A anatomia é o estudo das estruturas dos organismos vivos assim como a fisiologia é o estudo das funções do organismo. Devido à complexidade da estrutura dos organismos vivos, a anatomia é organizada por níveis, desde os menores componentes das células até os órgãos maiores e suas relações com outros órgãos. A anatomia geral é o estudo dos órgãos do organismo através da sua observação a olho nu durante a inspeção visual e a dissecção. A anatomia celular é o estudo das células e de seus componentes e requer instrumentos especiais, como microscópios e técnicas especiais para sua observação.

Membrana

A membrana que envolve as células delimita o espaço ocupado pelos

constituintes da célula, sua função principal é filtragem de

substâncias requeridas pelo metabolismos celular . A permeabilidade

proposta pela membrana não é apenas de ordem mecânica pois podemos

observar que certas partículas de substâncias “grande” passam pela

membrana e que outras de tamanho reduzido são rejeitadas. A membrana

possui grande capacidade seletiva possibilitando apenas a passagem de

substâncias “úteis”, buscando sempre o equilíbrio de cargas elétricas e

químicas. As membranas também possuem diversas facetas e entre elas

esta na capacidade de desenvolver vilos, aumentando assim, sua

superfície de absorção.

Constituição da membrana – Formada por uma

dupla camada de fosfolipídios (fosfato associado a lipídios), bem como

por proteínas espaçadas e que podem atravessar de um lado a outro da

membrana. Algumas proteínas estão associadas a glicídios, formando as

glicoproteínas (associação de proteína com glicídios – açucares-

protege a célula sobre possíveis agressões, retém enzimas, constituindo

o glicocálix), que controlam a entrada e a saída de substâncias.

A membrana apresenta duas regiões distintas uma polar (carregada

eletricamente) e uma apolar (não apresenta nenhuma carga elétrica).

Propriedades e constituição química

A membrana plasmática é invisível ao microscópio óptico comum, porém

sua presença já havia sido proposta pelos citologistas muito antes do

surgimento do microscópio eletrônico. Mesmo hoje ainda restam ser

esclarecidas muitas dúvidas a seu respeito.

Estrutura

Atualmente o modelo mais aceito é o MODELO DO MOSAICO FLUIDO

proposto por Singer e Nicholson. Segundo esse modelo, a membrana seria

composta por duas camadas de fosfolipídios onde estão depositadas as

proteínas. Algumas dessas proteínas ficam aderidas à superfície da

membrana, enquanto outras estão totalmente mergulhadas entre os

fosfolipídios; atravessando a membrana de lado a lado. A flexibilidade

da membrana é dada pelo movimento contínuo dos fosfolipídios; estes se

deslocam sem perder o contato uns com os outros.

As moléculas de proteínas também têm movimento, podendo se deslocar pela membrana, sem direção.

Funções

A membrana plasmática contém e delimita o espaço da célula, mantém

condições adequadas para que ocorram as reações metabólicas

necessárias. Ela seleciona o que entra e sai da célula, ajuda a manter

o formato celular, ajuda a locomoção e muito mais.

As diferenciações da membrana plasmática

Em algumas células, a membrana plasmática mostra modificações

ligadas a uma especialização de função. Algumas dessas diferenciações

são particularmente bem conhecidas nas células da superfície do

intestino.

Microvilosidades

São dobras da membrana plasmática, na superfície da célula voltada

para a cavidade do intestino. Calcula-se que cada célula possui em

média 2.500 microvilosidades. Como conseqüência de sua existência, há

um aumento apreciável da superfície da membrana em contato com o

alimento.fig. FA

Desmossomos

São regiões especializadas que ocorrem nas membranas adjacentes de

duas células vizinhas. São espécies de presilhas que aumentam a adesão

entre uma célula e a outra.

Interdigitações

Como os desmossomos também têm um papel importante na coesão de células vizinhas.

Retículo Endoplasmático

Funciona como sistema circulatório – atua como transportador e armazenador de substâncias. Há dois tipos:

Retículo Endoplasmático Liso:

Onde há a produção de lipídios.

Retículo Endoplasmático Rugoso:

Rugoso por ter aderido a sua superfície externa os ribossomos, local

de produção de proteínas, as quais serão transportadas internamente

para o Complexo de Golgi. Com origem na membrana plasmática, apresenta

também na sua constituição lipídios e proteínas. Além das funções já

citadas atua também aumentando a superfície interna da célula

produzindo um gradiente de concentração diferenciado.

Ribossomos

São grânulos de ribonucleoproteínas produzidos a partir dos

nucléolos. A função dos ribossomos é a síntese protéica pela união de

aminoácidos, em processo controlado pelo DNA. O RNA descreve a

seqüência dos aminoácidos da proteína. Eles realizam essa função

estando no hialoplasma ou preso a membrana do retículo endoplasmático.

Quando os ribossomos encontram-se no hialoplasma, unidos pelo RNAm, e

só assim são funcionais, denominam-se POLISSOMOS. As proteínas

produzidas por esses orgânulos são distribuídas para outras partes do

organismo que se faça necessário.

Mitocôndria

Organela citoplasmática formada por duas membranas lipoprotéicas,

sendo a interna formada por pregas. O interior é preenchido por um

líquido denso, denominado matriz mitocondrial. Dentro delas se realiza

o processo de extração de energia dos alimentos (respiração celular)

que será armazenada em moléculas de ATP (adenosina trifosfato). É o ATP

que fornece energia necessária para as reações químicas celulares.

Apresenta forma de bastonete ou esférica. Possuem DNA, RNA e ribossomos

próprios, tendo assim capacidade de autoduplicar-se. Quanto maior a

atividade metabólica da célula, maior será quantidade de mitocôndrias

em seu interior. Apresentam capacidade de movimentação, concentrando-se

assim nas regiões da célula com maior necessidade energética (exp.

Músculos das coxas) . Alguns cientista acreditam terem sido

“procariontes” (bactérias) que passaram a viver simbioticamente no

interior das células no início evolutivo da vida (células fornecendo

açucares e outras substâncias e bactérias fornecendo energia.).

São grânulos de ribonucleoproteínas produzidos a partir dos

nucléolos. A função dos ribossomos é a síntese protéica pela união de

aminoácidos, em processo controlado pelo DNA. O RNA descreve a

seqüência dos aminoácidos da proteína. Eles realizam essa função

estando no hialoplasma ou preso a membrana do retículo endoplasmático.

Quando os ribossomos encontram-se no hialoplasma, unidos pelo RNAm, e

só assim são funcionais, denominam-se POLISSOMOS. As proteínas

produzidas por esses orgânulos são distribuídas para outras partes do

organismo que se faça necessário.

Estrutura que apresenta enzimas digestivas capazes de digerir um

grande número de produtos orgânicos. Realiza a digestão intracelular.

Apresenta-se de 3 formas: lisossomo primário que contém apenas enzimas

digestivas em seu interior, lisossomo secundário ou vacúolo digestivo

que resulta da fusão de um lisossomo primário e um fagossomo ou

pinossomo e o lisossomo terciário ou residual que contém apenas sobras

da digestão intracelular. É importante nos glóbulos brancos e de modo

geral para a célula já que digere as partes desta (autofagia) que serão

substituídas por outras mais novas, o que ocorre com freqüência em

nossas células. Realiza também a autólise e histólise (destruição de um

tecido) como o que pode ser observado na regressão da cauda dos

girinos. originam-se no Complexo de Golgi.

Complexo de Golgi

São estruturas membranosas e achatadas, cuja função é elaborar e

armazenar proteínas vidas do retículo endoplasmático; podem também

eliminar substâncias produzidas pela célula, mas que irão atuar fora da

estrutura celular que originou (enzimas por exemplo). Produzem ainda os

lisossomos (suco digestivo celular). É responsável pela formação do

acrossomo dos espermatozóides, estrutura que contém hialuronidase que

permite a fecundação do óvulo. Nos vegetais denomina-se dictiossomo e é

responsável pela formação da lamela média da parede celulósica.

Centríolos

Estruturas cilíndricas, geralmente encontradas aos pares. Dão origem

a cílios e flagelos (menos os das bactérias), estando também

relacionados com a reprodução celular – formando o fuso acromático que

é observado durante a divisão celular. É uma estrutura muito pequena e

de difícil observação ao M. Óptico, porém no M. Eletrônico apresenta-se

em formação de 9 jogos de 3 microtúbulos dispostos em círculo, formando

uma espécie de cilindro oco.

Peroxissomos

Acredita-se que eles têm como função proteger a célula contra altas

concentrações de oxigênio, que poderiam destruir moléculas importantes

da célula. Os peroxissomos do fígado e dos rins atuam na desintoxicação

da célula, ao oxidar, por exemplo, o álcool. Outro papel que os

peroxissomos exercem é converter gorduras em glicose, para ser usada na

produção de energia.

Núcleo

Acredita-se que eles têm como função proteger a célula contra altas

concentrações de oxigênio, que poderiam destruir moléculas importantes

da célula. Os peroxissomos do fígado e dos rins atuam na desintoxicação

da célula, ao oxidar, por exemplo, o álcool. Outro papel que os

peroxissomos exercem é converter gorduras em glicose, para ser usada na

produção de energia.

Núcleo – é o administrador da célula, tudo que ocorra em uma célula

tem como origem informações gerada apartir dele. O núcleo é uma célula

dentro da célula, revestido por uma membrana dupla. Em seu interior

encontramos as cromatina, massa de cromossomos – suco nuclear e um

nucléolo.