A hora está chegando! Em breve, o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) estará aberto para inscrições de candidatos que, apesar dos muitos obstáculos impostos pela pandemia da Covid-19, fizeram a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2020.

 

Como você já deve estar sabendo, o resultado da última edição do Enem sairá no final de março. Ainda falta um pouquinho, mas, logo em seguida, no início de abril, vem Sisu por aí!

 

Se você ainda não conferiu as regras desse processo seletivo, nem sabe ao certo como fazer para participar, continue a leitura! Neste texto, vamos te apresentar tudo o que você precisa saber sobre o Sisu. Assim, você estará mais que preparado quando o grande dia chegar!

O que é o Sisu?

O Sisu é uma plataforma do Governo Federal na qual é possível concorrer a vagas em instituições públicas de ensino superior de todo o Brasil.

 

Atualmente, trata-se do processo seletivo que mais oferece oportunidades de acesso ao ensino superior público brasileiro, pois concentra a oferta de vagas para cursos nas mais variadas áreas do conhecimento, disponíveis em mais de 50 instituições públicas, entre universidades, institutos e centros de educação superior.

Quem pode participar do Sisu?

Para se inscrever no Sisu, é preciso ter participado da edição mais recente do Enem – no caso, o Enem 2020, realizado em janeiro deste ano –, sem ter zerado a prova de redação. Todos os candidatos que se encaixem nestas condições poderão concorrer às vagas do Sisu 2021, exceto aqueles que fizeram a prova na condição de “treineiros”.

Qual é o critério de seleção utilizado pelo Sisu?

O principal critério de seleção utilizado pelo Sisu é a nota do Enem mais recente. Contudo, a classificação dos candidatos nem sempre segue a regra da maior pontuação geral nesse exame.

 

O Enem é composto de quatro provas, sendo cada uma referente a uma área de conhecimento específica, além de uma redação sobre tema da atualidade. Por serem as pontuações dessas provas calculadas de forma independente, algumas instituições de ensino participantes do Sisu optam por atribuir pesos distintos a cada uma delas para a classificação de candidatos em determinados cursos.

 

Ficou confuso? Vejamos um exemplo. Imagine que você e um outro candidato desejem concorrer a uma vaga para o curso de Jornalismo, em uma mesma universidade. A pontuação geral desse candidato é um pouco maior que a sua, mas as suas notas nas provas de redação e de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias são maiores que as dele. A instituição de ensino que vocês escolheram, por sua vez, considera que, para o curso de Jornalismo, as notas das provas de redação e de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias são mais importantes que as demais e, por isso, atribui maior peso a elas. Resultado? Ainda que a sua pontuação geral seja menor que a do outro candidato, você provavelmente ficará melhor classificado do que ele nessa opção de curso e, assim, terá mais chances de conseguir uma vaga!

 

Outro critério utilizado por algumas universidades é a nota mínima, que nada mais é que a exigência de que os candidatos interessados em concorrer às vagas de determinado curso tenham nota igual ou superior à pontuação estabelecida como mínima pela instituição.

 

Não confunda, entretanto, nota mínima com nota de corte! Na lista de classificação dos candidatos, a nota de corte corresponde à pontuação daquele que está na última posição dentro do número de vagas. Exemplo: há 20 vagas disponíveis no curso de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), e 60 candidatos inscritos. A nota de corte será equivalente à pontuação do candidato que estiver em 20º lugar na lista de classificação.

 

Além disso, é importante lembrar que a distribuição das vagas no Sisu obedece a Lei de Cotas (Lei 12.711/2012) e, também, que algumas das instituições de ensino superior participantes contam com outras políticas de ações afirmativas próprias, como a reserva adicional de vagas a candidatos cotistas ou a concessão de bônus às notas destes candidatos, a fim de torná-las mais competitivas.

Processo seletivo do Sisu

Inscrições

As inscrições no Sisu são gratuitas e devem ser feitas, exclusivamente, por meio de sua página oficial. Ao entrar nesta página durante o período de inscrições, siga o seguinte passo a passo:

  • Clique em “Fazer inscrição”;
  • A tela seguinte informará que, para acessar o Sisu, é preciso logar com uma conta gov.br. Se você já tiver essa conta, clique em “entrar com gov.br” e faça login. Caso ainda não tenha, clique em “crie sua conta gov.br”, registre-se e depois faça login;
  • Ao entrar no sistema, atualize os seus dados de contato;
  • Em seguida, clique em “Minha inscrição”;
  • Clique em “Fazer inscrição na 1ª opção”;
  • Pesquise a vaga pretendida por cidade, curso ou instituição de ensino;
  • Selecione o curso escolhido;
  • Selecione a modalidade da inscrição (ampla concorrência ou ações afirmativas);
  • Confirme a sua inscrição na 1ª opção;
  • Caso deseje selecionar uma segunda opção, volte para a tela “Minha inscrição”;
  • Clique em “Fazer inscrição na 2ª opção” e siga os mesmos passos da 1ª opção;
  • Pronto!

Acompanhamento e alterações

No ato da inscrição, você deve escolher, em ordem de preferência, até duas opções de curso. Essas escolhas, contudo, não são necessariamente fixas. Durante o período de inscrições, caso os seus planos mudem, você pode alterá-las a qualquer momento.

 

Para fazer isso, é só logar no Sisu, ir até a página “Minha inscrição” e repetir o procedimento de inscrição, substituindo o(s) curso(s) selecionado(s). Na mesma página, também é possível acompanhar, em tempo real, sua classificação parcial – parcial porque varia conforme as mudanças na nota de corte durante o período de inscrições – no(s) curso(s) escolhido(s).

 

Para simples acompanhamento, é possível também acessar as classificações parciais por meio do aplicativo oficial do Sisu, que está disponível para smartphones e tablets na App Store e no GooglePlay. Nesse aplicativo, contudo, ainda não é possível realizar inscrições ou alterações.

Resultado em chamada única

Desde 2015, o resultado do Sisu não é mais divulgado em primeira e segunda chamada, e sim em chamada única, na qual os candidatos podem ser convocados para os cursos escolhidos como primeira ou segunda opção.

 

O resultado pode ser conferido, na data estabelecida em edital, por meio da página ou aplicativo oficial do Sisu.

Lista de espera

Caso não seja selecionado na chamada única, você poderá participar da lista de espera do curso correspondente à sua primeira ou segunda opção. Essa lista é organizada pelo Sisu, mas as chamadas são feitas diretamente pelas instituições de ensino superior.

 

Outro ponto importante é que somente poderão participar da lista de espera os candidatos que não forem selecionados na chamada única, seja para primeira ou segunda opção.

Calendário do Sisu 2021

Via de regra, o Sisu abre processos seletivos duas vezes ao ano: uma no primeiro, e outra no segundo semestre. A primeira edição anual costuma ocorrer logo após a divulgação dos resultados do Enem, por volta dos últimos dias de janeiro.

 

Neste ano, contudo, devido à pandemia da Covid-19, as provas do Enem 2020 foram realizadas somente em janeiro de 2021 e o resultado, por sua vez, ficou para a última semana de março. Consequentemente, por depender do resultado do Enem para acontecer, o Sisu foi adiado para o início de abril.

 

Quanto à segunda edição do Sisu 2021, embora ainda não tenhamos um calendário definido, como já temos da primeira, tudo indica que ela não irá demorar para acontecer!

Confira as principais datas do Sisu 2021.1

  • Período de inscrições: 6 a 9 de abril;
  • Resultado em chamada única: 13 de abril;
  • Manifestação de interesse em participar da lista de espera: 13 a 19 de abril.

Alternativas ao Sisu para iniciar o ensino superior em 2021

O Sisu é um processo seletivo muito concorrido. Por isso, é normal que grande parte dos candidatos inscritos não seja selecionada. Estamos torcendo para que dê tudo certo, mas caso você não consiga uma vaga, saiba que, ainda assim, não faltarão opções para você começar o ensino superior em 2021!

 

Além de poder tentar novamente o Sisu no próximo semestre, você pode avaliar as possibilidades oferecidas na rede privada. A boa notícia é que, com a sua pontuação do Enem 2020, você pode tentar uma bolsa de estudos pelo Prouni ou um financiamento estudantil pelo Fies. E o melhor: ambos os processos seletivos ocorrerão em abril, logo após o Sisu!

 

Outra coisa legal é que várias faculdades particulares têm oferecido programas próprios de descontos, bolsas de estudo e financiamentos estudantis. Algumas têm, inclusive, ofertado cursos com mensalidades a preços populares, a fim de contribuir para a democratização do acesso ao ensino superior no Brasil. Por isso, independentemente da sua renda, não exclua a possibilidade do ensino superior privado antes mesmo de tentar negociar!

 

Tenha em mente, contudo, que estudar em uma instituição de ensino de qualidade é fundamental para começar bem a sua carreira! Por isso, na hora de escolher a sua faculdade, confira, antes, se ela é reconhecida e bem avaliada pelo Ministério da Educação (MEC).

 

Para te ajudar nisso, selecionamos algumas instituições de ensino superior privadas que podem ser interessantes para você. Todas elas oferecem cursos em diversas áreas, nas modalidades presencial e a distância (EAD) e têm avaliação positiva do MEC.

 

Veja:

Veja também: Entenda onde é possível usar a nota do Enem 2020.

E aí, já sabe qual será a sua primeira e segunda opção de curso no Sisu 2021? Conta pra gente nos comentários!