O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foi criado para avaliar a qualidade do ensino e orientar a criação de políticas de educação no país, mas nos últimos anos tomou uma proporção bem maior. Usado em programas do governo federal, como o FIES, o Prouni, o Sisu e o Sisutec, o Enem é considerado “o maior vestibular do país”, com mais de 9,5 milhões de inscritos em 2014. E ter um bom desempenho no exame tornou-se tão importante que já existem cursinhos preparatórios específicos para ele. Em uma época em que os estudantes já têm tanta coisa para estudar (as provas normais da escola, o Enem e o vestibular), vale a pena fazer cursinho para o Enem?

Para decidir se você deve ou não se matricular em um cursinho para o Enem, é importante avaliar alguns aspectos:

- Como funciona o cursinho para o Enem

- Há quanto tempo você concluiu o ensino médio

- Qual o seu objetivo com a nota do Enem

Como funciona o cursinho para o Enem?

Apesar de ter um conteúdo parecido, o cursinho preparatório para o Enem é bem diferente das aulas do ensino médio. Isso porque o foco é desenvolver as competências exigidas no exame, que tem questões em quatro áreas do conhecimento, mais a prova de redação.

As áreas do conhecimento exigidas no Enem são:

- Ciências Humanas e suas Tecnologias (História, Sociologia, Geografia e Filosofia);

- Ciências da Natureza e suas Tecnologias (Física, Química e Biologia);

- Matemática e suas Tecnologias (Matemática); e

- Linguagens, Códigos e suas Tecnologias (Língua Portuguesa, Língua Estrangeira e Literatura).

No cursinho preparatório, em vez de estudar disciplinas isoladas, você vai ter exercícios e conteúdos interdisciplinares, ou seja, que combinam mais de uma matéria.

Com relação à Redação, o cursinho prepara os alunos para um tipo bem específico pedido no Enem: a redação dissertativo-argumentativa. Nela, é preciso desenvolver um tema, mostrar argumentos e apresentar uma solução para o problema proposto.

Vale lembrar que o cursinho não substitui as aulas do Ensino Médio, apenas prepara para o exame do Enem. Se você tem dificuldades com o conteúdo pedido no exame, aulas de reforço, supletivo e estudar em casa são alternativas mais indicadas.

Há quanto tempo você concluiu o ensino médio?

Alguns programas do governo, como o Sisu e o Prouni, exigem que o candidato tenha feito o Enem no ano anterior. Com isso, quem concluiu o ensino médio há mais tempo e não fez o Enem, ou fez o Enem há dois anos ou mais, precisa fazer o exame e ter uma boa nota para aumentar suas chances de conseguir uma vaga.

Se você concluiu o ensino médio há dois anos ou mais, pretende participar desses programas e está confortável com o conteúdo que sabe, mas tem dúvidas sobre a prova, vale a pena considerar um cursinho preparatório para o Enem.

Qual o seu objetivo com a nota do Enem?

O Enem pode servir para conseguir bolsas de estudo, financiamento e vagas em universidades públicas.

Para cada um desses programas, existem regras específicas com relação ao desempenho no Enem. Em alguns deles, quanto maior for a nota obtida no exame, maiores as chances de conseguir uma vaga, como no caso do Prouni, Sisu e Sisutec. Já para o FIES, a nota do Enem não é levada em consideração, basta apenas ter participado do exame.

  • Prouni: o Programa Universidade para Todos oferece bolsas de estudos parciais (50%) e integrais em universidades e faculdades particulares. Para selecionar os candidatos, usa a nota do Enem. É preciso ter feito o Enem do ano imediatamente anterior, com pelo menos 450 pontos na média das notas das provas do Exame e nota acima de zero na redação. Quanto maior a nota do Enem, maiores a chances de conseguir uma bolsa do Prouni. As inscrições abrem duas vezes por ano, no primeiro e no segundo semestre.
  • Sisu: o Sistema de Seleção Unificada classifica candidatos a vagas em universidades públicas usando a nota do Enem. Quanto maior a nota, maiores a chances de conseguir uma boa colocação. Podem participar do Sisu candidatos que tenham feito o Enem no ano anterior e que tenham obtido nota maior que zero na redação. O Sisu tem inscrições duas vezes por ano: no primeiro e no segundo semestre.
  • Sisutec: O Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica funciona como o Sisu, mas as vagas são para cursos gratuitos de nível técnico. Para participar, é necessário ter feito o Enem do ano anterior e ter obtido nota maior que zero na redação. As inscrições também ocorrem duas vezes por ano e quanto maior a nota obtida no Enem, maior a chance de conseguir uma vaga.
  • FIES: o Fundo de Financiamento Estudantil é um programa que concede empréstimo a juros mais baixos (3,4% ao ano) para estudantes em universidades particulares. O FIES exige o Enem somente para quem concluiu o ensino médio a partir de 2010, mas não determina uma nota mínima. As inscrições podem ser feitas em qualquer época do ano.
Quem pretende obter o certificado do ensino médio usando a nota do Enem deve ficar atento aos requisitos. Além de marcar essa opção no momento da inscrição, o candidato precisa ter pelo menos 18 anos completos até a data da primeira prova e obter pelo menos 450 pontos em cada uma das áreas do conhecimento avaliadas pelo Enem e pelo menos 500 pontos na prova de Redação. Se você nunca fez uma prova do Enem antes e está inseguro quanto ao modelo aplicado, o cursinho preparatório pode ajudá-lo.

Conclusão: Quando vale a pena fazer cursinho preparatório para o Enem

Dependendo do seu objetivo, o acerto de mais algumas questões pode definir sua entrada na faculdade. Para quem não vai fazer o vestibular e quer tentar uma vaga no Prouni ou Sisu em cursos muito concorridos, o cursinho preparatório pode ser uma boa ajuda extra.

Já para estudantes que ainda estão no ensino médio e se preparando para o vestibular, é preciso avaliar bem se o cursinho preparatório para o Enem vai valer a pena. Uma rotina de estudos sobrecarregada demais, com cursinho pré-vestibular, cursinho do Enem, as aulas regulares, além de aumentar o tempo gasto com deslocamentos, pode causar estresse e prejudicar o seu desempenho no exame.

E você, já fez cursinho preparatório para o Enem? Acha que vale a pena? Conte para a gente aqui nos comentários.