Esse processo é denominado tradução. O código genético tem sido altamente conservado durante a evolução, e, com algumas poucas exceções, é o mesmo em bactérias, plantas e humanos.

Como a estrutura dos genes (seqüência de nucleotídeos na molécula de DNA) e o funcionamento destes (transcrição, ligação de aminoácidos e tradução) são basicamente iguais em todos os seres vivos, a retirada de um determinado gene de um organismo e sua introdução em outro organismo de espécie diferente torna-se possível.

Até há pouco tempo, a insulina necessária aos indivíduos diabéticos era extraída do pâncreas de porco. O gene que especifica a produção desse hormônio foi identificado, isolado e introduzido em bactérias. Essas bactérias transgênicas, isto é, que possuem um ou mais genes de outra espécie, passaram a produzir a insulina em escala industrial, com melhor qualidade e menor preço.

O Projeto Genoma que está sendo desenvolvido atualmente por diversos países, incluindo o Brasil, tem por objetivo identificar e localizar os genes humanos em seus respectivos cromossomos.

Com este conhecimento, será possível em um futuro próximo curar diversas doenças hereditárias, minimizar os riscos de rejeição em transplantes de órgãos, aumentar a produção de alimentos e melhorar sua qualidade e outros benefícios que hoje nem conseguimos imaginar.