13) Evite a argumentação generalizadora e baseada no senso comum.

Para sustentar uma opinião, você deve, como já vimos, apresentar argumentos sólidos, racionais e convincentes. Por isso, fique longe da argumentação sem embasamento, fruto de puro “achismo”, respaldada somente no senso comum (conjunto de opiniões mantido por tradição entre a maioria das pessoas, que o aceitam acrítica e passivamente).

É própria do senso comum, por exemplo, a generalização equivocada, que é a atribuição de uma característica a toda uma classe a partir de pequeno exemplário (diferentemente do que se faz por meio do método indutivo de raciocínio, que é baseado em argumentação coerente). Cuidado ao escrever “todos”, “nenhum”, “sempre” e “nunca”! Será que realmente são todos? Nenhum mesmo? Sempre, sem exceção? Nunca, nem uma vez? Evite afirmações como esta:

Será muito difícil reverter a atual situação na política do Brasil, uma vez que os políticos só pensam em roubar e em atender a seus próprios interesses.

Ora. Nós sabemos que nem todos os políticos só pensam em roubar. Não é? É... Bom, seria melhor trocar “os políticos” por alguns políticos.

14) Não seja radical.

Você já deve estar cansado de ouvir o seu professor dizer que o equilíbrio é importante na dissertação. Então, deve saber que opiniões radicais são evitáveis na redação (aliás, não só na redação... na vida!). Confira o pessimismo deste aluno:

Como se pode notar, o Brasil não tem mais chance de retroceder. Já está tudo acabado, e só nos resta esperar a destruição total.

Certamente os corretores da prova que abrigava esse trecho não se sentiram nada esperançosos. Haja Prozac...

15) Cuidado com palavras duvidosas.

Só utilize palavras de cujo sentido você tenha a absoluta certeza! Se escolher uma palavra com a qual não esteja acostumado – que não conheça muito bem –, você corre o risco de expressar uma idéia bem diferente da desejada, como fez o autor deste trecho:

Para despertar a atenção do mundo a esse problema, a Conferência Internacional de Durban, na África do Sul, apresentou-se reivindicando, além dos fatores já citados, a falta da mobilização social. Muitas pessoas - inclusive algumas que acreditam viver em um país onde não há racismo - ainda se mantêm paralisadas em relação à discriminação racial.

A Conferência Internacional sobre Racismo, em Durban, obviamente não “reivindicou” a falta de mobilização social. Muito pelo contrário, seus integrantes criticaram-na. “Reivindicar” significa “pedir”, “exigir”, “solicitar”.