O FIES é um dos mais importantes programas de acesso ao ensino superior do Brasil. Criado pelo Governo Federal em 1999, já beneficiou cerca de dois milhões de estudantes com financiamento estudantil a juros baixos.

Ao longo dos anos, o FIES foi sofrendo algumas modificações. E partir de 2015, as regras mudaram bastante: os juros aumentaram de 3,4% ao ano para 6,5% ao ano (mas ainda assim estão bem abaixo dos juros cobrados em empréstimos privados), o número de novos contratos foi limitado e aumentaram as exigências para os estudantes que pretendem fazer o FIES para pagar a faculdade, entre outras restrições.

Devido a todas essas mudanças, que estão sendo divulgadas aos poucos pelo MEC e ainda não estão totalmente definidas, muita gente está em dúvida se vai ou não poder pedir o FIES.

Preparamos o material a seguir com tudo o que já se sabe sobre quem pode e quem não pode fazer o FIES. Tire suas dúvidas agora mesmo!

Quem pode fazer o FIES?

Veja as 4 principais exigências que você precisa cumprir para fazer o FIES:

1. Quem ainda não tem um diploma de nível superior

A partir do segundo semestre de 2015, que já tiver concluído uma faculdade não poderá pedir o FIES. O Financiamento Estudantil do Governo Federal só poderá ser solicitado por estudantes que ainda não tenham um diploma de nível superior.

2. Quem atingiu a nota mínima no Enem

No primeiro semestre de 2015 o MEC passou a exigir um desempenho mínimo no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para pedir o FIES: 450 pontos nas provas objetivas e nota maior do que zero na redação. A regra vale para quem concluiu o ensino médio a partir de 2010.

Professores efetivos da rede pública de ensino solicitando o FIES para pagar cursos de licenciatura, normal superior ou pedagogia estão dispensados da exigência de apresentar a nota do Enem.

3. Quem comprovar renda familiar dentro do estabelecido

Até o primeiro semestre de 2015, o FIES era concedido para estudantes com renda familiar bruta mensal de até 20 salários mínimos. Embora ainda não tenha divulgado oficialmente o novo critério, o Ministério da Educação já sinalizou que esse cálculo será diferente.

A partir do segundo semestre de 2015, poderá pedir o FIES quem tiver renda familiar de no máximo 2,5 salários mínimos por pessoa.

4. Estudantes das graduações e regiões prioritárias

O MEC anunciou que vai priorizar o financiamento para estudantes que se encaixem nos seguintes critérios:

  • Cursos prioritários: haverá mais vagas para cursos relacionados às carreiras de engenharia, áreas da saúde e formação de professores (pedagogia, normal superior e licenciaturas).
  • Regiões prioritárias: as regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste (excluindo o Distrito Federal) terão prioridade na distribuição de vagas do FIES.
  • Qualidade do curso: quanto mais alta a nota do curso no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), maior será a quantidade de vagas no FIES. Cursos com nota 5 terão prioridade, seguidos dos cursos com notas 4 e, por fim, nota 3. Algumas das faculdades participantes do FIES com cursos nota 5 são:

Isso não significa que estudantes de cursos e regiões fora da lista de prioridades não podem pedir o FIES. O MEC garantiu que vai continuar a atender estudantes de todos os estados brasileiros, mas que irá privilegiar os cursos e regiões citados.

Quem não pode fazer o FIES?

As regras do novo FIES ainda não foram completamente definidas. Por isso, pode ser que o MEC crie novas restrições para pedir o Financiamento Estudantil. Por enquanto, o que se sabe é que os estudantes que se encaixarem em algum dos casos a seguir não podem fazer o FIES:

  • Tenha diploma de nível superior.
  • Esteja em situação de trancamento geral de disciplinas (matrícula trancada) no momento da inscrição.
  • Já tenha sido beneficiado com financiamento do FIES.
  • Esteja inadimplente com o Programa de Crédito Educativo (PCE/CREDUC).
  • Possua renda familiar bruta mensal de mais de 2,5 salários mínimos por pessoa.

Como funciona o FIES?

O FIES é um programa do Governo Federal que oferece financiamento estudantil a juros baixos para estudantes de baixa renda. O FIES paga a mensalidade da faculdade (ou uma parte dela) e o estudante só precisa começar a pagar a dívida depois de formado. Enquanto estiver estudando, paga apenas parcelas trimestrais referentes aos juros do financiamento.

A inscrição é gratuita e acontece duas vezes por ano, em datas divulgadas pelo MEC.

Veja também:

Como usar o FIES para pagar a faculdade

Você se encaixa nos critérios para pedir o FIES? Vai tentar o financiamento este semestre? Conte para a gente aqui nos comentários!