A nova prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é muito fácil, o

que pode impedir uma avaliação mais criteriosa dos candidatos que

disputam uma vaga para o Ensino Superior. Esta é a opinião de

professores do Ensino Médio e cursinhos, após análise do simulado com

40 questões divulgado, na quarta-feira, pelo Instituto Nacional de

Pesquisas Educacionais (Inep). A prova mantém o estilo dos anos

anteriores e o conteúdo foi ampliado.

O professor de Matemática do Soma, Renato Carneiro, considerou a

resolução da prova muito simples e acha que haverá dificuldade em

selecionar alunos para os cursos mais concorridos. Ele observa ainda

que os enunciados da prova continuam muito grandes, e é possível

responder à maioria das questões lendo só a pergunta.

Carneiro afirma que a prova está um pouco mais interessante e mais

complexa que a aplicada no ano passado. “Essa prova teria apenas 60% do

grau de dificuldade em relação à prova aplicada na Universidade Federal

de Minas Gerais (UFMG). Acho que a redação vai ser o grande

diferencial”. Já para o professor Rogério Janop, do Unimaster, “a prova

exigiu uma interpretação maior dos fatos”.

O estudante do 3º ano do Ensino Médio do Colégio Arnaldo, João Batista

de Souza Júnior, 17 anos, achou interessante a divulgação das questões.

“Vai ajudar o candidato a ter uma noção de qual o parâmetro da prova”.

A aluna Marina Emediato, do 3º ano do Colégio Magnum Cidade Nova, já

resolveu algumas questões do simulado e destacou a importância de

prestar atenção aos enunciados. “O enunciado é extenso e chega a ser

cansativo. Pode ser complicado terminar a prova”.Ela achou as questões

fáceis, em especial as de Matemática, e considerou as de Ciências

Humanas mais abrangentes.

O diretor de Ensino do Colégio Bernoulli, Rommel Fernandes Domingos,

ressalta que o conteúdo priorizado no simulado abordou questões do dia

a dia. Em Matemática, por exemplo, o foco da prova foi a regra de três,

juros, tabela e as fórmulas mais básicas de geometria, de áreas e

volumes. Ele acha que a prova se aproxima da primeira etapa da UFMG

“por baixo” e poderia substituir uma primeira etapa, mas nunca a

segunda.

O professor de Português do Soma, Mário Lúcio Cortez, se disse

decepcionado porque as questões divulgadas não abordaram habilidades

relacionadas à dança, teatro, música e esportes, conforme previsão

inicial do Ministério da Educação. Ele concorda que não houve aumento

no grau de dificuldade da prova. “As questões estão facílimas, com

respostas bem óbvias. O aluno deve ter preparo psicológico para

aguentar a maratona de questões (180 e uma redação), que deve provocar

grande cansaço mental e físico. Para o professor de Geografia do

Colégio Bernoulli, Edvaldo Júnior, a prova abordou muitas questões de

atualidade que lembram o estilo da UFMG, mas são mais fáceis e por isso

pessoas não tão qualificadas podem tirar nota alta. O “novo” Enem

acontece nos dias 3 e 4 de outubro. Dez universidades federais do

Estado vão usar o exame, apenas a UFMG ainda não o adotou.