Com as mudanças propostas pelo Ministério da Educação (MEC) para o

Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deste ano, ler jornais e revistas

tornou-se tão importante quanto estudar por meio de apostilas e livros

didáticos. Uma das principais exigências é que o aluno seja capaz de

entender o conteúdo do ensino médio de forma interdisciplinar e

contextualizada com os acontecimentos da atualidade. Além disso,

elementos previstos para o exame – gráficos, charges e tabelas – são

encontrados com frequência nas páginas de jornais.

A

supervisora da Escola São Domingos, Maria de Fátima Fafá Pinto, sugere

que o estudante procure os temas de maior interesse nos jornais

on-line, pela agilidade, e complemente a informação com jornais

impressos e revistas. "Oriento sempre os alunos que leiam o mesmo tema

em jornais e revistas diferentes para terem acesso a diversos pontos de

vista", aconselha.

Mas o professor da Faesa Hélio Rosetti Júnior sugere cuidado com os

textos da internet. Embora a web seja uma fonte quase infinita de

informações, nem sempre os conteúdos são confiáveis. Para evitar

transtornos, vale a pena procurar sites tradicionais.

Bons argumentos

Criatividade, visão crítica e conhecimento sobre os temas da atualidade

é o que a redação do Enem vai exigir dos alunos. Para conquistar uma

boa nota, é preciso defender um ponto de vista e usar bons argumentos.

O professor Calimério de Almeida lista os principais erros e acertos

dos estudantes. Segundo ele, é preciso ser claro e objetivo, evitar

repetir as ideias que são "batidas" e escrever com letra legível.

Detalhes simples, como usar todo o espaço da linha, podem fazer a

diferença.

Na prova, é importante evitar opiniões que firam os direitos humanos ou

que sejam preconceituosas. "A argumentação deve ser pautada na

realidade. No trabalho com a linguagem, evite gírias, problemas de

concordância e de estruturação das frases para que o corretor consiga

compreender as ideias expostas."

O uso da reforma ortográfica não é obrigatório, mas o texto deve ser

uniforme. O estudante não deve misturar termos do novo e do velho

vocabulário.

Ela estuda 14 horas por dia e lê jornais

Estudar é coisa séria para Mariana Paiva Frizzera, de 17 anos. Quando

ela estava no segundo ano do ensino médio tentou o Enem e conseguiu

acertar 70% da prova objetiva e 93% da redação. Neste ano, ela se

dedica ainda mais, porque sabe que a classificação no vestibular vai

depender da nota. Em busca de uma vaga no curso de Direito, estuda

cerca de 14 horas por dia e conta com a ajuda de professores

particulares nas áreas de Matemática, Química e Física. Além disso, faz

curso de História, nos finais de semana. Mas quem pensa que a estudante

passa todo o tempo só cercada de livros se engana. Para ter um bom

resultado no novo exame, ela também lê jornais, revistas, faz

exercícios envolvendo raciocínio lógico, interpretação de gráficos,

mapas e outras imagens. "Sempre me cobrei muito em relação aos estudos.

Até gostei das mudanças no Enem", diz. Na reta final para a prova,

Mariana aproveita para fazer simulados e as provas de exames anteriores.

Sobre o exame

Data. As inscrições do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) podem ser

feitas até o dia 17 de julho, pela página eletrônica

(http://enem.inep.gov.br/ inscricao)

Valor. A taxa é de R$ 35,00. O pagamento poderá ser feito em qualquer agência bancária

Provas. O exame será realizado nos dias 3 e 4 de outubro. No primeiro

dia, serão aplicadas provas de Ciências da Natureza e de Ciências

Humanas, das 13h às 17h30. No segundo, de Matemática, Linguagens e de

Redação, das 13h às 18h30

Questões. A prova terá 180 questões objetivas e uma redação, sendo 45 para cada área de conhecimento

Resultado. A nota da prova objetiva será divulgada dia 4 de dezembro.

Já a nota final, com redação, a partir da segunda quinzena de janeiro

Universidades. A nota objetiva do Enem vai substituir a primeira etapa

do vestibular da Ufes e será usada no processo seletivo da maioria das

universidades federais

Inscrições

6 milhões previstas

Esse era o número de candidatos inicialmente previsto no Enem 2009, de acordo com o Inep.

2,5 milhões até ontem

Essa era a quantidade de inscrições registradas até a semana passada, de acordo com o instituto.

62 mil do Estado

Esse era o número de inscrições feitas por estudantes do Espírito Santo até semana passada.