconhecimento do Ministério da Educação (MEC), uma ótima infraestrutura e, claro, o curso que você deseja.

A seguir, nós fizemos uma lista com algumas sugestões para você:

Todas elas oferecem diversas vantagens financeiras ao aluno, como programas próprios de bolsas de estudos, descontos na mensalidade e financiamento sem burocracia.

Veja também:

Saiba tudo sobre as cotas do Sisu e veja se você se encaixa

E aí, vai tentar mesmo o Sisu ou outro processo seletivo? Conte para a gente aqui nos comentários!