5) Mantenha-se rigorosamente “dentro” do tema.

Há um critério de avaliação de redações que, sem dúvida alguma, é considerado por qualquer banca examinadora como um dos mais importantes: a adequação ao tema proposto. Você deve, portanto, dedicar atenção especial à leitura do tema e da proposta de redação, a fim de adaptar-se perfeitamente a eles. Quer ver um exemplo de tema do qual é fácil fugir? Leia este, cobrado pela UEL: 

Os quadrinhos acima fazem referência a dois aspectos que vêm sendo destacados nas críticas ao telejornalismo no Brasil: por um lado, o pequeno espaço dedicado à informação e à crítica, substituídas pelo sensacionalismo; por outro, a aprovação dos telespectadores, que resulta em aumento de audiência. Em um texto de 20 a 25 linhas, exponha seu ponto de vista sobre as características do telejornalismo destacadas e sobre a atitude e o gosto dos telespectadores.

Essa proposta de redação abrigava uma pequena armadilha: muitos vestibulandos, ao notar nos quadrinhos uma crítica à televisão, não hesitaram em escrever sobre a baixa qualidade da programação televisiva em geral. Entretanto, como se pode perceber pela delimitação proposta no exercício, o candidato deveria opinar sobre “as características do telejornalismo destacadas”. Logo, críticas a programas de auditório e a novelas, como havia em tantas dissertações, constituiriam fuga ao tema.

6) Evite jargões.

Cuidado com frases e expressões desgastadas. Fuja das construções que, de tão repetidas pelas pessoas, tornaram-se fossilizadas. É importante que você demonstre na sua dissertação que tem senso crítico para discernir as idéias e frases “batidas” daquelas que não se desgastaram pela exaustiva repetição. Observe este exemplo:

A criança deve ser respeitada. Seus direitos são garantidos pela Carta Magna, que prevê respeito, educação, alimentação, dignidade e carinho a todas elas. Todos devem conscientizar-se de que a criança é o futuro do Brasil. É no sorriso da criança que vemos a esperança da nação.

Batido, hem? Frases como “A união faz a força”, “Só o amor constrói”, “Cada um deve fazer a sua parte”, etc. são dispensáveis na dissertação. Elas só demonstrarão que você é simplesmente mais um que repete, repete e repete construções desgastadas.

7) Evite as tautologias.

Tautologia é o reforço desnecessário de uma informação ou a repetição, na mesma frase, de uma idéia já expressa por uma sentença. Cuidado com ela! Observe este exemplo:

Obteve para o Brasil inúmeras vitórias, mas um grave acidente fatal o fez parar no auge de sua carreira. Com sua morte, outro piloto está defendendo a bandeira em seu lugar, mas os brasileiros não o aceitam da mesma forma.

Certamente você nunca viu um acidente fatal que não tenha sido grave. Então, para que escrever “grave acidente fatal”? Seria mais sensato escrever simplesmente “acidente fatal” ou “acidente grave”. As possibilidades de tautologia são infinitas: “elo de ligação”, “desenvolvimento progressivo”, “acabamento final”, “destaque excepcional”, etc. Capriche na revisão e evite-as.

8) Utilize exemplos e citações relevantes.

Sabemos que a exemplificação e a citação na dissertação são muito importantes para ilustrar as idéias discutidas. Entretanto, você só deve utilizar exemplos e menções realmente importantes e condizentes com o tema abordado. Se citar alguém, prefira uma pessoa cuja opinião seja importante para o assunto (o parecer de um sociólogo, por exemplo, é mais importante que o de um professor de Matemática se o assunto for “problemas sociais”).

Se utilizar exemplos, que sejam, de preferência, de abrangência estadual, nacional ou internacional e de importância comprovada para a ilustração das idéias. Se escrever sobre a violência no Brasil, por exemplo, será muito mais proveitoso mencionar exemplos que despertem a preocupação nacional do que aqueles que se restrinjam a um bairro de determinada cidade como neste exemplo:

E a violência não ocorre somente em localidades pobres. Na Rua Asciata, no município de Bons Ofícios, por exemplo, ocorreram vários assaltos e assassinatos no ano passado.