Subir ao palco, representar uma personagem e receber os aplausos é o

lado glamouroso da profissão. Ir às ruas para buscar patrocínio e

elaborar projetos para editais de incentivo à cultura é a outra parte

do trabalho do profissional de Artes Cênicas. Sem a existência de

companhias teatrais vinculadas a teatros e praticamente sem a chance de

ter uma carteira assinada como ator, o graduado precisa correr atrás de

meios para viabilizar sua produção.

A chefe do Departamento de

Artes Cênicas da Udesc, Sandra Meyer Nunes, conta que os formados pela

instituição criam estratégias para realizar as produções nas quais

atuam ou pretendem dirigir.

– Não é um mercado de trabalho

pronto. É preciso achar funções na área de cultura. Os alunos saem da

universidade com um bom conhecimento, mas é difícil ter um emprego fixo

– salienta.

O curso de Licenciatura e Bacharelado em Teatro da

Udesc tem duração de quatro anos e meio. A Udesc faz uma prova de

aptidão para selecionar seus alunos, mas está repensando esta forma de

seleção.

A UFSC criou seu curso de

Artes Cênicas no ano passado. Com duração de quatro anos, a faculdade é

noturna e, ao contrário da Udesc, não dá aos formados o grau de

licenciado, apenas de bacharel. Os alunos estudam três áreas:

dramaturgia, atuação e direção. Para conseguir uma vaga na instituição,

não é preciso fazer prova de aptidão. Os professores, porém, pretendem

implantar o exame no vestibular de 2011.

Como eu fiz

“Eu

comecei a fazer um curso de teatro no Centro Integrado de Cultura (CIC)

e aí percebi que trabalhar com arte poderia ser uma escolha de vida.

Tinha uns 16, 17 anos. Fiz dois anos de curso de teatro comecei a

pesquisar, comecei a ver que tinha faculdade e resolvi fazer o

vestibular. Eu sabia que queria trabalhar com alguma área artística.

Pensei até em fazer Artes Plásticas, mas eu não tenho muita habilidade

para desenhar. Então eu achei que poderia me dar melhor no teatro. Foi

aí que comecei a fazer o curso para ver se era isso mesmo que eu

queria. Eu fui experimentar antes de entrar na universidade. E vi que

era. Quando era pequena, também fazia teatro na escola. Todo mundo

achava legal. As professoras falavam para minha mãe que eu seria atriz.

Minha

mãe levava na brincadeira. Tanto que fiz o vestibular para Artes

Cênicas escondido da minha família. Não contei a ninguém. Porque, no

ano anterior, tinha feito vestibular na Udesc para Fisioterapia e não

passei. Faltou pouco. Segui estudando, fazendo cursinho e, no ano

seguinte, não falei para ninguém que faria para teatro. Achei que não

me apoiariam. Aí fiz para Teatro. Quando fui ver o resultado na Udesc,

vi meu nome e fiquei superfeliz. Quando me formei, criei um grupo de

teatro. Também dou aula, mas ninguém fica rico. Também trabalho com

cinema. Costumo dizer a meus alunos que o dinheiro é consequência do

trabalho. Se eles querem fazer uma faculdade visando o dinheiro, então

eles não podem fazer faculdade de teatro. Não é assim que funciona. "

Gláucia Grigolo, 31 anos, formada há 11 anos em Artes Cênicas,

professora de teatro e atriz

Saiba mais

O que faz

Trabalha com cenografia, concebendo cenários e objetos para serem

usados em cena

Dirige peças, coordenando todos os aspectos envolvidos em um

espetáculo, desde a escolha do elenco à orientação dos atores durante

os ensaios

Cria os textos a serem encenados

Faz dublagens

Representa personagens

Viabiliza as peças, conseguindo patrocínios e materiais necessários

para a realização dela

Elabora o figurino para o espetáculo

Dá aulas de interpretação em escolas em ONGs

Onde trabalha

Grupos de teatro, escolas, ONGs

Para mais informações sobre o curso acesse: Curso

de Artes Cênicas