Você já deve ter ouvido por aí que “a nota de corte de tal curso foi de 800 pontos” ou “a nota de corte para Direito na UFRJ estava impossível”.

Pois é, se você fez ou vai fazer o Enem, já deve ter ouvido muitas histórias sobre isso.

Mas você sabe para que, na prática, serve essa tal nota de corte? E como usá-la para conseguir entrar nos principais programas de acesso ao ensino superior que usam como critério o desempenho obtido no Enem?

A seguir, entenda o que é nota de corte e pra que ela é usada – e algumas faculdades onde você pode entrar com sua pontuação!

O que é nota de corte e pra que ela é usada

A nota de corte é a pontuação mínima necessária para entrar em cursos de qualquer processo seletivo. Aqui, vamos focar nos processos seletivos para entrar no ensino superior brasileiro que usam a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) como critério de classificação.

Funciona assim:

No decorrer da seleção, milhares de candidatos de todo o Brasil vão se inscrevendo todos os dias, cada um com sua própria nota no Enem.

Quando eles escolhem o curso que querem fazer, entram numa espécie de fila. Dependendo da nota, podem ocupar o primeiro, o segundo, o terceiro... e assim sucessivamente, até o último lugar.

Essa fila é a quantidade de vagas que cada curso disponibiliza na plataforma de seleção. Por exemplo, um curso de Administração que tem 40 vagas em determinada faculdade, vai acolher os 40 candidatos com melhores notas no Enem.

A nota de corte é, portanto, a nota do candidato que, até o momento, está ocupando a última vaga daquele curso.

Portanto, quando a gente diz que “a nota de corte de Medicina na faculdade tal foi de 850 pontos”, quer dizer que essa foi a nota do último colocado– imagine a nota do primeiro lugar!

As notas de corte valem para candidatos que escolhem o mesmo curso, instituição, unidade e turno. Elas podem variar ainda de acordo com o tipo de concorrência – geral ou por cotas.

Como driblar as notas de corte do Enem

Se você estiver disputando vaga em qualquer processo seletivo que usa a nota do Enem e chegar outro participante com uma pontuação maior, ele acaba elevando a nota de corte e tirando parte da concorrência (no caso, você) da jogada.

Isso rola o tempo todo em processos seletivos como o Sisu, o ProUni e o FIES.

Mas há uma solução para tirar o melhor proveito dessa dinâmica.

Nesses programas, a seleção normalmente dura quatro dias. É importante que os participantes vistoriem as notas de corte para o curso desejado constantemente, para saber se elas não mudaram.

Se a nota ainda possibilitar sua entrada no curso desejado, ótimo. Basta acompanhar para ver se ela não vai mudar.

Caso a nota de corte fique mais alta que a sua pontuação, o jeito será procurar outro curso ou outra faculdade que comporte seu desempenho.

Isso pode ser feito o tempo todo, enquanto as inscrições estiverem em andamento, e pode garantir sucesso no processo seletivo. O sistema sempre irá levar em conta a última opção escolhida pelo participante.

Notas de corte dos processos seletivos do Enem

Atualmente temos quatro grandes programas que utilizam a nota do Enem para selecionar candidatos a uma vaga no ensino superior.

As notas de corte variam bastante em cada um deles.

Entenda melhor:

Sisu – O maior e mais concorrido processo seletivo do Brasil distribui vagas em universidades públicas por todo o país. Aqui a nota de corte média que garante acesso à maioria dos cursos é de 680 pontos. As mais baixas ficam na casa dos 600 pontos, enquanto as mais altas (para Medicina) podem ultrapassar 800 pontos. Para participar é preciso ter feito o Enem mais recente e não ter tirado zero na redação.

ProUni – É o programa que distribui bolsas de estudos em faculdades particulares. Aqui, o mínimo obrigatório para participar é de 450 pontos na média das provas do Enem mais recente, sem ter zerado a redação. A nota de corte média do ProUni é um pouco mais baixa que a do Sisu, por volta dos 620 pontos. Cursos como Medicina podem exigir 750 pontos ou mais, enquanto alguns outros (licenciaturas e tecnólogos, em sua maioria) pedem pouco mais que o mínimo exigido.

FIES – Para quem quer financiar o curso superior a juros baixos e prazo facilitado, o FIES é a alternativa ideal. Só que o programa também exige uma seleção com o Enem – o que significa que tem notas de corte. Aqui a média para entrar em boa parte dos cursos fica na casa dos 570 pontos. Os mais procurados, como Medicina e Engenharia, podem chegar a 700 pontos. Os mais tranquilos pedem apenas a nota mínima obrigatória para participação, que é de 450 pontos na média das provas de qualquer edição a partir de 2010, sem ter zerado a redação.

Ingresso via Enem – Esse é o sistema que permite usar a nota do Enem para entrar direto na faculdade particular, sem precisar passar por vestibular. Aqui as notas de corte são estabelecidas pelas próprias faculdades e não por meio de novos candidatos que vão chegando, por isso é impossível determinar um valor. Mas uma coisa é certa: normalmente os patamares são mais baixos que no Sisu, no ProUni ou no FIES – o que é uma boa oportunidade para todo mundo que quer fazer um curso superior.

Faculdades onde você pode estudar com sua nota do Enem

Você pode usar sua nota do Enem para concorrer a milhares de vagas em faculdades públicas e particulares.

O importante é sempre escolher faculdades reconhecidas e bem avaliadas pelo MEC, para terminar os estudos com um diploma de primeira nas mãos.

A seguir a gente escolheu algumas para você conhecer.

Dê uma olhada:

Veja também:

Veja como somar a nota do Enem e quais faculdades aceitam

Entendeu direitinho como funcionam as notas de corte? Em qual curso você quer entrar com a nota do Enem? Conte para a gente nos comentários!