Engenharia de Produção está no “Top 10” dos cursos com mais alunos matriculados do Brasil!

E a gente já imagina o porquê, afinal a graduação mescla duas áreas de grande sucesso no país: a Engenharia e a Administração.

Com conhecimento técnico e visão de mercado, o engenheiro de produção se torna um profissional bastante valorizado no mercado de trabalho. A ele cabe a função de conectar os setores produtivo e administrativo – buscando sempre juntar a melhoria da produtividade com o uso mais eficiente dos recursos disponíveis.

Com base nisso, responda com toda sinceridade: que empresa não gostaria de ter um profissional assim?

O campo de trabalho fervilha de oportunidades. Quem está pensando em fazer o curso precisa dar um belo reforço nos estudos e garantir o quanto antes seu lugar na faculdade. A graduação não é moleza, e vai exigir uma dose extra de paciência e dedicação.

Por isso é bom ter acesso a tudo o que puder saber sobre Engenharia de Produção – quanto tempo dura, como é o curso, os formatos de estudos disponíveis e boas faculdades onde dar o pontapé inicial para essa carreira.

Aqui gente explica tudo para você! Confira a seguir.

Quanto tempo dura o curso de Engenharia de Produção?

O Ministério da Educação (MEC) determina que os alunos de Engenharia de Produção precisam passar por uma carga horária mínima de 3.600 horas até conseguir o diploma – o que dá cinco anos de estudos.

A duração é igual para todas as engenharias.

Ou seja, se você está sonhando em conseguir logo seu diploma, vai ter que controlar a ansiedade e encarar esse tempo mesmo.

E não vão ser anos fáceis, a gente já adianta: os cursos de Engenharia são normalmente uma pancada – mesmo aqueles que têm um perfil um pouco menos técnico, como é o caso da Engenharia de Produção.

Muita gente, para aliviar um pouco a barra do curso, opta por estudar no formato a distância. Será que, por ser mais flexível, esse modelo tem uma carga horária diferente?

Vamos descobrir agora!

Duração do curso de Engenharia de Produção a distância

Estudar a distância é uma beleza para quem precisa conciliar o curso com outras tantas atividades do dia a dia.

Dá para fazer Engenharia de Produção no formato EAD, sem problemas. Só que tem um detalhe importante aqui: somente as matérias mais teóricas podem ser concluídas pelo computador.

O restante das disciplinas, especialmente aquelas que têm um perfil mais prático, precisam ser feitas nas salas de aula especializadas ou nos laboratórios do polo de apoio presencial da faculdade onde o aluno está inscrito.

Mas não pense que, por oferecer mais flexibilidade de horários do que o presencial, o curso de Engenharia de Produção a distância pode ser feito em menos tempo.

O MEC determina que a carga de 3.600 horas é a mesma para os dois modelos de ensino. Isso significa que, independentemente do formato que você escolher, o curso terá que ser feito em cinco anos.

Vale lembrar que o diploma de um curso de Engenharia de Produção a distância vale tanto quanto o presencial.

Em ambos os casos, o profissional só poderá trabalhar como engenheiro depois de obter o registro profissional no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia, o CREA.

Descubra como entrar na área de Engenharia de Produção em menos tempo

Se você quer muito atuar na área de Engenharia de Produção mas tem pressa de ingressar no mercado de trabalho e não pode (ou não quer!) esperar cinco anos, saiba que existem algumas alternativas interessantes com muito menos tempo de dedicação.

Estamos falando dos cursos superiores de tecnologia, ou tecnólogos. Eles foram criados com foco no mercado de trabalho e permitem que os profissionais atuem em áreas específicas de determinada profissão.

Quem não puder fazer Engenharia de Produção pode optar, por exemplo, pela formação em Produção Industrial.

Esse curso pode ser feito em 2.400 horas, ou três anos, e habilita o profissional a trabalhar com planejamento, supervisão e implantação de processos produtivos em indústrias.

A diferença básica entre os dois está na atuação. Enquanto o engenheiro pode trabalhar em diferentes áreas, o tecnólogo em Produção Industrial tem um campo mais restrito.

É preciso lembrar que um não substitui o outro, apenas complementa o trabalho. O tecnólogo não pode, por lei, assinar projetos de engenharia.

O curso de Engenharia de Produção

O curso de Engenharia de Produção tem cerca de 170 mil alunos matriculados em todo o Brasil atualmente, segundo dados do mais recente Censo da Educação Superior. A área, embora ainda muito promissora, já está ficando bastante concorrida.

A graduação pode ser encontrada em quase 600 instituições de ensino pelo país. A maioria, cerca de 85%, está na rede particular de ensino.

Os cursos basicamente são divididos em três momentos: o primeiro, em que o estudante é apresentado ao conhecimento geral das engenharias; o segundo, em que passa a lidar com conteúdos mais específicos (e difíceis) da área escolhida e o terceiro, em que têm acesso às atividades práticas.

São cinco anos de atividades intensas, algumas de quebrar a cabeça. Matemática, Física e Ciências da Administração serão companheiras constantes. Operações, logística, produção, controle de qualidade, concepção de produto, economia e sustentabilidade também vão dar as caras durante os estudos.

A ideia geral é formar um profissional capaz de criar soluções para melhorar a produtividade em organizações em todos os aspectos, desde mão de obra e obtenção de matéria-prima e equipamentos até a rede de parceiros e fornecedores envolvida no processo.

As ofertas de trabalho pipocam nas indústrias e em grandes empresas. O engenheiro de produção pode assumir cargos em áreas diversas, como finanças, gestão de pessoas, controle de qualidade, manutenção de máquinas, gestão de projetos e muito mais.

As aulas práticas acontecem em laboratórios de simulação, eficiência energética, metrologia, automação industrial e informática.

Onde estudar Engenharia de Produção?

Com uma oferta tão grande nas principais faculdades públicas e privadas do país, não vai ser difícil descobrir onde estudar Engenharia de Produção.

O curso é encontrado em faculdades de Norte a Sul do Brasil. Para escolher a mais adequada é preciso, primeiramente, verificar se a instituição é reconhecida e se recebeu boa avaliação junto ao MEC. Essa é a única garantia de que você irá investir seu tempo e dinheiro em uma graduação de qualidade.

Foi pensando nisso que a gente separou algumas sugestões de faculdades reconhecidas e bem avaliadas pelo MEC que oferecem o curso de Engenharia de Produção em diferentes modalidades de ensino.

Algumas delas também têm a formação alternativa – o curso de Produção Industrial!

Confira:

Centro Educacional Anhanguera (ANHANGUERA)

Universidade Estácio de Sá (UNESA) 

Universidade Cruzeiro do Sul (UNICSUL) 

Universidade Cidade de São Paulo (UNICID) 

Universidade de Franca (UNIFRAN) 

Faculdade Pitágoras (PITÁGORAS) – em Minas Gerais

Veja também:

Que nota preciso tirar no ENEM pra passar em Engenharia

Está com planos de entrar em Engenharia de Produção? Conte para a gente qual modalidade é a sua preferida e em qual faculdade você gostaria de estudar!