Ela é arquiteta com experiência em projetos de arquitetura de interiores e comercial, com foco em lojas de móveis planejados. Desenvolve projetos de projetos, atua em reformas e presta consultoria.  Participou da Casa Cor, Casa Cor Trio, Mostra Etna Berrini e desenvolveu stands para feiras mundiais, como Equipotel, FIMMA e Movelsul.

Conversamos com Lia Cimadon, formada em Arquitetura e Urbanismo na Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) para entender como foi seu processo de escolha profissional, como é o curso de arquitetura, seu dia a dia de trabalho e dicas para quem está pensando na carreira de arquiteto.

[Ache os cursos e faculdades ideais para você!]


Como foi a decisão de estudar arquitetura? 

Fiz teste vocacional quando faltavam 6 meses para prestar vestibular! Sempre quis uma profissão na qual tivesse a opção de ser autônoma e que fosse na área das ciências exatas. Também sempre tive facilidade nas proporções e espaço (na universidade que eu cursei , arquitetura faz parte das ciências exatas).  

Já tinha certeza de que era esse o curso que queria fazer/profissão que ia seguir?

Não tive certeza até o segundo ano da faculdade, quando começaram as matérias mais importantes de projeto. No curso de arquitetura demora até o aluno realmente projetar alguma coisa. Há várias matérias de introdução ao desenho, artes, história, que são extremamente necessárias e que são dadas antes das cadeiras de projeto.

Como era o curso, você gostava?

O curso foi ótimo. A universidade possui o currículo bem dividido entre técnica e história da arte. O curso de arquitetura exige bastante do aluno nos horários extra-classe, pois a avaliação é feita bastante pelos projetos, que não eram desenvolvidos no horário de aula. As cadeiras de projetos eram muito para assessoramentos dos trabalhos que fazíamos em casa. A Unisinos tem uma estrutura física muito grande e completa. Uma vez um professor me viu no intervalo de uma aula sentada, bem à vontade, em um banco de um dos jardins da universidade e falou que gostava de alunos com eu, pois eu fazia da universidade uma extensão da minha casa, parecia que eu estava sentada na sala de casa. Acho que isso resume o que eu sentia lá. Era como estar em casa!

Durante o curso você já sabia o que faria depois de formada, ou foi mudando de ideia? 

Eu nem imaginava que fosse sair da minha cidade e que iria trabalhar bastante com arquitetura comercial (que eu adoro) e muito menos que iria participara de Mostras como a Casa Cor. Todo esse meu caminho foi resultado dos meus anos trabalhando em uma grande empresa de móveis. Foi lá que eu completei meu aprendizado da faculdade e conquistei base para fazer o que eu faço hoje.

Fez estágio? Onde?

Fiz estágio durante a faculdade em um escritório de engenharia. O escritório é de dois engenheiros e o meu trabalho era a parte de arquitetura do escritório- eu era a única estagiária. Também fiz estágio durante a faculdade em um escritório de arquitetura. Ao todo, éramos 4 estagiários. Depois de formada fui contratada como arquiteta desse escritório, antes de trabalhar como arquiteta da fábrica de móveis.

O que você faz hoje, com o que trabalha?

Hoje eu trabalho muito com arquitetura comercial e de interiores. Trabalho bastante com projeto de lojas de móveis planejados devido a  minha experiência na área. Gosto muito das duas coisas. Na arquitetura de interiores residencial tenho mais tempo de fazer um trabalho personalizado e de acordo com o cliente. É mais difícil, pois falamos do lar das pessoas, do lugar que elas estão grande parte do seus dias. O arquiteto tem que se imaginar no lugar da pessoa, seus costumes, seus gostos, seu dia-a dia. Mas é fantástico quando o cliente sorri e diz que adora as idéias que que proponho. Na arquitetura comercial (lojas) a pegada é mais rápida, pois existe a questão da venda do produto, aluguel do ponto, o projeto tem que agradar o proprietário da loja e terá que agtradar os futuros clientes, cada um com um gosto diferente. Mas nesses projetos eu tenho bastante liberdade de criar e expor as minhas idéias, pois não preciso me amarrar tanto à questões funcionais como na casa de uma pessoa (pontos de água, luz, gás). Normalmente projetos de showroom são apenas para demonstração. A média é de que apenas uma cozinha da loja funcione realmente.

De que aspecto do seu trabalho você mais gosta?

Gosto quando um cliente compra a minha idéia e gosta do projeto que eu fiz, na totalidade. Entende onde eu quis chegar e que mensagem eu quis transmitir com a minha idéia. Um cliente satisfeito e feliz é o que tem de melhor na profissão.

Que dicas você daria para quem está pensando em cursar Arquitetura?

Diria para se dedicar bastante ao curso e sempre ficar ligado ao que acontece no mundo, tanto na área de design e arquitetura quanto na novidades de materiais. Conhecer até onde podemos chegar e o que podemos utilizar para solucionar um projeto é fundamental.