Seis cursos de bacharelado vão

inaugurar o primeiro semestre letivo de graduação. Serão abertas 300

vagas, metade para brasileiros, metade para estudantes de países do

Mercosul. Em 2011, lista de cursos e número de vagas serão ampliados.

A Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila) definiu a

lista dos cursos de graduação que serão oferecidos pela instituição em

seu primeiro semestre letivo. A decisão aconteceu após reunião do

Conselho Diretivo da universidade, na última quarta-feira (12). As aulas

começarão em agosto, na sede provisória da Unila, no Parque Tecnológico

Itaipu (PTI), em Foz do Iguaçu (PR).

Segundo o reitor da Unila, Hélgio Trindade, a relação dos primeiros

cursos é deliberadamente pequena, porém diversificada, contemplando

diferentes áreas do conhecimento. Vão inaugurar as aulas de graduação da

Unila os cursos de bacharelado em Relações Internacionais e Integração

(tarde); Ciências Biológicas: Ecologia e Biodiversidade (manhã);

Economia, Integração e Desenvolvimento (noite); Sociedade, Estado e

Política na América Latina (tarde); Engenharia Ambiental de Energias

Renováveis (manhã); e Engenharia Civil de Infraestrutura (manhã).

Para cada curso serão abertas 50 vagas, totalizando 300 alunos para o

segundo semestre de 2010 - metade brasileiros, metade de outros países

do Mercosul. Para o primeiro semestre de 2011 serão oferecidos mais 13

cursos de graduação, com a abertura de outras 1.700 vagas para

estudantes da América Latina. "A partir do novo Exame Nacional do Ensino

Médio (Enem), previsto para novembro de 2010, teremos uma oferta de 19

cursos para 2 mil alunos, de acordo com o planejado para 2011", afirma

Trindade. Quando for concluída a sede própria da Unila, a instituição

terá condições de atender 10 mil alunos.

O número reduzido de vagas para 2010 tem duas justificativas. "Fizemos

essa opção primeiro porque o segundo semestre não é o melhor momento

para selecionar alunos, tendo em vista que muitos já se matricularam em

outras instituições no início do ano", ressalta. "Além disso, já que

esta é uma universidade nova, queremos fazer uma ''experiência'' com um

número menor de estudantes", diz o reitor.

A escolha dos cursos aconteceu em função do "perfil da universidade".

"Focamos cursos com vocação para a problemática da integração

latino-americana e que cobrem todos os campos acadêmicos, revelando o

caráter global e integrador da universidade", explica Trindade.

"Buscamos o que a América Latina mais valoriza, e não a repetição do que

se vê por aí", ressalta. "É uma missão diferente das convencionais, o

que faz da Unila uma instituição única", diz.

Como se candidatar a uma vaga

Os brasileiros que pretendem se candidatar a uma das 300 vagas do

primeiro processo seletivo de estudantes da Unila deverão se registrar

no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que considera apenas a nota do

Enem para o ingresso em universidades federais. O Sisu abrirá inscrições

no período de 10 a 14 de junho, apenas pela internet. Segundo o

Ministério da Educação (MEC), o resultado do Sisu deve ser divulgado no

dia 17 de junho. As matrículas devem ser feitas nos dias 21 e 22 do

mesmo mês. Poderão se inscrever quem fez a prova do Enem em 2009.

A opção pelo Enem como critério de seleção aconteceu por duas razões.

"Acreditamos que o mais importante não é o acúmulo de conhecimentos

memorizado em colégios especializados em treinar para o vestibular, mas

fazer com que os alunos revelem conhecimentos básicos e aptidão para o

tipo de ensino superior que exige capacidade de compreensão e pensamento

complexo, o que é medido por exames como Enem", justifica.

"O segundo motivo é que o Enem representa a abertura para uma nova

concepção de seleção, pois, fora do Brasil, na América Latina não há

aplicação de vestibulares", explica o reitor. "É importante lembrar que

qualquer pessoa que tenha concluído o ensino médio pode fazer o Enem,

inclusive aquelas que pararam de estudar antes do começo da aplicação do

exame", ressalta Trindade.

Alunos estrangeiros

Para o segundo semestre de 2010, só serão chamados alunos dos demais

países do Mercosul (Argentina, Paraguai e Uruguai) além do Brasil.

"Diante do prazo extremamente curto para a seleção dos alunos

estrangeiros nos seis cursos de 2010, nos restringimos, nesse momento, a

este países, para, depois, ampliarmos o recrutamento para toda a

América Latina", afirma Trindade.

A seleção desses estudantes, segundo Trindade, vai ocorrer conforme o

rendimento escolar. "Adotaremos, em acordo com os ministérios de

Educação desses países, uma convocatória de alunos que serão

selecionados segundo seus desempenhos no ensino médio, conforme as

diferentes áreas de conhecimento dos cursos ou carreiras oferecidas".

O apoio de Itaipu

O presidente Lula sancionou, no dia 12 de janeiro, o projeto de lei

2.878/2008, que determinou a criação da Unila. A Itaipu apoiou este

projeto desde o início. Além de doar o terreno de 38,9 hectares para o

futuro campus, em área adjacente à usina, ela ainda arcou com a reforma

dos dois blocos que abrigam a sede provisória, no PTI, bancou o projeto

arquitetônico e apoiou diversas atividades, como seminários, cátedras e

cursos de especialização.

A experiência de profissionais da Itaipu também é utilizada em favor da

Unila. O andamento do projeto executivo da obra da sede própria é

acompanhado por engenheiros da Diretoria Técnica. O processo licitatório

para a contratação das empresas responsáveis pela primeira fase da obra

é coordenado por profissionais da Diretoria Financeira.