Os povos indígenas que habitavam o Brasil antes da colonização

portuguesa não possuíam escrita; assim, não existem documentos escritos

que expliquem como eram essas comunidades antes do “descobrimento”,

conforme explicam Flávio de Campos e Renan Garcia Miranda:

A forma de tentar reconstituir a vida dos nativos antes da chegada dos

europeus é, por mais paradoxal que possa parecer, pelos relatos e

crônicas escritos por esses mesmos europeus no período colonial. Como os

povos indígenas da América portuguesa não desenvolveram a escrita, os

principais documentos a respeito de sua história foram elaborados pelos

conquistadores.

A partir de relatos dos descobridores e de estudiosos do período pode-se

concluir a forma com que os indígenas viviam como sociedade.

Sabe-se que os indígenas não tinham a mesma visão capitalista dos

europeus, haja vista que viviam em uma sociedade na qual não havia

desigualdades, tampouco disputa de poder. Andreza Pierin ressalta que:

Essas sociedades desenvolveram formas particulares de manejo dos

recursos naturais, que não visam diretamente o lucro, mas à reprodução

cultural e social, além de percepções e representações em relação ao

mundo natural, marcadas pela idéia de associação com a natureza e a

dependência de seus ciclos. Os índios pertencem a uma sociedade cujo fim

é a reprodução da solidariedade e não a acumulação de bens e lucro.

Portanto, estuda-se a forma de viver dos indígenas que habitavam o País

naquela época a partir de relatos de descobridores, como os trechos da

carta endereçada ao Rei D. Manuel escrita por Pero Vaz de Caminha:

Foram-se lá todos; e andaram entre eles. E segundo depois diziam, foram

bem uma légua e meia a uma povoação, em que haveria nove ou dez casas,

as quais diziam que eram tão compridas, cada uma, como esta nau

capitaina. E eram de madeira, e das ilhargas de tábuas, e cobertas de

palha, de razoável altura; e todas de um só espaço, sem repartição

alguma, tinham de dentro muitos esteios; e de esteio a esteio uma rede

atada com cabos em cada esteio, altas, em que dormiam. E de baixo, para

se aquentarem, faziam seus fogos. E tinha cada casa duas portas

pequenas, uma numa extremidade, e outra na oposta. E diziam que em cada

casa se recolhiam trinta ou quarenta pessoas, e que assim os

encontraram; e que lhes deram de comer dos alimentos que tinham, a saber

muito inhame, e outras sementes que na terra dá, que eles comem. E como

se fazia tarde fizeram-nos logo todos tornar; e não quiseram que lá

ficasse nenhum. E ainda, segundo diziam, queriam vir com eles.

Resgataram lá por cascavéis e outras coisinhas de pouco valor, que

levavam, papagaios vermelhos, muito grandes e formosos, e dois verdes

pequeninos, e carapuças de penas verdes, e um pano de penas de muitas

cores, espécie de tecido assaz belo, segundo Vossa Alteza todas estas

coisas verá, porque o Capitão vô-las há de mandar, segundo ele disse. E

com isto vieram; e nós tornamo-nos às naus.

O texto acima exposto de Pero Vaz de Caminha demonstra a simplicidade e

inocência dos povos indígenas.

Em consonância com a simplicidade e inocência colocadas por Pero Vaz de

Caminha, Luiz Donizete Benzi Grupioni destaca alguns dos valores mais

característicos das sociedades indígenas:

Sociedades indígenas são sociedades igualitárias, não estratificadas em

classes sociais e sem distinções entre possuidores dos meios de produção

e possuidores de força de trabalho. São sociedades que se reproduzem a

partir da posse coletiva da terra e dos recursos nela existentes e da

socialização do conhecimento básico indispensável à sobrevivência física

e ao equilíbrio sócio-cultural dos seus membros.

Deste modo, a partir dos ensinamentos de Luiz Donizete Benzi Grupioni,

pode-se concluir que os indígenas valorizavam a terra e não degradavam o

meio ambiente, haja vista que este era o meio de sobrevivência das

comunidades.

Boris Fausto exemplifica as atividades dos indígenas como sendo a caça, a

pesca, a coleta de frutos, a agricultura, bem como o artesanato, sendo

que todas estas atividades não eram em busca do lucro como nas

sociedades capitalistas, porém o autor não acredita que eles possuíam

consciência de proteger o meio ambiente. Todavia, afirma que:

De qualquer forma, não há dúvida de que, pelo alcance limitado de suas

atividades e pela tecnologia rudimentar de que dispunham, estavam longe

de produzir os efeitos devastadores da poluição de rios com mercúrio, ou

da derrubada de florestas com motosserras, características das

atividades dos brancos nos dias de hoje.

Verifica-se que os indígenas possuíam uma sociedade extremante diferente

da sociedade européia, sendo que esta chegou ao Brasil com o intuito de

obter riquezas e poder, enquanto que os indígenas somente utilizavam a

terra, a água e caçavam para a sobrevivência da espécie.

As conseqüências da conquista para os indígenas

A partir da chegada dos portugueses no Brasil, a vida dos indígenas foi

transformada. Além do cotidiano e dos costumes, começou a ser modificado

também o meio ambiente, como esclarece Carlos Frederico Marés de Souza

Filho:

Os europeus, especialmente os portugueses e espanhóis, chegaram na

América como se estivessem praticando a expansão de suas fronteiras

agrícolas. Foram chegando, extraindo as riquezas, devastando o solo e

substituindo a natureza por outra, mais conhecida e dominada por eles.

As populações locais viviam do que a aqui tinham, comiam milho ou

mandioca, produziam biju, ricas carnes de animais nativos, aves ou

peixes. Aos poucos foram introduzidas novas comidas, cabras, carneiros,

queijos e novas plantas, cana-de-açúcar, café e beterraba. A introdução

de novas essências não poupou nem mesmo as árvores e os frutos, a tal

ponto de se dizer que a natureza foi substituída.

Diferente do que muitos contam, os indígenas, assim como os negros,

foram escravizados. Darcy Ribeiro relata que eles eram caçados e

apropriados pelos senhores para os servirem. Enquanto que o negro era

utilizado para mão de obra mercantil e de exportação, o índio era

utilizado para transportar cargas, para cultivar gêneros, preparar

alimentos, para a caça e a pesca.

Desta forma o indígena passou a perder seu espaço e sua liberdade,

ficando cada vez mais dependente do “homem branco”, o que ficou ainda

mais marcado com a vinda dos Jesuítas, em meados do século XVI.