Era uma casa muito engraçada não tinha teto não

tinha nada...A música de Vinícius de Moraes é engraçadinha e fácil de

cantar.

Agora, vai desenhar o que diz a letra. Coisa de maluco? Não,

não. O verso foi tema de uma das provas de habilidade específica de

Arquitetura na Universidade de Brasília (UnB). Temas esdrúxulos e que

testam a criatividade dos estudantes são corriqueiros nesse tipo de

avaliação.

Portanto, quem quiser prestar vestibular para Desenho

Industrial, Artes Cênicas, Artes Plásticas, Música ou Arquitetura não

pode se preocupar apenas com as disciplinas convencionais.

Pré-requisito para conquistar vaga nessas faculdades é ser considerado

apto nas provas específicas dos cursos.

O Ministério da Educação (MEC)

recomenda que se aplique uma pré-prova para testar o talento específico

dos candidatos. No último vestibular para Arquitetura da UnB, por

exemplo, a cada 100 concorrentes a uma vaga, 60 não foram aprovados.

Esses estudantes optaram por uma segunda alternativa de curso, a que

tem direito no ato da inscrição.

Sina de Iara Umbelino Pereira, 17

anos. O próximo vestibular será o terceiro que ela tenta passar em

Desenho Industrial. Boas notas em matemática, português, história e

geografia. O bicho pega na hora do desenho. ‘‘Gosto e sei desenhar. O

problema é que muitas vezes a gente não apresenta uma solução que os

professores esperam’’, lamenta.

Apesar das decepções, ela não

pretende desistir do sonho de ser designer de carros e objetos de

decoração. Nas tardes de terça-feira, Iara faz curso de desenho e

risca-esboça-planeja-apaga e faz tudo de novo até ficar direitinho. Em

casa, a estudante já ataca de designer de interiores. Faz armários,

cortinas, quadros e pulseiras de papel.

‘‘As profissões criativas exigem

talento. As provas são uma tentativa de selecionar essas pessoas’’,

avisa o coordenador de habilidade específica em Arquitetura da UnB,

Kristian Schiel. A prova não testa apenas a capacidade de traços

precisos, mas também a capacidade de entendimento a partir da linguagem

do desenho.

A mesma lógica vale para as

provas de habilidade específicas do Instituto de Artes. A avaliação

desses cursos é dividida em uma prova prática de música, artes cênicas

ou plástica e uma avaliação teórica. Em música, por exemplo, o

candidato deve tocar algum instrumento em duas situações distintas. Em

uma, o estudante pode escolher a música, na outra, o repertório será

proposto pela banca examinadora. Foi a segunda cobrança que derrubou

Flávio Teixeira, 26 anos. Desde os 12, ele toca piano clássico.

Aprendeu com a mãe pianista. Flávio não passou na prova e desistiu de

ser músico. Agora, faz Relações Internacionais e toca MPB nas horas

vagas.

<!--


-->

<!--


-->

<!--


-->

<!--


-->

Perfil das provas

<!--

-->

<!--

-->

<!--

-->

DESENHO INDUSTRIAL E ARQUITETURA

A

prova avalia o desenho a mão livre, ou seja, nada de réguas ou

esquadro. O estudante deve demonstrar percepção espacial de objetos e

ambientes e saber reproduzir proporções e perspectivas em duas ou três

dimensões. As questões de Arquitetura são de quatro tipos para as

provas da UnB: observação, desenho de memória, desenho de imaginação e

raciocínio espacial. O Centro de Documentação da Escola de Arquitetura

da UnB disponibiliza todas as provas de habilidade específica dos

últimos cinco semestres. Dar uma olhada nessas provas pode ser uma boa

maneira de se preparar

MÚSICA

Essa avaliação é

dividida em três etapas. No primeiro dia, o aluno responde a uma prova

dissertativa em que deve demonstrar noções básicas de história da

música, solfejo, ritmo e percepção. No segundo dia, o candidato tem que

comprovar habilidade prática com o instrumento. O repertório inclui

duas músicas, uma de livre escolha e a outra proposta pela banca

examinadora. Há ainda uma entrevista para sondar o nível de proximidade

do candidato com a música e o instrumento que ele toca.

ARTES CÊNICAS

O candidato

passa por uma prova dissertativa em que tem que responder algumas

questões relacionadas ao teatro. A prova prática se divide em uma

entrevista com o aluno e a apresentação de um trabalho cênico de no

máximo cinco minutos. O candidato tem que estar atualizado com a

produção teatral contemporânea, ter domínio de linguagem, princípios

básicos da interpretação e estar com o texto bem ensaiado

ARTES PLÁSTICAS

Essa prova

também é dividida em parte prática e discursiva. O candidato terá que

provar habilidade em colagem, desenho ou pintura em duas ou três

dimensões. A parte teórica consiste em fazer uma reflexão escrita sobre

o que foi produzido. Também é feita uma entrevista com apresentação de

portfólio de trabalhos produzidos pelo aluno nos últimos tempos. Uma

dica para se sair bem nessa seleção é conhecer História da Arte e estar

por dentro das exposições de arte contemporânea