O curso de Direito do campus Curitiba da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) não figura mais na lista do Ministério da Educação (MEC) que exigia ajustes e possível redução de vagas.

O curso entrou na lista depois do resultado do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) de 2006 mostrar notas dos alunos muito baixas.

De uma escala de um a cinco, a nota dos futuros bacharéis em Direito foi dois. O resultado do Enade 2006 foi divulgado no ano passado e, desde então, o curso de Direito do campus Curitiba passou a integrar um processo de supervisão que é feito pelo MEC.

Porém, a Secretaria de Educação Superior do MEC considerou que o desempenho dos estudantes foi baixo devido a um número grande de boicotes à prova.

Depois do resultado do Enade, que considerou o curso como “insuficiente”, o MEC enviou à PUCPR uma comissão para avaliar a situação. A comissão esteve em Curitiba em fevereiro deste ano e analisou toda a estrutura do curso, como bibliotecas, titulações, corpo docente, Núcleo de Práticas Jurídicas, projeto pedagógico, infra-estrutura, entre outros pontos.

Como explica o pró-reitor de Graduação e Pesquisa da PUCPR, Robert Burnett, uma vez entendido que houve boicote, a comissão chegou à conclusão de que tudo se tratou de um equívoco.

“A comissão disse que não tem mais nada a observar sobre o nosso caso, que o curso de Direito está totalmente de acordo. Isso já era esperado, pois nos campi de Londrina e São José dos Pinhais a nota dos estudantes de Direito foi três e quatro, muito boa”, comentou Burnett.

O pró-reitor fez algumas considerações a respeito do Enade. Segundo ele, a sociedade deve considerar diversos indicadores para a avaliação de um curso, e não somente o Enade.

“O Enade avalia apenas o conhecimento dos alunos, que muitas vezes não se comprometem em responder adequadamente o exame ou nem mesmo fazem a prova, apenas comparecem. A USP e a Unicamp não participam do Enade”, comentou. No último exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), a PUCPR aprovou 43,71% dos inscritos (incluindo os estudantes dos campi Curitiba, São José e Londrina).