Não é exagero dizer que a redação é o bicho-papão do Enem. E não é para menos, afinal, ela vale de 0 a 1.000 pontos e é uma das cinco notas que formam o resultado final. E ninguém quer zerar, não é mesmo?

O que todos querem é se dar bem na redação. Por isso, preparamos este material para você, com várias dicas para redação do Enem.

Vamos conhecer algumas técnicas?

10 dicas para arrasar na redação do Enem

Redação é um tipo de trabalho que exige muitas habilidades: escrever corretamente, de forma coesa e coerente, conhecer gêneros textuais, saber usar recursos como conectivos, saber estruturar um texto, entre outras coisas.

É claro que nem todo mundo domina tudo isso, mas há formas de fazer uma boa redação seguindo um guia básico de técnicas para escrita. Apresentamos algumas a seguir.

1. Saiba o que é um texto dissertativo-argumentativo

A proposta de redação do Enem pede que o candidato crie um texto dissertativo-argumentativo. O principal objetivo desse tipo de texto é convencer ou persuadir o leitor, fazê-lo concordar com os seus argumentos.

Esse tipo de texto se organiza da seguinte forma:

  • Introdução: nesta seção o assunto é apresentado, assim como a tese que será defendida.

  • Desenvolvimento (2 ou 3 parágrafos): exploração das argumentações que suportam a tese defendida. Contra-argumentação, causa e consequências, e identificação de pontos positivos e negativos são alguns recursos utilizados no desenvolvimento.

  • Conclusão: proposta de intervenção ou solução do problema apresentado no texto.

2. Os textos de apoio servem como guia. Não copie trechos ou frases deles!

3. Elimine os erros básicos de seus textos — acentuação e ortografia, por exemplo. Peça para alguém ajudar você com isso. Os profissionais que corrigem o Enem analisam se os erros são recorrentes.

4. Pesquise e conheça as 5 competências avaliadas na redação do Enem:

  • Domínio da escrita formal da Língua Portuguesa

  • Compreensão da proposta da redação e desenvolvimento do tema na estrutura dissertativo-argumentativa

  • Seleção, relação, organização e interpretação de argumentos, fatos e opiniões para defender o ponto de vista

  • Conhecimento dos elementos linguísticos necessários ao desenvolvimento do texto dissertativo-argumentativo

  • Conclusão bem elaborada, apresentando intervenção ou solução para o problema abordado

5. Escrever também depende de treino! Escreva uma ou duas redações por semana e cronometre o tempo que leva para escrever, passar a limpo e revisar.

6. Planeje-se! Faça um brainstorm ou um esquema antes de começar a escrever, determinando as principais ideias a serem abordadas.

7. Exemplos concretos na argumentação são sempre bem-vindos e dão mais autoridade ao seu texto.

8. Utilize a norma padrão da língua portuguesa e não a linguagem coloquial. Descarte o uso de gírias, abreviaturas, clichês e elimine os vícios de linguagem.

9. Entenda os conceitos de coesão e coerência e aplique-os em sua escrita:

  • Coesão: é a conexão entre os elementos do texto pelo uso de conectivos, por exemplo.

  • Coerência: relação lógica entre palavras e frases, o que dá sentido ao texto.

10. Definição do problema: para facilitar a elaboração de sua tese, essas perguntas podem ajudar:

  • O que precisa ser feito?

  • De que forma deve ser feito?

  • Quais são as partes envolvidas?

  • Há exemplo que prove que a proposta funciona?

6 erros que devem ser evitados

Há alguns erros muito comuns na linguagem do dia a dia e que devem ser evitados. Ao aprender a identificá-los, você melhora a sua escrita não somente para a redação do Enem, mas para a vida acadêmica, profissional e até pessoal.

Conheça alguns deles:

1. Onde

A palavra “onde” sempre vai indicar um lugar ou uma localização. Caso não esteja se referindo a um lugar, utilize “em que”, “nas/os quais”, “na/o qual”.

Há situações onde devemos ficar calados. X

Há situações em que devemos ficar calados.

2. Onde / aonde

O “aonde” vai sempre indicar movimento, deve estar junto com um verbo de movimento.

Aonde você está? X | Onde você está?

Aonde você vai?

3. Haver / a ver

‘Haver’ é um verbo, com o mesmo sentido de existir. ‘A ver’ indica relação com algo.

Aquela roupa não tem nada haver com o meu estilo. X

Aquela roupa não tem nada a ver com o meu estilo.

4. Faz / fazem

O verbo fazer, quando indica tempo transcorrido ou fenômeno meteorológico, é usado sempre no singular.

Fazem cinco anos que trabalho aqui. X

Faz cinco anos que trabalho aqui.

5. “Há anos atrás”

nunca usar “há” e “atrás” na mesma frase, pois forma uma redundância – os dois termos indicam o pretérito.

O fato aconteceu há anos atrás. X

O fato aconteceu anos atrás.

O fato aconteceu há anos.

6. O uso de “e” no início de frases

Trata-se de um uso coloquial, portanto, evite-o ao criar seu texto.

E para finalizar, concluímos que… X

Para finalizar, concluímos que…

Há muitos casos em que cometemos esses erros e não nos damos conta. Eles podem parecer apenas detalhes, mas fazem toda a diferença em uma redação, principalmente se for a do Enem. Inclua isso em seu plano de estudos!

Onde estudar com a nota do Enem

A nota do Enem garante o acesso a universidades públicas e privadas por meio do Sisu e do Prouni. Mas algumas instituições possibilitam o acesso direto pela nota do Enem sem precisar fazer o vestibular. Veja alguns bons exemplos de boas faculdades reconhecidas pelo MEC:

Você também pode se interessar por:

Como usar a nota do Enem para entrar na faculdade

Confira 20 matérias do Enem que você não pode deixar passar

Gostou das nossas dicas? Está preparado para arrasar na redação do Enem? Conte pra gente nos comentários.