O número menor de itens nas perguntas da segunda fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) neste ano tornou a prova um pouco mais fácil para os candidatos que a fizeram ontem. A avaliação é de professores de alguns dos principais cursinhos de São Paulo.

Tanto na prova de biologia quanto na de português e literatura, os vestibulandos tiveram dois itens em todas as perguntas, ante três na maioria das questões de 2007.

No início da noite, a Unicamp reconheceu um erro no poema que serviu de referência para as perguntas 4 e 5 do teste de português e literatura. O problema, apesar de prejudicar a compreensão do texto, não invalidou as questões nem prejudicou as respostas, informou a universidade.

Na última estrofe do poema Um chamado João, de Carlos Drummond de Andrade, em homenagem a João Guimarães Rosa, a prova grafou: “Ficamos sem saber o que era João/e se João existiu/deve pegar.” O correto é “e se João existiu/de se pegar”. “Não invalida a prova, mas é feio para um vestibular dessa envergadura”, afirmou Roberto Gonçalves Juliano, do cursinho da Poli.

Professores apontaram ainda outros problemas na prova de português, não comentados pela Unicamp, que também não invalidariam o teste: a falta de interrogação na questão 10-a, um “por que” grafado incorretamente no texto de referência da questão 12 e outro texto literário transcrito errado.

Na pergunta 11, em que é reproduzida parte de um dos capítulos de Vidas Secas, de Graciliano Ramos, a prova anotou “tinha a obrigação de trabalhar para os outros, naturalmente, conhecia do seu lugar” - o correto é “conhecia o seu lugar”, destacou o professor do curso Anglo Eduardo Antonio Lopes. “Os enunciados de algumas perguntas estavam mal escritos, tortuosos.”

Fora esses deslizes, a prova foi descrita como um teste que exigiu dos alunos compreensão de texto e capacidade de reflexão. Na prova de biologia, houve questões bem fáceis, como a referente à síntese do carbono, mas outras demandaram um pouco mais de conhecimento da área, como a que tratou da síndrome de Down, afirmou Luiz Carlos Bellinello, coordenador de Biologia do Objetivo.

Segundo a universidade, 13.368 estudantes compareceram ontem ao primeiro dia da segunda fase do vestibular. A abstenção registrada, de 7,3%, foi quase a mesma do ano passado, de 7%.

Na entrada para o primeiro dia de exames, o clima era de ansiedade. Leandro Romantini estava fazendo pela segunda vez o cursinho. Almeja uma vaga de engenharia civil. “São muitas questões e o tempo é curto”, avaliou. Felipe Hinoshira chegou atrasado dez minutos e encontrou os portões fechados. “Não consigo acreditar que estudei um ano inteiro para perder a prova na porta.”

Hoje é dia de química e história no vestibular da Unicamp e amanhã, de física e geografia. As provas vão até quarta-feira, quando serão cobrados conhecimentos em matemática e inglês. É importante o candidato chegar com antecedência. Os portões são fechados às 13h45.