Luísa sempre estudou em escolas públicas e atribui seu sucesso à dedicação (Foto: João Bittar)

Luísa Lima Castro, 18 anos, aproveitou a viagem de avião de Belo Horizonte a Brasília para colocar em dia algumas matérias que cairão na segunda fase do vestibular de medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em janeiro.

A estudante, que obteve a primeira colocação no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano, está na capital para participar da solenidade de lançamento das ações complementares ao Plano de Desenvolvimento da Educação (PDE), esta manhã, no Palácio do Planalto.

Estudar é prioridade absoluta na vida de Luísa, que teve 100% de aproveitamento no Enem, tanto nas questões objetivas quanto na redação. Ela ficará apenas dois dias em Brasília, mas pretende reservar um tempo para os estudos.

A dedicação já rendeu outras viagens à mineira de Belo Horizonte. Algumas, para apresentar trabalhos desenvolvidos quando estudava no Centro Federal de Educação Profissional e Tecnológica (Cefet) de Minas Gerais, onde cursou o nível médio. “Às vezes, peço que ela pare um pouco e a levo para dar uma volta”, diz Vânia, mãe da estudante.

Por trás de tanta dedicação, Luísa tem ideais nobres. “Quero ser uma pesquisadora e descobrir uma coisa muito importante”, revela. Freqüentadora da Igreja Presbiteriana, ela vê nos estudos uma oportunidade de ajudar o próximo. “Não quero fazer nada para ficar famosa, mas para ajudar mesmo”, conta.

A família, muito religiosa, incentivou a jovem nos estudos, mas não houve cobrança. “Ela mesma se impôs uma meta de conseguir 95% de aproveitamento nas disciplinas do nível médio. E conseguiu”, conta a  mãe.

A jovem já passou na primeira fase do vestibular de medicina da UFMG e está estudando para a segunda. Vinda de família humilde, ela  está inscrita no Programa Universidade para Todos (ProUni). “Nós não somos de classe média. Somos de classe baixa mesmo”, revela, referindo-se à família, que tem o clube de futebol Atlético Mineiro como paixão.

Luísa atribui seu sucesso nos estudos a Deus e à dedicação. “Estudo em média sete horas por dia depois que saio do cursinho. Não sou mais inteligente do que ninguém”, garante. Para os jovens que não gostam de estudar, a jovem aconselha: “É preciso estudar hoje para conseguir algo no futuro”.