A Fisioterapia vem crescendo a passos largos no Brasil. A partir de 1990 o número de espaços de reabilitação, clínicas e cursos aumentou consideravelmente. Hoje, temos mais de 400 opções de graduação espalhadas pelo País, com cerca de 140 mil estudantes matriculados. O número de profissionais registrados ultrapassa 240 mil.

Entre os motivos, podemos citar o envelhecimento da população, o reconhecimento do fisioterapeuta como profissional essencial para atletas e, principalmente, a maior preocupação com a qualidade de vida.

Mas o que exatamente faz um fisioterapeuta? Onde ele pode trabalhar? O que fazer para entrar nessa carreira?

Preparamos o guia a seguir para responder a todas essas perguntas e ajudar a decidir se essa é a profissão ideal para você. Confira!

O que faz um fisioterapeuta

O fisioterapeuta previne, diagnostica e trata problemas resultantes de acidentes, falhas na postura e até má formação genética. Para isso, utiliza técnicas como massagem, ginástica e tratamentos com aparelhos especiais. Seus pacientes podem ser gestantes, atletas, pessoas que sofreram algum tipo de lesão ou têm dores crônicas, pessoas com deficiência, idosos e crianças.

É um campo de trabalho muito vasto, com diversas possibilidades de especialização. Conheça algumas:

Fisioterapia Aquática: Também conhecida como Hidroterapia, envolve técnicas de reabilitação de movimentos ou postura por meio de exercícios em uma piscina.

Fisioterapia Cardiovascular: Ajuda a recuperar pacientes com problemas cardíacos, como pessoas que sofreram infarto ou têm insuficiência cardíaca, por meio de uma série de exercícios respiratórios e que trabalham as áreas próximas ao coração.

Fisioterapia Dermatofuncional: Antigamente chamada de Fisioterapia Estética, o profissional que atua na área realiza tratamentos como massagens e exercícios para recuperar a pele do paciente, tratando, por exemplo, de flacidez, obesidade, cicatrizes, estrias e celulite.

Fisioterapia Esportiva: Uma das principais áreas da Fisioterapia atualmente, tem como principal objetivo acompanhar atletas que sofreram lesões decorrentes da atividade física. Também previne dores e problemas futuros.

Fisioterapia Neurofuncional: Área que previne, trata ou alivia sequelas resultantes de doenças que afetam o sistema nervoso.

Fisioterapia Oncológica: Especializada em atender pacientes que se tratam de câncer, ajuda a manter as funções vitais e prevenir distúrbios causados pelo tratamento da doença.

Fisioterapia Traumato-Ortopédica: Atua na prevenção ou tratamento de problemas nos músculos, ossos, articulações e nervos.

Fisioterapia em Terapia Intensiva: O profissional especializado na área trata pacientes críticos internados em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs), aplicando técnicas para reabilitação respiratória, neurológica, dos músculos e ossos.

Há ainda outras especialidades, como Fisioterapia em Acupuntura, Fisioterapia do Trabalho, Fisioterapia Respiratória, Fisioterapia em Osteopatia, Fisioterapia em Quiropraxia e Fisioterapia em Saúde da Mulher.

Mercado de trabalho e remuneração na área de Fisioterapia

O mercado de trabalho no campo da Fisioterapia está bastante aquecido, uma vez que a população tem maior expectativa de vida e muitos desenvolvem problemas de saúde com o avanço da idade.

Além disso, as empresas contratam esse profissional para cuidar de seus funcionários, principalmente para saúde preventiva e reeducação postural. Outro campo tradicional e que continua muito em alta é o da Fisioterapia Esportiva.

O fisioterapeuta também pode atuar em centros de reabilitação, clubes desportivos, centros de saúde, escolas, indústrias, universidades e centros de pesquisa.

Concursos públicos não são muito frequentes na área de Fisioterapia e, quando realizados, oferecem poucas vagas. Dessa forma, os profissionais preferem trabalhar em hospitais ou como autônomos, com a possibilidade de atender os pacientes em casa ou clínicas particulares.

Segundo o guia de salários do Site Nacional de Empregos (Sine), a remuneração média de um fisioterapeuta em um hospital de grande porte gira em torno de R$ 3.400. Se formos ver por especialidade, o esportivo também tem rendimentos dentro dessa estimativa, enquanto um fisioterapeuta respiratório pode receber em torno de R$ 4.100 e um fisioterapeuta acupunturista, R$ 4.600.

Quer uma dica para aumentar seus rendimentos? Quanto mais especializado você for, melhor. Busque não somente uma especialização, mas também cursos de atualização, participe de congressos e faça leitura de periódicos da área.

Como se tornar um fisioterapeuta

A profissão é regulamentada pela Lei nº 938, de 13 de outubro de 1969. Para atuar como fisioterapeuta, é necessário cursar Fisioterapia em uma instituição de ensino autorizada pelo MEC e estar registrado no Conselho Regional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional (Crefito) de seu estado.

O curso de Fisioterapia

O curso de Fisioterapia é um bacharelado com duração de cinco anos que forma profissionais com grande conhecimento sobre o corpo humano. É por isso que a grade curricular tem uma grande carga de Ciências Biológicas, como:

• Anatomia do Aparelho Locomotor

• Anatomia dos Sistemas

• Citologia

• Biomecânica

• Bioquímica

• Controle Motor e Neurociências

• Corporeidade e Motricidade Humana

• Eletroterapia

• Epidemiologia e Saúde Pública

• Ergonomia e Ginástica Laboral

• Fisiologia Aplicada à Atividade Motora

• Fisioterapia Aquática

• Fisioterapia Dermatofuncional

• Fisioterapia Aplicada à Saúde da Mulher

• Fisioterapia Cardiológica

• Fisioterapia Pediátrica

• Fisioterapia Preventiva

• Fisioterapia Respiratória

• Fisioterapia Reumatológica

• Fundamentos de Saúde Coletiva

• Neuroanatomia

• Órtese e Prótese em Fisioterapia

• Patologia

• Primeiros Socorros

• Psicologia Aplicada à Fisioterapia

• Reeducação Funcional

O curso apresenta algumas disciplinas básicas de Ciências Humanas – como Antropologia e Sociologia – e Língua Portuguesa.

Há também os laboratórios, como:

• Anatomia

• Microscopia e Microbiologia

• Cinesiologia e Cinesioterapia

• Massoterapia

• Eletroterapia

• Hidroterapia

O estágio é obrigatório e 20% das horas do curso devem ser dedicadas à prática, que é recomendada a partir do terceiro ano de graduação. Ao final do curso, o aluno deve apresentar um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) para obter o diploma.

Onde estudar para se tornar um fisioterapeuta

Confira algumas instituições autorizadas pelo MEC a oferecer o curso de Fisioterapia:

Centro Educacional Anhanguera (ANHANGUERA)

Universidade Estácio de Sá (UNESA) 

Centro Universitário UNISEB (UNISEB-Estácio)

Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL)

Universidade Cidade de São Paulo (UNICID)

Universidade de Franca (UNIFRAN)

Universidade Norte do Paraná (UNOPAR)

Faculdade Unime (UNIME) – na Bahia

Faculdade Pitágoras (PITÁGORAS) – em Minas Gerais  

Veja também:

Quanto ganha um fisioterapeuta?

Está interessado em seguir carreira em Fisioterapia? Conte para a gente nos comentários!