Estar bem informado. Esse é o segredo para fazer uma redação que

agrade à banca examinadora tanto dos vestibulares quanto do Enem. Na

opinião de professores de redação de cursinho, a leitura de jornais e

revistas é fundamental para o bom desempenho na temida redação.

Ninguém

duvida que há muito o que se observar para fazer um texto digno de uma

boa nota. Mas não adianta conhecer as regras gramaticais sem ter

argumento. O vestibulando precisa estar consciente de que é avaliado,

principalmente, pelo senso crítico e opinião, que só tem quem lê.

Temas

que obrigam o aluno a refletir e a se posicionar diante de questões em

voga no Brasil e no mundo são recorrentes nas provas de redação. Na que

seria a última do Enem, cancelada por causa de fraude, o candidato

teria que escrever sobre a valorização do idoso, apresentando

experiência ou proposta de ação social que respeitasse os direitos

humanos. Não foi à toa que cursinhos renomados apostaram na

implementação de aulas de atualidades.

– Essa é a grande questão dos professores de

redação. O jovem não está habituado a ler e, na época do vestibular,

sobra pouco tempo – observa a professora Josiana Fonseca.

Evitando

falar o clichê de que escreve bem quem lê, ela tenta convencer os

alunos com os textos revelados pelas universidades como referência,

após as provas. Todos evidenciam, segundo Josiana, que o aluno se

interessa por assuntos que vão além da colocação da crase.

Para

ampliar o vocabulário, a professora Marlene Costa sugere algo que pode

ser feito na praia ou deitado no sofá aos fins de semana, tanto quanto

a leitura de um livro: palavra-cruzada. Longe do compromisso de uma

sala de aula, o estudante acaba exercitando o conhecimento sem se dar

conta de que está estudando.

Atualidades para o Vestibular