A maioria das viroses ocorre na infância e são de

cura espontânea.

As principais doenças causadas por vírus são:

Gripe e resfriado comum

 

Embora causados por vírus diferentes, seus sintomas são semelhantes:

coriza, obstrução nasal, tosse e espirro; a febre geralmente só aparece

nos casos de gripe. Ambas as doenças são transmitidas por gotículas

eliminadas pelas vias respiratórias. Recomendam-se apenas repouso, boa

alimentação, ingestão de uma grande quantidade de líquidos e se

necessário, antitérmicos e descongestionantes. Se os sintomas

persistirem por mais de uma semana é necessário consultar um médico.

 

Sarampo, catapora, rubéola e caxumba

Estas doenças também são transmitidas por saliva (gotículas

eliminadas pela tosse, por exemplo), atacando geralmente crianças. O

doente deve ficar de cama, em isolamento e receber boa alimentação.

Deve ficar também sob orientação médica, para ser atendido prontamente

no caso de infecções bacterianas. A rubéola é perigosa quando contraída

por mulheres grávidas, pois o vírus pode provocar anomalias no embrião

(catarata, surdo - mudez e doenças cardíacas, entre outras).

Poliomielite

 

Embora na maioria das pessoas essa virose cause apenas febre e mal

estar, em alguns indivíduos ela pode atacar o sistema nervoso,

provocando paralisia. Uma vez instalada a doença, não há um

procedimento específico para curá-la, sendo feito apenas um tratamento

fisioterápico nos casos em que ocorre a paralisia, com o objetivo de melhorar a

condição muscular. Assim sendo, para evitar essa doença, é muito

importante que os pais vacinem os seus filhos na época recomendada pelo

médico.

Febre Amarela

 

É causada por um vírus e é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti,

provocando febre, vômito e lesões no fígado. A prevenção é feita por meio do combate ao mosquito e da vacinação.

Raiva ou hidrofilia

 

Essa doença, quase sempre fatal, ataca o sistema nervoso. É

transmitida por animais domésticos, principalmente o cão, sendo por

isso obrigatória a vacinação e o recolhimento dos animais soltos na rua.

Quando uma pessoa é mordida por qualquer animal deve lavar várias

vezes o local da ferida com água e sabão e aplicar um desinfetante. Se

houver suspeita que o animal está raivoso, procurar urgentemente o

hospital mais próximo o soro e vacina antirrábicos. Deve-se também

exigir que o proprietário apresente o atestado de vacinação do animal.

Hepatite A Vírus

É uma inflamação do fígado que pode ser causada também por outros

parasitas ou substâncias químicas. A transmissão ocorre por água e

alimentos contaminados, principalmente quando há falta de instalações

sanitárias adequadas, por transfusões de sangue contaminado, por

seringas e agulhas de injeção mal esterilizadas. A evolução costuma ser

benigna, mas a presença do médico é necessária e o doente deve ficar

isolado, em repouso com boa alimentação.

Dengue

Também é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Os principais

sintomas são: febre alta durante 3 dias, dores no corpo e nos olhos,

cansaço e falta de apetite, podendo haver também erupções na pele

semelhantes ao sarampo.

 

A dengue não tem tratamento específico, o doente deve ficar de repouso,

ingerir muitos líquidos e tomar medicamentos para a dor e febre (que

não contenham Ácido Acetil Salicílico). A prevenção é a mesma que a da

febre amarela.

 

Quem já teve dengue, mesmo que de forma assintomática, ou é portador de

doenças crônicas, como diabetes,  artrite reumatoide ou lupus está

sujeito a contrair a Dengue Hemorrágica. Ela é causada por outro vírus

e começa como a dengue, porém depois que a fase febril acaba, os

sintomas se agravam, ocorrendo queda da pressão arterial, hemorragias

na pele, intestino e gengivas, além do aumento do tamanho do fígado.

Caso não haja assistência médica, a doença pode levar o paciente à

morte em 10% dos casos.

 

AIDS

A síndrome da imunodeficiência adquirida é causada pelo vírus HIV, ou

vírus da imunodeficiência humana, que ataca células do sistema

imunológico, responsáveis pelo reconhecimento e combate dos agentes

estranhos (bactérias, vírus, etc.) que invadem o organismo. A principal

célula atacada é o linfócito T4. 

Devido à deficiência do sistema imunológico, os soropositivos estão

sujeitos a infecções por germes chamados oportunistas, que não causam

problemas a pessoas com saúde normal. Além disso, são mais propensos a

desenvolver alguns tipos raros de câncer, como o sarcoma de Kaposi.

Essas infecções terminam por debilitar a saúde do paciente e até mesmo

levá-lo a morte.

 

Ainda não há cura ou vacina para a AIDS. Nem todas as pessoas que

contraem o vírus HIV desenvolvem a doença, ela pode aparecer de forma

assintomática. Contudo, o portador assintomático pode transmitir a

doença para outras pessoas através do contato por sangue, sêmen ou

secreções vaginais. Isso ocorre pelo ato sexual, pela recepção de

sangue contaminado, pelo uso de seringas ou agulhas contaminadas, de

mãe para filho durante a vida uterina ou na hora do parto, ou ainda por

transplante de órgãos.

 

Para evitar o contágio, deve se usar a camisinha, não utilizar seringas

ou agulhas não esterilizadas e, se precisar de sangue ou fatores do

plasma, certifique-se que procede de bancos de sangue que fazem o teste

da AIDS. O grupo de risco inclui: heterossexuais, homossexuais,

bissexuais, usuários de drogas injetáveis e pessoas que necessitam de

transfusões de sangue ou fatores do plasma, como os hemofílicos.

Veja também:

10 macetes de Biologia para o Vestibular e Enem

Biologia e Ciências Biológicas

Esse artigo ajudou você? Conte para a gente aqui nos comentários!