Você possui algum produto fabricado em outro país? É provável que sim. E é certo que para esse produto chegar a suas mãos, um profissional de Comércio Exterior trabalhou em alguma etapa da importação.

A área de Comércio Exterior lida também com as exportações, ou seja, ajuda a identificar as melhores oportunidades para as empresas brasileiras colocarem seus produtos no mercado externo.

Atuar em Comércio Exterior requer conhecimentos sobre economia, logística, legislação, cultura de outros países e, claro, saber se comunicar em outros idiomas. Conheça mais sobre a área e saiba quais faculdades oferecem esta graduação!

Como é o curso de Comércio Exterior

Existem dois tipos de graduação focadas na área de Comércio Exterior:

  • Bacharelado em Comércio Exterior: apresenta as matérias teóricas e práticas para quem quer se tornar um negociador internacional. O curso tem duração média de quatro anos e é oferecido apenas na modalidade presencial.
  • Superior de Tecnologia em Comércio Exterior (Tecnólogo): tem duração média de dois anos. Apresenta conteúdos semelhantes ao do Bacharelado, mas de forma resumida, pois é mais focado na prática. Há turmas nas modalidades presencial e a distância.

Nas duas opções, o curso de Comércio Exterior prepara profissionais capazes de:

  • Prospectar oportunidades no exterior para empresas brasileiras.
  • Identificar produtos importados que possam ganhar mercado no país.
  • Mediar negociações internacionais.
  • Definir a logística e os meios de transporte.
  • Cuidar da parte de tributos.
  • Providenciar a documentação para o produto atravessar as fronteiras.

Nos primeiros semestres do bacharelado, o aluno tem contato com as disciplinas teóricas, como Economia e Negócios, Direito Internacional, Sociologia e Política. O objetivo é entender como funcionam as diferentes culturas e mercados internacionais.

Para ajudar o profissional a se tornar um negociador, o curso aprofunda os temas da Administração, como Marketing, Contratos, Gestão Comercial e de Produção. Além da parte teórica, o estudante exercita seu conhecimento para pesquisar mercados, elaborar propostas e planos de negócio, por exemplo.

O currículo do curso traz também muita Matemática nas matérias da área Financeira, Contabilidade e Estatística. O estudante irá aprender a fazer os cálculos cambiais e de impostos. Mas não basta apenas calcular. É preciso acompanhar diariamente o sobe e desce das moedas e também as mudanças na legislação.

Outro foco do curso é preparar o profissional para a parte operacional. Por isso, é preciso entender a legislação aduaneira, os trâmites e a burocracia que existe para liberar um produto na alfândega.

No Comércio Exterior, a língua não pode ser uma barreira. Conhecer o idioma do seu cliente é fundamental. Por isso, o curso apresenta disciplinas básicas de Inglês e Espanhol. No entanto, é recomendado que o estudante aprofunde seus estudos neste campo, principalmente para saber como funcionam as diferentes culturas com as quais irá trabalhar.

O que se estuda no curso de Comércio Exterior

As matérias do curso de Comércio Exterior podem variar de acordo com cada faculdade. Veja alguns exemplos de disciplinas:

  • Administração de Sistemas de Exportação e Importação
  • Contabilidade
  • Direito Nacional e Internacional
  • Economia
  • Espanhol
  • Estatística
  • Finanças Internacionais
  • Inglês
  • Logística Internacional
  • Matemática Financeira
  • Teoria e Sistemática Aduaneira

Mercado de trabalho para quem se forma em Comércio Exterior

Quem se forma em Comércio Exterior pode trabalhar em várias áreas. Conheça algumas das principais:

  • Marketing e Vendas Internacionais: realiza pesquisas sobre novos mercados; participa de mesas de negociação para importação e exportação.
  • Despacho Aduaneiro: libera mercadorias que chegam ao país; emite os documentos necessários para importação e exportação.
  • Logística: controla o fluxo de embarque e desembarque; identifica os meios de transporte mais adequados, seja para diminuir o custo ou para que o produto chegue na hora.
  • Trader: negociador internacional que pode ser autônomo ou trabalhar para uma empresa e vender seus produtos para outros países.

As vagas podem estar em organizações como:

  • Bancos
  • Consultorias
  • Despachantes aduaneiros
  • Empresas multinacionais e transnacionais
  • Empresas importadoras e exportadoras
  • Órgãos governamentais
  • Seguradoras
  • Transportadoras

Qual é a diferença entre Comércio Exterior e Relações Internacionais?

Quem atua em Comércio Exterior e em Relações Internacionais precisa falar vários idiomas, conhecer culturas e hábitos estrangeiros, além de negociar com profissionais de outros países. Com tanto em comum, quais são as diferenças entre Comércio Exterior e Relações Internacionais?

No Comércio Exterior o foco do profissional são as transações comerciais entre empresas e países. Essa atividade vai desde a identificação de novos mercados, o processo de vendas até a liberação dos produtos nos portos. Com perfil mais administrativo, ele trabalha na parte operacional das transações: os termos comerciais, a logística e a política de aduanas.

Na área de Relações Internacionais as transações não são apenas no campo econômico. Envolvem também negociações diplomáticas, políticas, culturais, educacionais e outras. Com perfil de analista político, os profissionais de Relações Internacionais atuam mais na área de diplomacia política. Em muitos casos podem trabalhar de forma complementar aos profissionais de Comércio Exterior.

Onde estudar Comércio Exterior?

Existem centenas de universidades que oferecem o curso de Comércio Exterior, tanto o tecnológico quanto o de bacharelado. Confira algumas das universidades que são autorizadas pelo Ministério da Educação (MEC) a oferecer esta graduação:

Privadas:

Públicas:

Veja também:

Qual a diferença entre bacharelado, licenciatura e tecnólogo?

Ficou interessado pela área de Comércio Exterior? Conte para a gente nos comentários!