Fale com a gente

Como funciona
  1. Busque uma bolsa

    Compare preços e escolha a bolsa de estudos que seja sua cara.


  2. Garanta a bolsa

    Pague a adesão para garantir sua bolsa.


  3. Tamo junto na próxima fase.

    Agora é só fazer o processo seletivo e se matricular na faculdade.


Biologia

Serotonina: O que é, para que serve e como aumentar

27 de outubro
serotonina
Imagem do autor
Escrito porCamilla Rodrigues

Você sabia que em nosso corpo existe um hormônio neurotransmissor que é responsável por transmitir as informações necessárias para o corpo todo? Em resumo, esse é o papel principal da serotonina, um hormônio neurotransmissor que é responsável por tudo que sentimos durante os dias.

Encontre bolsas de estudo de até 80%

Ela está presente, geralmente, no sistema digestivo, mas também é encontrada em plaquetas sanguíneas e no sistema nervoso central. Esse hormônio é criado a partir de um aminoácido essencial triptofano e ele é encontrado, principalmente nos alimentos que consumimos.

Mas não é só isso, provavelmente você já deve ter ouvido falar sobre os aumentos e diminuições de serotonina ajudando em nosso humor, certo? Nesse conteúdo, vamos falar tudo o que você precisa saber sobre esse hormônio e como ele funciona para melhora ou piora de nossas tarefas diárias.

Continue a leitura para saber mais sobre o assunto!

O que é serotonina

A serotonina é um neurotransmissor, como já mencionamos logo no início do texto, que é responsável por estabelecer a comunicação entre as células nervosas. Isto é, podemos dizer que a serotonina em nosso corpo é como se fosse uma mensageira do organismo que ativa algumas regiões do cérebro que estão ligadas diretamente ao nosso bem-estar.

Embora ela atue principalmente na mente, 90% da serotonina do corpo humano é produzida nos intestinos. Ou seja, ela tem a grande parte da sua produção nas células enterocromafins, que converte o aminoácido triptofano em serotonina. 

Porém, o triptofano por sua vez, já é encontrado com mais facilidade em diversos alimentos que consumimos durante o dia a dia, como: 

  • Queijo;
  • Amendoim;
  • Carne de frango;
  • Ovos;
  • Ervilha;
  • Pescada;
  • Banana;
  • Abacate;
  • Batata.

O transporte desse neurotransmissor do intestino para o cérebro é feito principalmente pelas plaquetas sanguíneas ligadas à coagulação. Por conta de todo esse trajeto, alguns pesquisadores consideram a serotonina um hormônio e não um neurotransmissor.

Afinal, ela é produzida no cérebro e intestinos, mas ela trabalha em todo organismo humano. 

serotonina

 

 

Para que serve a serotonina?

A serotonina é uma substância extremamente importante para o funcionamento correto do nosso corpo. De fato, ela funciona como termômetro, regulando certas ações do nosso organismo, como o humor, sono, sensibilidade, temperatura corporal e funções cognitivas. 

Dessa forma, a serotonina alta em nosso sangue nos dá sensações extremas de bem-estar, ou seja, nós sentimos que somos capazes de fazer qualquer coisa. Ela é uma substância que dá a sensação de poder, auto admiração e auto valorização. Justamente por isso ela é conhecida como hormônio do prazer.

Ela também é responsável por diversas funções fisiológicas. Por estar em grandes quantidades no intestino, ela ajuda a controlar os movimentos do próprio órgão e ainda regula a náusea.

Por outro lado, a baixa quantidade de serotonina no corpo humano pode acabar com um dia que está sendo bom. Além do mau humor, a falta de serotonina causa dificuldades para dormir, ansiedade e, níveis mais extremos, até depressão. 

Para entender melhor como ela reage de maneira positiva ou negativa em nosso corpo, explicamos algumas das funcionalidades da serotonina a fundo. Confira. 

Regula o humor 

A serotonina atua no cérebro regulando a ansiedade, melhorando o seu humor e aumentando a sua felicidade durante o dia. Por conta disso, baixos níveis desse hormônio podem causar doenças como depressão e ataques de pânico, por exemplo.

Regula o sono

Por ser um neurotransmissor que atua diretamente na região do cérebro, a serotonina ajuda a controlar o sono e o despertar. Ou seja, com os níveis altos disso em nosso corpo, as chances de ter boas noites de sono são bem altas.

Atua nos movimentos do intestino

Por cerca de 90% da serotonina ser feita no intestino, é lá que podemos encontrar grande parte desse neurotransmissor. Por conta disso, ele também acaba auxiliando no controle das funções gastrointestinais, fazendo com que os órgãos trabalhem melhor.

Regula as náuseas 

A produção de serotonina aumenta quando o organismo necessita eliminar algumas substâncias que são mais tóxicas ao nosso intestino, por exemplo, em casos de diarréia. De fato, esse aumento estimula também a região do cérebro que controla a náusea, assim trabalhando em conjunto para a melhora das pessoas.

Coagulação sanguínea

As plaquetas de sangue liberam serotonina e ajudam a cicatrizar com mais rapidez as feridas. De fato, a serotonina leva a vasoconstrição, facilitando assim a coagulação do sangue.

Saúde óssea

Além disso, a serotonina quando é produzida em grandes quantidades no corpo humano, ela desempenha um papel fundamental também na estrutura óssea, pois seu desequilíbrio pode causar um impacto negativo.

Ou seja, em níveis significativamente altos podem tornar os ossos do corpo humano mais fracos, o que aumenta o risco da pessoa sofrer osteoporose depois de um certo tempo.

Função sexual

Por fim, a serotonina também está ligada à libido das pessoas. Ou seja, quando a produção está baixa, junto com dias mais tristes, ela também não tem desejos sexuais. Portanto, fique atento a esses pontos para produzir a quantidade correta de serotonina no corpo e continue ativamente sexual.

Como é produzida a serotonina

De fato, até hoje o que estimula a produção da serotonina no corpo humano é algo questionado. Em um organismo sem depressão, por exemplo, os picos de serotonina ocorrem em atividades prazeirosas e que trazem a sensação  de felicidade e bem-estar, isso é fato.

Quem secreta a serotonina são os neurônios, que são encontrados em diversas porções do nosso cérebro, principalmente na parte mais interna dele. Porém, o que faz a produção de mais ou menos serotonina em nosso corpo ainda é algo questionável e faz parte do entendimento geral de doenças psiquiátricas. 

De fato, temos uma concentração saudável desse neurotransmissor no corpo, mas em casos de depressão é comum estar com os níveis mais baixos. Por conta disso, os remédios que são usados para o tratamento da doença tem um grande foco em balancear a serotonina do corpo.

Muitas evidências apontam o intestino produtor principal da serotonina, por conta de grande parte dela vir de lá. Ou seja, um intestino saudável e uma boa alimentação rica em fibras, vegetais e baixo teor de gorduras e açúcares, está intimamente relacionada à produção de serotonina e bem-estar.

Sabe-se, por exemplo, que o aminoácido triptofano é precursor da serotonina, por conta disso, é comum associar o consumo de alimentos a sua fonte de melhoria imediata no bem-estar, como chocolate, queijo, frango e banana.

De fato, o organismo precisa de estímulos para produzir o neurotransmissor, da mesma forma que o corpo não constrói músculos apenas comendo proteína, é necessário fazer exercícios físicos.

Como aumentar a serotonina

Contudo, muito da redução de serotonina, quando é ligada a doenças psiquiátricas, depende bastante da parte genética. Ou seja, cabe ao paciente e sua equipe médica planejar formas de tratar o estado mental, seja ele com medicamentos ou somente com terapia.

Portanto, para pacientes que têm doenças como a depressão, uma boa alimentação, que proporcione a ele uma flora bacteriana intestinal saudável e uma produção adequada do neurotransmissor é o que ajudam no início.

Além disso, é bom incluir a prática de exercícios em sua rotina com mais regularidade, pois isso também ajuda a aumentar os níveis de serotonina de maneira mais eficaz. 

Porém, em casos mais graves, o paciente pode fazer o uso de medicações que inibem a receptação de serotonina. Ou seja, o medicamento faz com que a serotonina fique agindo por mais tempo nas sinapses neuronais.

Qual a relação entre a alimentação e a serotonina?

O triptofano é o precursor da serotonina, como já mencionamos no início deste conteúdo. Porém, embora tenha um papel fundamental no organismo, estima-se que apenas 1% desse aminoácido ingerido seja transmitido nesse neurotransmissor. O restante é para a produção de outras proteínas em nosso corpo.

De acordo com nutricionistas, os nutrientes mais importantes na produção e função de serotonina são o magnésio, zinco, cromo, vitamina D, vitaminas do complexo B, o próprio triptofano já mencionado e o ômega 3.

De fato, você pode encontrar esses itens em:

  • Frutas;
  • Verduras;
  • Legumes;
  • Cereais integrais;
  • Castanhas;
  • Sementes;
  • Feijões;
  • Ovos
  • Peixes.

Vale ressaltar que o consumo do triptofano presente no cacau, salmão, banana, queijos e nozes, não é a garantia de que ele será usado para formação da serotonina em nosso corpo. Por conta disso, é importante também ter uma boa ingestão de fibras e de água.

Sintomas de serotonina baixa

De maneira geral, para saber se estamos com níveis “baixos” de serotonina em nosso corpo, é através de uma consulta com um especialista. Na entrevista com um psiquiatra, por exemplo, ele observa alguns aspectos do paciente que transparecem a falta de serotonina no corpo.

Humor persistentemente deprimido, fadiga, sintomas ansiosos, falta de energia, alteração de sono, entre outro sintomas são sugestivos de uma desregulamentação da serotonina. 

Porém, é importante saber que não é apenas a falta de serotonina que pode apresentar os sintomas acima, mas também outras doenças como as endocrinológicas, a exemplo dos distúrbios de tireoide.

serotonina

Quais os problemas em estar com a serotonina baixa? 

A serotonina baixa está relacionada a problemas como a depressão e ansiedade, mas ela não é a única responsável por esses quadros. Ainda é um pouco controverso na literatura médica quais as causas da depressão, mas acredita-se que não apenas a falta de serotonina esteja envolvida. 

Isso tem como comprovação pessoas que têm os níveis de serotonina bem altos e mesmo assim são deprimidas. Ou seja, isso acaba abrindo precedentes de outros fatores para esse tipo de doença.

De modo geral, estar com os níveis baixos de serotonina provoca estados depressivos, alterações em nosso sono, distúrbios em relação ao apetite, ansiedade, dificuldades em manter a atenção no aprendizado e, até mesmo, quadros de dores crônicas.

O que pode reduzir a serotonina?

A genética acaba sendo um fator predominante para reduzir a serotonina no corpo. Portanto, apesar de a alimentação ter uma ligação com a produção deste neurotransmissor, essa conversão acaba sendo muito baixa.

Ter uma dieta deficiente em minerais, vitaminas, aminoácidos triptofano ou em ômega 3, mesmo que em alimentos industrializados, pode influenciar na redução de serotonina. Além disso, o estresse, sono inadequado, intestino ruim também são fatores prejudiciais.

O que o excesso de serotonina pode causar?

Por outro lado, existe o quadro de síndrome serotoninérgica, onde a produção do neurotransmissor é em excesso. 

Nessa situação que a medicação da serotonina sérica é feita, para conter causas como hipertensão arterial, febre, suor, calafrios, rigidez muscular, batimentos aumentados, entre outros sintomas.

Mais do que entender como a serotonina funciona em nosso corpo, esse pode ser um grande passo para ingressar nos estudos em áreas específicas como biologia, medicina e outros cursos relacionados ao corpo humano.

Hoje, é mais fácil encontrar uma faculdade parceira, com educação de qualidade e um preço justo. Veja alguns dos parceiros da Quero Educação no mercado e encontre as melhores bolsas de estudo:

E ai, gostou desse conteúdo? Você está cuidando da sua serotonina? Conta para a gente!

Facul sem treta? É aqui mesmo!
Facul sem treta? É aqui mesmo!

Estude nas melhores sem sair de casa

As melhores faculdades com ofertas super especiais para você começar a estudar sem sair de casa.