"A orientação vocacional na escola confirmou a profissão que eu

desejava seguir", diz o estudante do 3º ano do ensino médio, Cristian

Tomazela Prado, 16. Ele conta que sempre gostou de Matemática, mas

tinha dúvidas sobre a profissão que escolheria.

"às vezes, escolhemos

algo não é como a gente pensa", descreve destacando que a orientação

vocacional o preparou para uma decisão segura. Ele pretende cursar

Engenharia Mecânica - fará o vestibular da Universidade de São Paulo

(USP) - ou Engenharia Aeronáutica, no Instituto Tecnológico de

Aeronáutica (ITA).

Prado diz que o interesse em escolher uma profissão

começou com as aulas de orientação vocacional oferecidas no primeiro

ano do ensino médio. "Conforme o tempo passava, as aulas de orientação

vocacional ficaram cada vez mais interessantes e importantes", explica. "Mas eu já sabia mais ou menos qual profissão queria exercer", reforça.

Ele conta que na família dele não há pessoas formadas nas profissões

que escolheu. "Mas o meu pai me ensinava matemática desde quando eu era

criança. Houve influência da família por causa disso", recorda o

estudante.