O FIES é o programa de financiamento estudantil do Governo Federal brasileiro.

Com juros mais baixos do que aqueles praticados no mercado, o FIES é uma mão na roda para quem sonha com um diploma de nível superior, mas não conseguiu passar em uma universidade pública e não tem condições financeiras de cursar uma faculdade particular.

O FIES já beneficiou cerca de 2 milhões de estudantes e faz parte de uma série de iniciativas do governo para facilitar o acesso ao ensino superior. Além dos juros baixos, outra grande vantagem do programa é o prazo estendido para pagar a dívida, que só começa a contar depois da formatura.

Desde 2015, as regras do FIES vêm mudando bastante. Agora há um limite de vagas e por isso, além de cumprir os requisitos de participação, o interessado precisa passar por um processo seletivo que usa a nota do Enem para classificar os candidatos. Os limites de renda familiar e prazo de carência também sofreram reformulações, que valem a partir de 2018.

Se você tem dúvidas sobre como funciona o pagamento do FIES, confira as perguntas e respostas a seguir!

Quanto custa a inscrição do FIES?

As inscrições para o FIES são gratuitas e devem ser feitas somente no portal oficial do processo seletivo, o FIES Seleção.

A cobrança de qualquer tipo de taxa de inscrição, seja por instituições ou pessoas, é proibida! O processo é simples e totalmente informatizado.

Como funciona o FIES?

O FIES é um financiamento estudantil. Na prática, o estudante recebe uma ajuda para pagar a faculdade e, no prazo previsto no contrato, deve devolver esse valor para quitar a dívida. No FIES, os juros são mais baixos do que os cobrados no mercado e o prazo para quitação é longo.

A partir de 2018, o governo federal irá implantar três tipos diferentes de FIES:

  1. Financiamento com juro zero para quem tem renda familiar bruta mensal de até 3 salários mínimos por pessoa, bancado por recursos públicos.
  2. Financiamento a juros baixos para quem tem renda familiar bruta mensal de até 5 salários mínimos por pessoa bancado por fundos regionais do Norte, Nordeste e Centro Oeste.
  3. Financiamento a juros baixos para quem tem renda familiar bruta mensal de até 5 salários mínimos, bancados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) e por fundos regionais de desenvolvimento do Norte, Nordeste e Centro Oeste.

O FIES deposita dinheiro na conta do estudante para pagar a mensalidade da faculdade?

Não. Apesar de funcionar como um empréstimo - com contrato, juros e prazo de pagamento, o  FIES não deposita nenhum dinheiro na conta do estudante. O valor financiado é repassado diretamente para a universidade.

Precisa pagar o FIES enquanto estiver estudando?

Sim, enquanto estiver matriculado no curso financiado o estudante precisa pagar o valor referente aos juros do financiamento.

As parcelas são trimestrais e têm um teto.

Precisa pagar o FIES logo que se formar?

Depende. Nos contratos firmados até 2017, ao se formar no curso o estudante que conseguiu o FIES entra no chamado período de carência. Durante um ano e meio, deverá pagar apenas as parcelas trimestrais referentes aos juros. Assim, pode se organizar financeiramente para começar a quitar a dívida na fase seguinte.

A partir de 2018, a regra é modificada. O estudante vai ter a parcela da dívida do FIES descontada automaticamente do salário, assim que conseguir emprego. Consulte o edital do FIES do qual você pretende participar para saber os detalhes.

Quando começa o pagamento da dívida do FIES?

O pagamento da dívida do FIES começa depois da formatura. Dependendo de quando o estudante assinou o contrato do FIES, esse pagamento pode ou não ter um período de carência. O ideal é consultar o contrato, caso já tenha o FIES, ou o edital do processo seletivo, caso ainda esteja concorrendo a uma vaga.

Quanto custa o FIES?

O estudante que consegue o FIES tem dois tipos de pagamentos a fazer:

  • Parcelas trimestrais: são referentes aos juros do financiamento e têm o valor máximo definido no edital de cada edição. Essas parcelas devem  ser pagas durante todo o curso financiado e até um ano e meio após a formatura.
  • Parcelas mensais: começam a ser pagas após a formatura e o valor vai depender de fatores como: duração do curso financiado, mensalidade, renda do estudante, valor financiado, etc. Cada contrato é único e, caso seja selecionado, você terá acesso a todos os valores exatos.

Qual o prazo de pagamento do FIES?

Ao terminar o prazo de carência, quem conseguiu o FIES terá vários anos para quitar a dívida. Para saber exatamente em quanto tempo você poderá quitar o FIES, consulte o edital da edição da qual pretende participar.

Quais cursos podem ser financiados pelo FIES?

Apenas os cursos participantes do Programa, oferecidos por faculdades bem avaliadas pelo MEC e com vagas disponíveis no sistema do FIES Seleção podem ser financiados.

Para saber se o curso em que você está interessado pode ser financiado pelo FIES, consulte o site do FIES Seleção durante o período de inscrições.

Quem pode participar do FIES?

A partir de 2015, todo estudante que quiser pedir o FIES precisa passar por um processo seletivo. Pode participar da seleção do FIES quem:

  • Não tenha concluído um curso superior.
  • Tenha renda familiar bruta mensal de até três salários mínimos por pessoa.
  • Tenha participado de alguma das edições do Enem a partir de 2010 com pelo menos 450 pontos na média das provas objetivas e não tenha zerado na redação.

A partir de 2018, o FIES passa a valer também para candidatos com renda familiar bruta mensal de até 5 salários mínimos por pessoa.

Faculdades que participam do FIES

Confira algumas instituições reconhecidas e bem avaliadas pelo MEC que costumam participar do FIES:

Veja também:

Guia rápido do FIES

Ficou mais claro como funciona o pagamento do FIES? Gostou das dicas? Deixe seu comentário aqui!