Hoje, das 6h às 23h59, é o último dia da primeira de três etapas para

que os 2,6 milhões de estudantes que realizaram o Exame Nacional do

Ensino Médio (Enem) possam entrar no Sistema de Seleção Unificada

(Sisu) para trocar de curso ou realizar a inscrição em uma das 51

instituições que adotaram a prova como forma de seleção.

Até as 20h30

de ontem, 850 mil estudantes entraram no sistema pelo menos uma vez,

mas apenas 632 mil realizaram a inscrição, ou seja, menos de um quarto

dos candidatos do Enem. Essa baixa procura pode ocorrer devido ao

problema que muitos alunos estão encontrando para acessar o site.

Alguns deixaram para o último dia, ou até mesmo desistiram de concorrer

a uma vaga, por causa da lentidão e das mensagens de erro no sistema.

O

estudante Igor Silva Lima, 17 anos, se inscreveu para uma vaga no curso

de ciências biológicas da Universidade Federal do Estado do Rio de

Janeiro (UniRio). Mas ele conta que, apesar de o site explicar bem como

funciona o sistema, o problema foi ter paciência para aguentar as

mensagens de erro que apareciam constantemente. “Eu demorei mais de uma

hora para conseguir finalizar o processo.

A todo instante, o sistema

caía ou dava erro e eu tinha que voltar alguns passos. Acredito que

isso fez com que muitos alunos tenham desistido ou esperado o último

dia para ver se melhorava o problema”, conta. Aguardar até a última

hora foi a opção de Júlia de Amorim, 17 anos, que tenta uma vaga no

curso de fisioterapia na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

“Meus amigos me falaram que estava difícil acessar o sistema, então eu

achei melhor esperar um pouco e ver se melhora”, explica.

Porém, de

acordo com a assessoria do Ministério da Educação (MEC), essa não é a

justificativa para o resultado do número de inscrições. Como destacou,

a expectativa de total de pessoas inscritas em um dos 974 cursos

oferecidos é de 800 mil estudantes. “Nesses 2,6 milhões de inscritos,

tem gente que faz a prova apenas para testar, outros miram uma bolsa no

Prouni (Programa Universidade para Todos), que será lançado até o fim

desta semana. E há aqueles que sabem que não têm nota suficiente para

conquistar uma vaga. Então, se o sistema chegar a 800 mil vagas, já

será espetacular”, afirmou a assessoria do órgão, por meio de nota.

Consulta Para ajudar na escolha do curso, o MEC lançou ontem uma nova

forma de consulta. Ao acessar a página do Sisu, o candidato poderá,

antes de fazer o login e informar a senha, consultar o número de

inscritos por curso, a relação candidato-vaga, a maior nota entre os

inscritos e a nota de corte, que é atualizada ao fim de cada dia, entre

as 23h59 e as 6h.

“A nova modalidade de consulta foi implantada para

auxiliar os candidatos no momento da escolha do curso nos últimos dias

de inscrição da primeira etapa”, explica nota divulgada pelo MEC. Os

alunos que não conseguirem entrar nesta etapa terão mais duas chances.

De 15 a 20 de fevereiro, o MEC iniciará a segunda parte do processo,

que consiste em ocupar as vagas que não foram preenchidas. Acontecerá

também uma terceira etapa, semelhante à segunda, e que está marcada

entre 1º e 3 de março.

Democratização das vagas públicas Qual avaliação

o senhor faz do Enem? O balanço é positivo no sentido de que o Enem foi

aplicado dentro das condições de segurança exigidas para um prova desse

tipo. Os resultados foram divulgados e esta semana os alunos estão

entrando no sistema para fazer suas escolhas em relação aos cursos.

Estamos vendo um novo panorama em relação à questão de como as vagas

públicas estão sendo distribuídas. Como o Inep avalia a mobilidade dos

estudantes pelo país? Por exemplo, o estudante que sai de Brasília para

cursar uma faculdade no Nordeste…

O que nós estamos vivendo no momento

é a democratização das vagas públicas. Um estudante que mora em

determinado local do país pode disputar as vagas das universidades

públicas de qualquer outro lugar sem ter que comprar passagem e pagar

diária de hotel. Isso viabiliza que os estudantes possam disputar as

vagas públicas disponíveis em todo o país. As grandes universidades

devem aderir ao Enem a partir da próxima edição? Ao verem o grande

avanço que ocorreu este ano, a tendência é que todas as universidades

venham a aceitar o Enem como forma de ingresso.