Bolsistas do Programa Universidade para Todos (ProUni)

com direito à auxílio permanência no valor de R$ 300 mensais estão

esperando de três a quatro meses, todos os semestres, para receber o

dinheiro. O auxílio é dado a alunos carentes de cursos com carga

horária elevada (acima de 6 horas/dia), como Medicina. O objetivo é

pagar gastos com moradia, alimentação, transporte, livros e assim

permitir que estudantes de baixa renda terminem a faculdade.

Para

suprir a falta de recursos, alunos fazem empréstimo em banco ou

recorrem a amigos e familiares. Neste ano, o primeiro pagamento do

auxílio permanência foi feito na semana passada - referente aos meses

de fevereiro, março e abril. Segundo o Ministério da Educação, o atraso

acontece porque os repasses são feitos na mesma data para todos os

bolsistas do País após todas as faculdades terminarem o vestibular.

Ou

seja, mesmo quem já estava no programa e cursa o 2º ou 3º ano, não pode

receber o dinheiro enquanto não houver uma lista final de todos os

novos ingressantes. O ProUni dá bolsa integral e parcial em

instituições particulares para alunos com renda familiar de até 3

salários mínimos. O MEC diz que pretende mudar o sistema para que os

depósitos sejam feitos sem atraso a partir do próximo semestre.